apresentacao eletrico tdg

Upload: augusto-filho

Post on 06-Jan-2016

229 views

Category:

Documents


0 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Apresentação de TCC sobre projeto elétrico

TRANSCRIPT

  • Projeto Eltrico de Reforma e Ampliao do Tiro de Guerra de Sobral-CEUNIVERSIDADE ESTADUAL VALE DO ACARACENTRO DE CIENCIAS EXATAS E TECNOLGICASENGENHARIA CIVILTRABALHO DE CONCLUSO DE CURSOORIENTADOR: AUGUSTO AZEVEDO

    JOS AUGUSTO AZEVEDO LAUREANO FILHO

  • IntroduoNeste trabalho, inicialmente, ser abordado um breve histrico do surgimento da eletricidade e sua forma de gerao, transmisso e distribuio. Tambm ser mostrado os vrios tipos de energia sustentvel e suas vantagens, bem como o atual uso das energias no renovveis.

  • Introduo inegvel os benefcios provenientes da energia eltrica, pode-se dizer que esta tornou-se imprescindvel para o desenvolvimento das sociedades atuais, toda a economia e atividades esto voltadas para a eletricidade.

  • IntroduoOs responsveis pela manuteno do Tiro-de-Guerra da cidade de Sobral-CE requisitaram profissionais habilitados nesta universidade para que houvesse a criao de um projeto de reforma e ampliao do atual espao, visto que as atuais instalaes eltricas passaro por reforma e ampliao, oferecendo segurana para os jovens aspirantes carreira militar, bem como comunidade que usa o espao para lazer e recreao.

  • MetodologiaNo presente trabalho foi utilizado a modalidade de pesquisa aplicada, pois tem como objetivo investigar, comprovar ou rejeitar hipteses sugeridas pelos modelos estabelecidos pelas normas tcnicas, e, posteriormente, aplicados no estudo de caso.

  • Histria dos Sistemas EltricosJames Watt (1736-1819)Mecnico que possibilitou a revoluo industrial;A unidade de potncia til foi dada em sua homenagem (watt).Alessandro Volta (1745-1827)Inventou a bateria;A unidade de fora eletromotriz foi criada em sua homenagem (volt).Andr Marie Ampre (1775-1836)Descobriu que as correntes agiam sobre outras correntes;Elaborou teoria experimental e matemtica lanando as bases do eletromagnetismo;A unidade de corrente eltrica foi escolhida em sua homenagem (ampre).

  • Energia EltricaO termo energia pode designar as reaes de uma determinada condio de trabalho, por exemplo, o calor, trabalho mecnico ou luz.Estes podem ser realizados por uma fonte inanimada (por exemplo: motor, caldeira, refrigerador, alto-falante, lmpada, vento) ou por um organismo vivo (por exemplo: os msculos, energia biolgica).

  • Energia EltricaO conceito de Energia um dos conceitos essenciais da Fsica. Nascido no sculo XIX pode ser encontrado em todas as disciplinas da Fsica (mecnica, termodinmica, eletromagnetismo, etc.) assim como em outras disciplinas, particularmente na Qumica.

  • Energia Eltrica - GeraoA energia eltrica obtida principalmente atravs de termoeltricas, usinas hidroeltricas, usinas elicas e solares e usinas termonucleares.

  • Energia Eltrica TransmissoA rede de transmisso liga as grandes usinas de gerao s reas de grande consumo.

  • Energia Eltrica - DistribuioAlta tenso de distribuio (AT): tenso entre fases cujo valor eficaz igual ou superior a 69kV e inferior a 230kV;Mdia tenso de distribuio (MT): tenso entre fases cujo valor eficaz superior a 1kV e inferior a 69kV;Baixa tenso de distribuio (BT): tenso entre fases cujo valor eficaz igual ou inferior a 1kV.

  • Energias RenovveisEnergia renovvel aquela originria de fontes naturais que possuem a capacidade de regenerao (renovao), ou seja, no se esgotam. Exemplos:Energia Solar;Energia Elica;Energia Hidrulica;Energia Biomassa;Energia Geotrmica;Energia de Maremotriz.

