como motivar pessoas

Download Como  Motivar  Pessoas

Post on 13-Jan-2015

2.073 views

Category:

Documents

1 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

 

TRANSCRIPT

  • 1. Iain MaitlandAdicionando Energiaao Trabalho em EquipeImplementando Dinmicasde Trabalho Redesenhando Processos

2. Traduo do Motivating Peopleoriginalmente publicado em 1995, em comum acordocom o Institute of Personnel and Development. 1995 Iain MaitlandDireitos desta edio reservados Livraria Nobel S.A.Rua da Balsa, 559 - 02910-000 So Paulo, SPFone: (11) 3933-2800 Fax: (11) 3931-3988e-mail: ednobel@livrarianobel.com.brCoordenao editorial e grfica: Clemente Raphael MahlProduo grfica: Mirian CunhaReviso: Mrcia Cruz Nboa Leme e Daniel de Paiva CazzoliCapa: Joo Lino Oliveiracones: Ceclia de P. Alves e Marcela GuimaresComposio: CompLaser Studio GrficoImpresso: Book RJ Grfica e Editora Ltda.Dados Internacionais de Catalogao na Publicao (CIP)(Cmara Brasileira do Livro, SP, Brasil)Maitland, IainComo motivar pessoas/Iain Maitland; traduo Pedro Marcelo S deOliveira e Giorgio Cappelli So Paulo: Nobel, 2000. Ttulo original: Motivating people. ISBN 85-213-0968-61. Administrao de pessoal 2. Liderana 3. Motivao (Psicologia)4. Pessoal Motivao I. Ttulo.97-2529 CDD-658.314ndice para catlogo sistemtico:1. Gerentes como treinadores e orientadores: Administrao executiva 658.314 PROIBIDA A REPRODUONenhuma parte desta obra poder ser reproduzida, copiada, transcrita ou mesmo transmitidapor meios eletrnicos ou gravaes, sem a permisso, por escrito, do editor. Os infratoressero punidos pela Lei n 9.610/98.Impresso no Brasil / Printed in Brazil 3. A Editora Nobel tem comoobjetivo publicar obras comqualidade editorial e grfica,consistncia de informaes,confiabilidade de traduo,clareza de texto, impresso,acabamento e papeladequados.Para que voc, nosso leitor,possa expressar suassugestes, dvidas, crticas eeventuais reclamaes, a Nobelmantm aberto um canal decomunicao.Entre em contato com:Central Nobel de Atendimentoao ConsumidorFone: (11) 3933-2800Fax: (11) 3931-3988End.: Rua da Balsa, 559So Paulo CEP 02910-000Internet: www.livrarianobel.com.br 4. Sumriocaptulo 1Motivao, 7 captulo 2 Seja umbom lder, 14captulo 3 Como trabalharem equipe, 23 captulo 4Como aprimoraros trabalhos, 31captulo 5Desenvolvimentode pessoal, 38 captulo 6Como remuneraros funcionrios, 51 captulo 7 Como proporcionar um ambiente de trabalhoseguro e saudvel, 6046 5. captulo 1 MotivaoAfinal de contas, o que vem a ser motivao? A definio pode sermuito simples: a fora ou o impulso que leva os indivduos a agiremde uma forma especfica. claro que h muito mais implicaesnisso do que sugere essa definio. Trata-se mesmo de uma boa idiacomear averiguando a motivao, por meio de uma observaorpida na prpria teoria sobre motivao de pessoas. Mesmo antesde se pensar em como coloc-la em prtica em um ambiente detrabalho especfico.Como motivar pessoas:a teoriaVrias teorias foram levantadas acerca da motivao e do que ela .Trs delas, em particular, mantiveram credibilidade por um certotempo, e acabaram por criar uma apresentao concisa, emboracompleta, sobre o assunto:n A pirmide de necessidades, de Maslown A teoria dos dois fatores, de Herzbergn A teoria da expectativa, de Vroom7 6. Como motivar pessoasA pirmide de necessidades de MaslowAbraham Maslow, provavelmente o mais conhecido tericomotivacional, foi um psiclogo americano que acreditava que todosos indivduos apresentavam uma hierarquia de necessidades queprecisavam ser satisfeitas. Essa hierarquia de necessidades mostrada sob a forma de uma pirmide (Figura 1.1). De acordo comMaslow, as necessidades primordiais de um indivduo so conseguirar, alimentos e gua em quantidades suficientes para sua sobrevivncia(necessidades fisiolgicas). Aps essas terem sido atingidas, no hmotivao para mais ar, alimento e comida, mas sim para as neces-sidades de segurana. Assim que essa pessoa percebe que est livrede qualquer ameaa de perigo ou ataque, suas motivaes voltam-separa as necessidades sociais: amizades e tudo o mais que estiverrelacionado.Um indivduo que superou as necessidades de auto-estima ealcanou o reconhecimento por parte de outros indivduos volta-separa satisfazer as necessidades de auto-realizao, at que estasestejam saciadas tanto quanto possvel e ele, com isso, se sintarealizado. No entanto, se as necessidades situadas em um nvelinferior deixam repentinamente de ser atendidas, o indivduodirecionar novamente sua motivao para elas. Assim, por exemplo,um homem est em uma esquina, conversando com um amigo,satisfazendo suas necessidades sociais. Se, porventura, um loucobrandindo uma faca chegar at ele, as necessidades de seguranadesse homem no estaro mais satisfeitas, uma vez que ele no seencontra livre da ameaa de perigo ou ataque. Com isso, ele foge muito mais preocupado em resolver as necessidades de segurana,localizadas em um nvel mais baixo, do que as de nvel mais alto,como as sociais.Foram feitas tentativas no sentido de relacionar a teoria deMaslow com as exigncias de funcionrios dentro do ambiente detrabalho. As necessidades