introduçao epidemio

Download introduçao epidemio

Post on 06-Jun-2015

4.895 views

Category:

Education

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • 1. Medicina II fase 2014/1 Paula Brustolin Xavier Epidemiologia

2. O que EPIDEMIOLOGIA? EPI=SOBRE DEMO=POPULAO LOGIA=ESTUDO DOENAS CAUSAS 3. Histria da epidemiologia A epidemiologia originou-se das observaes de Hipcrates feitas h mais de 2000 anos de que fatores ambientais influenciam a ocorrncia de doenas. Entretanto, foi somente no sculo XIX que a distribuio das doenas em grupos humanos especficos passou a ser medida em larga escala. 4. Histria da Epidemiologia A abordagem epidemiolgica que compara os coeficientes (ou taxas) de doenas em subgrupos populacionais tornou-se uma prtica comum no final do sculo XIX e incio do sculo XX. A sua aplicao foi inicialmente feita visando o controle de doenas transmissveis e, posteriormente, no estudo das relaes entre condies ou agentes ambientais e doenas especficas. 5. Histria da Epidemiologia Na segunda metade do sculo XX, esses mtodos foram aplicados para doenas crnicas no transmissveis tais como doena cardaca e cncer, sobretudo nos pases industrializados. 6. Evoluo da Epidemiologia at o Sculo XIX Hipcrates Grcia antiga (Mdico grego, pai da medicina e epidemiologia) Galeno Sculo XVII (Roma antiga) John Graunt (1620 1674) Orientao para avaliar os fatores como clima, maneira de viver, hbitos de comer e beber. Teoria dos Miasmas (m qualidade do ar, decomposio de animais e plantas). Pai da demografia ou estatsticas vitais (estimou % de crianas nv e morriam antes dos 6 anos de idade). 7. Epidemiologistas - Sculo XIX Cientistas Franceses Pierre Louis Uso da estatstica na pesquisa clnica. Louis Villerm Estudo dos determinantes sociais das doenas. Louis Pasteur Pai da bacteriologia. Investigaes no campo da microbiologia, Cientistas Ingleses William Farr Produo de informaes sistemticas. Aplicao da estatstica no estudo da mortalidade. John Snow Trabalho de campo, voltado elucidao da epidemia de clera. 8. Sculo XX Primeira metade Influncia da microbiologia Diagnstico etiolgico. No Brasil Oswaldo Cruz, Carlos Chagas, Adolfo Lutz, Emlio Ribas destacaram-se como sanitaristas com medidas saneadoras e preventivas. Lind, Takaki e Goldberger Estudo das doenas no infecciosas (preveno do escoburto, beribri e pelagra) Segunda metade (ps Segunda Guerra Mundial) Desenvolvimento da epidemiologia nfase das pesquisas mudana de perfil das doenas prevalentes. a. Determinao das condies de sade da populao. b. Investigaes etiolgicas Estudos de Coorte (Fatores de risco em doenas crnicas). Estudos de Caso-controle (Tabagismo x Cncer de pulmo). c. Avaliao de intervenes (doenas cardiovasculares). 9. Situao Atual Pilares da Epidemiologia Atual Cincias Biolgicas Clnica, patologia, microbiologia, parasitologia e a imunologia. Cincias Sociais A busca de melhor conhecimento da interao do social com o biolgico na produo da doena. Estatstica Arte de coletar, resumir e analisar dados sujeitos a variaes como a aleatoriedade dos eventos e o controle de variveis que dificultam a interpretao dos resultados. 10. Premissas Bsicas agravos sade no ocorrem ao acaso distribuio desigual dos agravos na populao distribuio desigual dos fatores de risco conhecimento destas situaes orienta aplicao de medidas preventivas e curativas direcionadas FUNDAMENTOS BSICOS DE EPIDEMIOLOGIA 11. O propsito da epidemiologia o que investigar Definies de sade e doena: causa versus determinantes Abordagens epidemiolgicas/mtodo epidemiolgico natureza da informao, tipos de estudo FUNDAMENTOS BSICOS DE EPIDEMIOLOGIA 12. Objetivos da Epidemiologia Descrever a distribuio e a magnitude dos problemas de sade nas populaes humanas; Conhecer dados essenciais para o planejamento, execuo e avaliao das aes de preveno e promoo da sade, controle e tratamento das doenas; Estabelecer prioridades para melhorar cada vez mais o nvel de sade da populao; Identificar os fatores etiolgicos das doenas. 13. Problema Epidemiolgico Em epidemiologia, o problema tem origem quando doenas acometem grupos humanos. a necessidade de remover fatores ambientais contrrios sade ou de criar condies que a promovam, que determina a problemtica prpria da epidemiologia. 14. Alvo do estudo epidemiolgico O alvo de um estudo epidemiolgico sempre uma populao humana, que pode ser definida em termos geogrficos ou outro qualquer. Por exemplo, um grupo especfico de pacientes hospitalizados ou trabalhadores de uma indstria. Em geral, a populao utilizada em um estudo epidemiolgico aquela localizada em uma determinada rea ou pas em um certo momento do tempo. 15. Epidemiologia clnica A epidemiologia est, tambm, preocupada com a evoluo e o desfecho (histria natural) das doenas nos indivduos e nos grupos populacionais. A aplicao dos princpios e mtodos epidemiolgicos no manejo de problemas encontrados na prtica mdica com pacientes, levou ao desenvolvimento da epidemiologia clnica. 