  • Energias No RenovveisAs fontes de energia no renovveis so aquelas que se encontram na natureza em quantidades limitadas e se extinguem com a sua utilizao. Uma vez esgotadas, as reservas no podem ser regeneradas.Exemplos:Combustveis fsseis;Energia termonuclear (urnio).

  • NBR 5410/2004No Brasil, toda a contribuio de cientistas como Faraday, Neumann e Lenz esto expressas, de forma aplicada experimentalmente, na Norma Brasileira NBR 5410 que estabelece as condies mnimas necessrias para o perfeito funcionamento de uma instalao eltrica de baixa tenso garantindo assim a segurana de pessoas e animais e a preservao dos bens.

  • NBR 5410/2004Tradicionalmente, esta norma ser aplicada para instalao eltrica de edificaes, residencial, comercial, pblico, industrial, militar, de servios, agropecurio, hortigranjeiro etc.

    Para os profissionais da rea de eletricidade a NBR 5410 , nada mais nada menos que o guia fundamental para o desenvolvimento das atividades profissionais do dia a dia.

  • NBR 5410/2004 - IsolamentoIsolao o material ou o conjunto de materiais isolantes utilizados para impedir a circulao de corrente entre partes condutoras.

    Choque eltrico o efeito patofisiolgico resultante da passagem de uma corrente eltrica atravs do corpo de uma pessoa.

  • NBR 5410/2004 - AterramentoUm aterramento uma ligao intencional com a terra, realizada por um condutor ou por um conjunto de condutores enterrados no solo.

    Este pode ser constitudo por uma simples haste vertical, por um conjunto de hastes interligadas ou pelas armaduras de concreto das fundaes de uma edificao.

  • NBR 5410/2004 - CircuitosPode-se definir circuito eltrico de uma instalao como o conjunto de componentes da instalao alimentados a partir da mesma origem e protegidos contra sobrecorrentes pelos mesmos dispositivos de proteo.

  • NBR 5410/2004 - CircuitosA NBR 5410 prescreve que uma instalao deve ser dividida de acordo com suas necessidades, em vrios circuitos.A previso de vrios circuitos permite:Limitar as consequncias de uma falha;Facilitar as verificaes que se faam necessrias;Realizar manutenes e ampliaes, sem afetar outras partes da instalao.

  • NBR 5410/2004 - CircuitosCategorias de Circuitos:Circuito de iluminao;Circuitos de tomadas, de uso geral ou especfico;Circuitos para equipamentos de refrigerao ou aquecimento;Circuitos para equipamentos fixos a motor;Circuitos auxiliares de comando e sinalizao.

  • NBR 5410/2004 - DimensionamentoChama-se de dimensionamento tcnico de um circuito a aplicao das diversas prescries da NBR 5410 relativas escolha da seo de um condutor e do seu respectivo dispositivo de proteo.

    Para que se considere um circuito completo e corretamente dimensionado, so necessrios seis clculos.

  • NBR 5410/2004 - DimensionamentoSeo mnima;Capacidade de conduo de corrente;Queda de tenso;Proteo contra sobrecargas;Proteo contra curtos-circuitos;Proteo contra contatos indiretos (seccionamento automtico).

  • NBR 5410/2004 Seo Mnima As sees mnimas admitidas em qualquer instalao de baixa tenso esto definidas na tabela 47, seo 6.2.6 da norma NBR 5410. Dentre os valores indicados, destaca-se dois:A seo mnima de um condutor de cobre para circuitos de iluminao de 1,5mm;A seo mnima de um condutor de cobre para circuitos de fora de 2,5mm.

  • NBR 5410/2004 Conduo de CorrenteA capacidade de conduo de corrente um critrio importantssimo, pois leva em considerao os efeitos trmicos provocados nos componentes de circuito pela passagem da corrente eltrica em condies normais.

  • NBR 5410/2004 Conduo de Corrente

  • NBR 5410/2004 Queda de TensoEste critrio tratado em 6.2.7 da NBR 5410. Nessa seo a norma fixa os limites mximos admissveis de queda de tenso nas instalaes alimentadas por ramal de baixa tenso (4%) e por transformador/gerador prprio (7%).

