incêndio i 5 a segm

Download Incêndio  i    5 a segm

Post on 29-Jul-2015

149 views

Category:

Education

2 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

1. 1 1-INTRODUO Com a descoberta do fogo, houve grande mudana na vida dos homens, que aprenderam a utiliz-lo em seu benefcio, de diferentes formas: aquecer, preparar os alimentos, derreter metais, moldar utenslios para casa e etc. Mas o fogo nem sempre til e benfico. Quando foge ao controle do homem, pode provocar grandes transtornos, perda de materiais e at roubar vidas. Finalmente podemos afirmar que o incndio o fogo sem controle. Entendendo o fogo, o homem pode: Produzi-lo; Preveni-lo; Control-lo; Combat-lo. 2-CAUSAS DE INCNDIO Vrias so as causas que concorrem para a erupo de um incndio. - Descuido com fontes de calor. Ex: aquecedores, ferro eltrico, forno, lmpadas. -- Descuido de fumantes - -Falta de lubrificao em eixos de transmisso, gerando energia calorfica suficiente para se inflamarem. Ex: correias de polias. - Sobrecarga eltrica em fios. - Circuitos mal dimensionados. - Uso de Benjamins - Combusto espontnea de materiais. Ex: algodo, juta. - Manuseio de gases - Raios 3-COLABORE COM A SEGURANA Comunique ao SESMT qualquer situao perigosa. Observe os seguintes itens: No use, sob pretexto algum, os equipamentos de proteo contra incndio para outros fins que no o de combate ao fogo. Conserve sempre em seus lugares os equipamentos destinados ao combate a incndio, com seus acessos limpos e desimpedidos. Familiarize-se com os extintores e outros equipamentos de combate a incndios, existentes no seu local de trabalho, sabendo: Onde se encontram; Como oper-los; Para que espcie de incndio eles servem. No fume nem produza chamas ou centelhas em locais proibidos, bem como no jogue pontas de cigarro a esmo, nos locais onde no seja permitido fumar. Deixe que somente eletricistas faam reparos nas instalaes eltricas. No atire lixo fora dos recipientes para isso destinado. No permita que trapos embebidos em leos ou graxas, fiquem abandonados. 2. 2 Guarde os recipientes que contenham substncias volteis em lugar apropriado e devidamente tampados. A ordem e arrumao so fatores importantes na preveno de incndios, por isso guarde cada coisa em seu lugar. 4-FOGO Fogo ou combusto uma reao fsico- qumica entre um corpo combustvel e um corpo comburente , provocada por uma energia de ativao( fonte de calor ) Para que ocorra a combusto so necessrios: Deve haver material Combustvel Comburente (oxignio) deve ter acesso ao material combustvel Deve haver a proporo correta entre o combustvel e o Oxignio. Deve ser alcanada a temperatura de ignio do material. Baseado na teoria de Lavoisier, o fogo uma reao qumica resultante da unio de combustvel, comburente e calor. At pouco tempo atrs este era o clebre TRINGULO DO FOGO. Os pesquisadores concluram que existia um outro fator, REAO EM CADEIA. Com a evoluo cientfica constatou-se que o quarto elemento essencial para que o fogo ocorra. ESTES QUATRO ELEMENTOS REPRESENTAM O TETRAEDRO DO FOGO 1 ) O Comburente (oxignio ) se combina com o combustvel atravs de uma fonte de calor. 2 ) A medida que a reao se processa, vai produzindo calor. 3 ) O calor propcia o prosseguimento da reao ( queima ), isto uma reao qumica em cadeia, chamada de combusto: importante ressaltar: Quando um combustvel slido ou lquido entra em combusto, na maioria das vezes, o que queimam so os vapores desprendidos por eles. A proporcionalidade dos elementos essencial para a formao e manuteno do fogo. Quanto mais dividido estiver o corpo mais rpida e completa ser a combusto. 3. 3 ex: madeira serragem. Se a diviso do corpo estiver em forma de poeira em suspenso no ar e se entrar em contato com uma fonte de ignio, alm do maior risco de incndio, temos o perigo de exploso do ambiente que as contm.Pois a reao ocorre com muita rapidez. ex: poeira em suspenso em contato com chave eltrica, interruptor. 4.1-COMBUSTVEL Toda e qualquer substncia slida, lquida e gasosa capaz de se queimar. 4.1.1 -TIPOS DE COMBUSTVEIS SLIDOS LQUIDOS GASOSOS Pape l;Algodo L; Borracha lcool; leo Lubrificante;ter ; leos Vegetais;Gasolina Acetileno; Amnia; Hidrognio 4.2-COMBURENTE o elemento que embora no queima, facilita a combusto. Praticamente o oxignio comburente que participa da maioria dos casos. No ar atmosfrico encontramos: Nitrognio 78 % Oxignio 21 % Outros gases 1 % 4.3-FONTE DE CALOR Elemento indispensvel a produo e manuteno do fogo. A fonte de calor produz no combustvel: elevao de sua temperatura aumento de seu volume mudana de estado fsico. 4.4- REAO EM CADEIA a queima auto sustentvel. a unio dos trs itens acima descritos, gerando uma reao qumica. Quando o calor irradiado das chamas atinge o combustvel e este decomposto em partculas menores, que se combinam com o comburente e queimam, irradiando outra vez calor para o combustvel, formando um ciclo constante. 4. 4 5-FORMAS DE COMBUSTO 5.1Combusto Completa aquela em que a queima produz calor e chamas e se processa em ambiente rico em comburente. 