fisiolgicas seriam as ligadas a salrio ebenefcios. As necessidades de segurana estariam vinculadas aassuntos como segurana no trabalho, auxlio-doena e planos deprevidncia, perodos de folga suficientes, proteo contra injustiase segurana fsica. As necessidades sociais, associadas a um senso departicipao, amizade e prestatividade a colegas de trabalho esuperiores hierrquicos. As necessidades de auto-estima podem sersatisfeitas pelo reconhecimento e elogio por parte de supervisores e8 7. Motivao Figura 1.1 A pirmide de necessidadesde MaslowDE AUTO- REALIZAO DE AUTO-ESTIMASOCIAISDE SEGURANA FISIOLGICASgerentes, juntamente com perspectivas de transferncias de cargose promoes. As necessidades de auto-realizao podem ser atingidasquando se proporcionam trabalhos gratificantes e interessantes, nosquais as habilidades so utilizadas de maneira ampla. A teoria dos dois fatores de HerzbergFrederick Herzberg sugeriu que existem dois grupos igualmenteimportantes de fatores relevantes motivao de equipe comoilustra a Figura 1.2. Ele afirma que fatores de higiene (ou no-satisfatrios) na verdade, no chegam a estimular, mas que precisamser pelo menos satisfatrios para no se tornarem a causa dadesmotivao das pessoas. Por exemplo: um ambiente de trabalhoseguro e saudvel, por si s, no ir motivar os funcionrios atrabalharem com mais afinco e/ou melhor, porm, deixa-os satisfeitoso bastante para que outros fatores possam motiv-los. No entanto, seas condies de trabalho causam insatisfao, as pessoas tornam-sedesmotivadas, e tanto esses como outros elementos simplesmenteno iro funcionar como motivadores.9 8. Como motivar pessoasFigura 1.2A teoria dos doisfatores de Herzberg FATORES DE HIGIENE MOTIVADORES Condies de trabalhoO trabalho em si PagamentoResponsabilidade Segurana no trabalhoSenso de realizao Relaes no trabalho Reconhecimento Prticas de superviso e administrao Perspectivas de evoluo Poltica e administrao da empresa Herzberg afirmava que, se os Fatores de Higiene estiverem emordem e forem satisfatrios, cinco fatores-chave podem motivar aequipe: trabalhos interessantes ou que apresentem desafio; res-ponsabilidade pelas tarefas e deveres realizados; sensao de se teralcanado algo que valeu a pena; reconhecimento pelo trabalhorealizado, pelo empenho e pelo desempenho; e a possibilidade dedesenvolvimento pessoal, transferncia de cargo e promoo. Herz-berg acreditava que o trabalho, em si, o principal motivador noambiente de trabalho, e que todas as outras influncias possveis sode importncia secundria.A teoria da expectativa de VroomTomando por base a Pirmide de necessidades e a Teoria dos doisfatores, V. H. Vroom formulou sua Teoria da expectativa, ilustradana Figura 1.3. Para ele, existem duas partes que compem amotivao: os desejos individuais e as expectativas de alcan-los. Eleutilizou a palavra valncia para descrever o nvel de um desejo emparticular: um alto nvel de valncia indicava um desejo forte,enquanto que um nvel baixo sugeriria que o desejo tinha menorimportncia para a pessoa, a ponto de este ser uma causa poucoprovvel de alguma motivao. No entanto, se um alto nvel de valncia age como motivador,o indivduo tambm precisa sentir que esse desejo especfico podeser satisfeito. Um funcionrio, por exemplo, pode ter um forte desejo10 9. Motivaode adquirir um automvel de determinada marca, como um BMWem vez de um carro mais popular. Se esse indivduo acredita poderrealizar seu desejo, uma vez que se trata de um carro paraconsumidores de alta renda, ele ento tomar as providnciasnecessrias, de modo a produzir o resultado exigido e a satisfao deseu desejo. Se o desejo no for acessvel, h ento pouca probabilidadede essa pessoa trabalhar com mais afinco e/ou melhor. A pessoa nose sentir motivada. Figura 1.3A teoria da expectativa de VroomVALNCIA X EXPECTATIVA MOTIVAOAORESULTADOS SATISFAO Como motivar pessoas em termos prticosFalando de forma clara, todas as teorias so vlidas, embora cadauma delas tenha sua prpria abordagem e d mais nfase a algunsfatores do que a outros. Contudo, voc tem a responsabilidade decolocar em prtica essa teoria e, na verdade, a responsabilidade demotivar as pessoas prximas a voc no ambiente de trabalho. Assim,voc precisa observar os aspectos prticos de:n Ser um bom ldern Trabalhar em equipe11 10. Como motivar pessoasnAprimorar os trabalhosnDesenvolver as pessoasnRemunerar os funcionriosnProporcionar um ambiente de trabalho seguro e saudvelSer um bom lderTalvez as maiores influncias sobre a motivao sejam as pessoas eos relacionamentos entre elas, tanto para melhor quanto para pior. quase certo que se pode ter um imenso impacto positivo aqui,simplesmente sendo um bom lder. Se voc ainda no o , isso podeser corrigido, mediante uma melhor compreenso das metas pessoais,de seu setor e da empresa, liderando como algum que serve deexemplo e, em seguida, motivando outros a seguirem sua liderana,mantendo-os envolvidos em tudo o que voc fizer.Trabalhar em equipeDa mesma forma, um trabalho de equipe tem um papel de importnciavital na motivao das pessoas. Como o lder de uma equipe quecomo vo