  • NBR 5410/2004 Proteo contra Sobrecarga e Curto-CircuitosOs dispositivos de proteo (disjuntores) devero ser dimensionados de modo que a corrente que este possa proteger seja maior que a corrente de projeto e menor que a capacidade de conduo do condutor.Caso contrrio o condutor teria a possibilidade de conduzir uma corrente acima do que suporta e o disjuntor no dispararia, acarretando malefcios como danos em aparelhos ou incndios.

  • Para-raiosUm para-raios uma haste de metal, comumente de cobre ou alumnio, destinado a dar proteo aos edifcios atraindo as descargas eltricas atmosfricas, raios, para as suas pontas e desviando-as para o solo atravs de cabos de pequena resistncia eltrica. Como o raio tende a atingir o ponto mais alto de uma rea, o para-raios instalado no topo da edificao.

  • Estudo de Caso Tiro-de-Guerra de Sobral-CEos Tiros-de-Guerra (TG) so rgos de Formao da Reserva (OFR), que possibilitam a prestao do Servio Militar Inicial, no municpio sede do TG, dos convocados no incorporados em Organizao Militar da Ativa (OMA), de molde a atender instruo, conciliando o trabalho e o estudo do cidado.

  • Estudo de Caso Tiro-de-GuerraAlm de propiciar a prestao do servio militar inicial, os TG devem:Contribuir para estimular a interiorizao e evitar o xodo rural;Constituir-se em polos difusores do civismo, da cidadania e do patriotismo;Colaborar em atividades complementares em benefcio da comunidade local;Mediante autorizao dos Comandantes Militares de rea:Atuar na Garantia da Lei e da Ordem e na Defesa Territorial;Participar na Defesa Civil; eColaborar em projetos de Ao Comunitria.

  • Estudo de Caso Estande de TirosNo h luminrias nem tomadas nas imediaes, inviabilizando o treino de tiro durante a noite. O estande considerado uma das reformas mais urgentes, visto que no s atende aos atiradores, mas tambm aos profissionais da Polcia Militar, Guarda Civil Municipal e Capitania dos Portos de Camocim-CE.

  • Estudo de Caso Estande de Tiros

  • Estudo de Caso Estande de Tiros

  • Estudo de Caso Quadra PoliesportivaNo h nenhum tipo de cobertura, o piso est em alto grau de degradao e est sem pinturas demarcando as reas de cada tipo de esporte.

  • Estudo de Caso Quadra Poliesportiva

  • Estudo de Caso Quadra Poliesportiva

  • Estudo de Caso Auditrio de InstruesAtualmente o auditrio est improvisado em uma das salas da edificao onde no comporta todos os atiradores. Para soluo do problema, foi proposto a construo de um novo auditrio, equipado com sistema de som, projetor multimdia, novas luminrias e tomadas, e, atendendo a todas as normas de acessibilidade especial.

  • Estudo de Caso Auditrio de Instrues

  • Estudo de Caso PtioO ptio est em estado funcional, mas ser instalado mais refletores para maior eficincia da iluminao.

  • Estudo de Caso Instalaes GeraisO bloco principal do TG mostra algumas instalaes improvisadas, mas funcionais, atendendo os requisitos mnimos dos funcionrios.

  • Estudo de Caso Instalaes GeraisApesar de estar em operao, a edificao apresenta algumas deficincias, na foto v-se um ponto de iluminao sem lmpada e com alguns fios expostos.

  • Estudo de Caso Instalaes GeraisO quadro de distribuio encontra-se acessvel, no hall de entrada da edificao, local seguro e bem situado, onde qualquer atirador poder desligar os disjuntores em caso de curto-circuito.

  • Manuteno em Instalaes EltricasAs instalaes eltricas so de certa forma as mais perigosas de serem mantidas uma vez que no se pode ver a corrente eltrica atravessando o condutor. Da mesma maneira que o responsvel pela manuteno eltrica deve ter precauo em suas atividades para que no sofra um acidente, o edifcio na qual as instalaes esto feitas deve ter alguns cuidados com elas.