5.2-Combusto Incompleta aquela em que a queima produz calor e pouca ou nenhuma chama e se processa em ambiente pobre em comburente. 5.3-Combusto Espontnea aquela gerada de maneira natural, podendo ser pela ao de bactrias que fermentam materiais orgnicos, produzindo calor e liberando gases, alguns materiais entram em combusto sem fonte externa de calor, ocorre tambm na mistura de determinadas substancias qumicas, quando a combinao gera calor e libera gases. 5.4-Exploso a queima de gases ou partculas slidas em altssima velocidade, em locais confinados. 6-FORMAS DE PROPAGAO (TRANSMISSO) O calor pode-se propagar de trs diferentes maneiras: Conduo, Conveco e Irradiao. Como tudo na natureza tende ao equilbrio, o calor transferido de objeto com temperatura mais alta para aqueles com temperatura mais baixa. O mais frio de dois objetos absorvera calor at que esteja com a mesma quantidade de energia do outro. 6.1-Irradiao o processo de transmisso de calor atravs de ondas calorficas que se propaga pelo espao existente entre um corpo e outro.Ex: calor dos raios solares, fogueira. 6,2-Conduo - calor transmitido por uma substncia, molcula a molcula, numa velocidade que depender da condutibilidade da substncia. Por isso necessrio o resfriamento das paredes dos compartimentos que envolvam o incndio. Ex: Ferro de engomar; Ao aquecermos a extremidade de uma barra de ferro, na outra, se houver materiais combustveis, esses podero se incendiar 6.3-Conveco - o processo de transmisso de calor atravs da circulao de um meio transmissor, que pode ser lquido ou gasoso. o caso da transmisso de calor atravs da massa de ar ou gases quentes que se deslocam do local do fogo, podendo provocar incndios em locais distantes da chama. 7---PONTO DE FULGOR, COMBUSTO E IGNIO No combate a incndio muito importante conhecemos como os corpos se comportam em relao ao calor. Os combustveis para se queimar se transformam primeiramente em vapores. A passagem de uma substncia, para o estado de vapor se d a determinada temperatura, que varivel conforme a natureza do combustvel, portanto necessrio conhecermos: 5. 5 7.1-PONTO DE FULGOR a temperatura mnima na qual um corpo combustvel aquecido desprende quantidade suficiente vapores para que, em mistura com o ar, se incendiar na presena de uma chama externa. Entretanto ao ser retirada a chama externa a combusto no se mantm. 7.2-PONTO DE COMBUSTO a temperatura mnima na qual um corpo combustvel aquecido desprende quantidade suficiente vapores para que, em mistura com o ar, se incendiar na presena de uma chama externa. Entretanto ao ser retirada a chama externa a combusto se mantm. 7.3-PONTO DE IGNIO a temperatura mnima onde os vapores desprendidos por um corpo combustvel aquecido inflamam-se ao entrar em contato com o ar, independentemente da presena de qualquer chama ou centelha externa. Nota: Em estudos de Classificao de reas sujeitas a periculosidade (risco de exploses), qualquer produto que no processo esteja sendo submetido a temperaturas acima do seu ponto de fulgor caracteriza a rea como risco de exploso. 8-CLASSIFICAO DOS INCNDIOS INCNDIO combusto sem controle. Essa Classificao foi elaborada pela NFPA - Associao Nacional de Proteo a Incndios/EUA, e adotada pelas: IFSTA - Associao Internacional para o Treinamento de Bombeiros/EUA, ABNT Associao Brasileira de Normas Tcnicas/BR e Corpos de Bombeiros/BR. Os incndios so classificados de acordo com os materiais neles envolvidos, bem como a situao em que se encontram. Essa classificao determina a necessidade do agente extintor adequado. Generalidades: segundo a natureza do material que est queimando, deve-se estabelecer o mtodo mais adequado para a extino incndio. . 6. 6 Classe Exemplos de Materiais Combustveis A Incndios em materiais slidos fibrosos, tais como: madeira, papel, tecido, etc. .Se caracterizam por queimarem na superfcie e internamente e deixam aps a queima, resduos como carvo e cinza B Incndios em lquidos e gases inflamveis, ou em slidos que se liquefazem para entrar em combusto: gasolina, GLP, parafina. etc..Se caracterizam por queimarem somente na superfcie e no deixam resduos C Incndios que envolvem equipamentos eltricos energizados: motores, geradores, cabos, etc. D Incndios em metais combustveis, tais como: magnsio, titnio, potssio, zinco, sdio, etc. 9-METDOS DE EXTINO DO INCNDIO Para extinguirmos um incndio, bastaria eliminar um dos lados do tetraedro do fogo. 9-1-ISOLAMENTO: RETIRADA DO COMBUSTVEL Consiste em evitar que o combustvel alimente o fogo. Ex: Fechamento do registro de passagem do gs de cozinha para os queimadores do fogo. Retirar de um local os materiais que podem alimentar o fogo. 9.2- RESFRIAMENTO: RETIRADA DA FONTE DE CALOR Consiste em remover calor a uma velocidade maior do que gerado( abaixar a temperatura do que est pegando fogo). 7. 7 9.3-ABAFAMENTO : RETIRADA DO COMBURENTE ( OXIGNIO ) Consiste em baixar a concentrao do oxignio no fogo, pela diluio do ar com gases inertes. O mais usado o CO2( gs carbnico) 9.4-EXTINO QUMICA : INIBIO DA REAO EM CADEIA Consiste em interromper as reaes em cadeia sem remoo