16. Epidemiologia Tradicionalmente dividida: Descritiva: estuda a frequncia e a distribuio dos parmetros de sade ou de fatores de risco das doenas nas populaes. Analtica: testa hipteses de relaes causais 17. Cincia que estuda o processo sade-doena em coletividades humanas, analisando a distribuio e os fatores determinantes das enfermidades, danos sade e eventos associados sade coletiva, propondo medidas especficas de preveno, controle, ou erradicao de doenas, e fornecendo indicadores que sirvam de suporte ao planejamento, administrao e avaliao das aes de sade. Epidemiologia (ROUQUAYROL; GOLDBAUM, 2003) Conceito 18. CONCEITO A epidemiologia pode ser definida como o estudo da distribuio e dos determinantes de eventos ou estados relacionados sade-doena, em populaes especficas, e a aplicao deste estudo para o controle de problemas de sade. Last, 1995 19. Mdico Investigar alteraes no organismo Exame clnico Solicita exames complementares Chega a um diagnstico Indica prescrio Epidemiologista Investigar o agravo na populao Freqncia e distribuio da doena Informaes - dados Hipteses de fatores determinantes Associao fator-doena Profilaxia Compreendendo o conceito de epidemiologia! 20. Aspectos tericos e conceituais das explicaes do processo sade-doena nas populaes. Entendimento, origens e implicaes para sade pblica Complexa relao dos fatores de risco Questes metodolgicas EPIDEMIOLOGIA MODERNA 21. Estado de sade das populaes A epidemiologia frequentemente utilizada para descrever o estado de sade de grupos populacionais. O conhecimento da carga de doenas que subsiste na populao essencial para as autoridades em sade. Esse conhecimento permite melhor utilizao de recursos atravs da identificao de programas curativos e preventivos prioritrios populao. 22. Estado de sade da populao 23. Medir sade e doena Medir sade e doena fundamental para a prtica da epidemiologia. Diversas medidas so utilizadas para caracterizar a sade das populaes. O estado de sade da populao no totalmente medido em muitas partes do mundo, e essa falta de informaes constitui um grande desafio para os epidemiologistas. 24. Dados Existe a necessidade de dados fidedignos e completos para gerar as informaes. Registro dos dados: - Forma contnua: bitos, nascimentos, doenas de notificao obrigatria; - Forma peridica: recenseamento da populao; - Forma ocasional: pesquisas realizadas com fins especficos: conhecer a prevalncia da hipertenso arterial em uma comunidade, em determinado momento. 25. Dados Dados relevantes sade: - Populao: nmero de habitantes, idade, sexo, etc; - Scio-econmicos: renda, ocupao, classe social, tipo de trabalho, condies de moradia e alimentao; - Ambientais: poluio, abastecimento de gua, tratamento de esgoto, coleta e disposio de lixo; - Servios de sade: hospitais, ambulatrios, unidades de sade, acesso aos servios; - Morbidade: doenas que ocorrem na comunidade e; - Eventos vitais: bitos, nascidos vivos e mortos. Esses dados refletem a sade ou ausncia dela da populao que se deseja estudar. 26. Limitaes Ponta do iceberg - Refere-se a uma caracterstica desses dados, ou seja, tanto morbidade quanto a mortalidade (especialmente a ltima) representam apenas uma parcela da populao, a que morre ou a que chega ao servio de sade e tem seu diagnstico feito e registrado corretamente. 27. Ponta do iceberg 28. Conceitos em Epidemiologia Surto Epidemia de propores reduzidas, atingindo uma pequena comunidade humana, restrita a instituies fechadas. Endemia Ocorrncia coletiva de uma determinada doena, que no decorrer de um longo perodo histrico, acometendo sistematicamente grupos humanos distribudos em espaos delimitados, mantm sua incidncia constante. Epidemia Se caracteriza pela incidncia, em um curto perodo de tempo, de grande nmero de casos de uma doena. Pandemia Ocorrncia epidmica em vrias naes. 29. Estuda os atributos (dados), que so Sistematicamente Analisados Mtodo Epidemiolgico Levanta pistas que permitiro elucidar as causas (determinao) das doenas DESCRITIVO ANALTICO Comprova as associaes causais 30. Aplicaes da Epidemiologia 1. Superviso de Doenas Epidemia: Um rpido e dramtico aumento na frequncia de uma doena dentro de uma populao. Taxa de Incidncia de uma doena: mede a rapidez com que novos casos da doena aparecem. 2. Procurando as causas da doena Estudo Caso-Controle: presena (casos) ou ausncia (controle) da doena de interesse. Estudo de Coorte: baseados na presena (exposio) ou ausncia (no exposio) de um fator de risco de interesse. 31. Aplicaes da Epidemiologia 3. Testando o Diagnstico Verificao dos resultados dos testes: Um bom teste deve ter: um baixo percentual de falsos positivos ou uma alta especificidade e um baixo percentual de falsos negativos ou uma alta sensibilidade Sensibilidade = P(Teste + | Doena Presente) Ex: VDRL (78% a 100%) Anlise de secreo da tcnica de Gram 90% Especificidade = P(Teste - | Doena Ausente) TPHA (98% a 100%) Anlise de secreo da tcnica de Gram 98% 32. O que fazem os epidemiologi