  • Manuteno em Instalaes EltricasA OM dever possuir uma planta geral do aquartelamento (planta de situao) e uma planta de arquitetura (planta baixa) de cada prdio (pavilho, andar, etc). Na planta baixa devero estar assinalados, com respectivos nmeros, os pontos de luz de cada dependncia.

  • Manuteno em Instalaes Eltricas LmpadasNo que se refere a pontos de luz, as recomendaes que se seguem so particularmente importantes: No instalar lmpadas com potncia (watt) superior indicada no projeto;Se for necessria maior luminosidade, tentar obt-la mudando o tipo de lmpada (por exemplo: incandescente por fluorescente compacta ou comum);

  • Manuteno em Instalaes Eltricas LmpadasNo aumentar o nmero de pontos de luz alm do previsto na instalao original ou no projeto; eNo aumentar a capacidade nominal dos fusveis e dos disjuntores nos circuitos de iluminao.

  • Manuteno em Instalaes Eltricas

  • Manuteno em Instalaes Eltricas Fluorescente x IncandescenteAs luminrias com lmpadas fluorescentes possuem vantagens e desvantagens em relao s luminrias com lmpadas incandescentes.So vantagens:menor potncia instalada para uma mesma luminosidade;maior luminosidade para a mesma potncia instalada;menor consumo de energia; evida mais longa das lmpadas

  • Manuteno em Instalaes Eltricas Fluorescente x IncandescenteSo desvantagens:custo da luminria;custo dos equipamentos (reatores, soquetes, starters etc);custo das lmpadas;manuteno mais especializada; eabaixamento do fator de potncia da instalao.

    Recomenda-se que a equipe de manuteno possua, montadas em oficina, algumas luminrias padres para testar lmpadas, reatores e starters.

  • Manuteno em Instalaes Eltricas TomadasA disseminao da utilizao inadequada das ligaes do tipo pino-tomada pode comprometer toda a instalao eltrica de um aquartelamento. O funcionamento inadequado desse conjunto pode causar incndios e danos a equipamentos instalados nas edificaes. A probabilidade aumenta, consideravelmente, se a potncia do equipamento ligado tomada excede a capacidade nominal da mesma ou, pior, excede a carga prevista em projeto, para aquele ponto.

  • Manuteno em Instalaes Eltricas TomadasAs tomadas comuns, de uso geral, no devem ser ligados equipamentos com potncias altas. Normalmente, para cargas iguais ou superiores a 1000 (mil) watts so especificadas em projeto tomadas especficas.

  • Manuteno em Instalaes Eltricas - InterruptoresAs ligaes entre interruptores e lmpadas devem estar em conformidade com os projetos. Com o interruptor desligado no pode haver tenso nos soquetes das lmpadas, isto , no pode dar choque.Executar anualmente o reaperto das ligaes internas dos interruptores, aproveitando para medir a corrente e verificar se a mesma est abaixo da sua capacidade nominal, especificada pelo fabricante

  • Manuteno em Instalaes Eltricas Quadro de DistribuioOs quadros de distribuio (QD) so quadros onde se localizam barramentos (de fora e de neutro/terra) e as protees (disjuntores) dos vrios circuitos eltricos de uso comum (iluminao e tomadas). Normalmente o QD ligado a uma chave de um Quadro Geral de Baixa Tenso (QGBT), ou diretamente rede externa. Quando ligado rede externa, deve possuir chave geral para desligamento. importante que o QD no esteja energizado para fins de manuteno.

  • ConclusoIndubitavelmente, imprescindvel fazer manutenes peridicas em todos os setores de uma edificao, seja ela estrutural, hidrossanitria ou eltrica. essencial fazer reparos quando a vida til do material que utilizamos est perto do fim e faz com que a estatstica de acidentes seja notavelmente reduzida.Portanto, atravs de uma anlise na execuo da instalao eltrica do prdio, percebe-se que h carncias na instalao, atribudas, principalmente, a no existncias de um projeto eltrico, onde seriam pensados e planejados todos os aspectos pertinentes execuo da instalao, aliando custo, conforto e segurana tanto para o construtor, como para os usurios.