método cram

Download método CRAM

Post on 13-Jul-2015

418 views

Category:

Documents

1 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

Avaliao de RiscoEstudo comparativo entre diferentes mtodos de Avaliao de Risco, em situao real de trabalhoDissertao elaborada com vista obteno do Grau de Mestre na Especialidade de Ergonomia na Segurana no Trabalho

Professor Doutor Rui Miguel Bettencourt Melo

JriProf. Doutor Francisco dos Santos Rebelo Professora Doutora Maria Celeste Rodrigues Jacinto Professor Doutor Rui Miguel Bettencourt Melo

Filipa Catarina Vasconcelos da Silva Pinto Marto Carvalho

2007

Avaliao de RiscoEstudo comparativo entre diferentes mtodos de Avaliao de Risco, em situao real de trabalhoDissertao elaborada com vista obteno do Grau de Mestre na Especialidade de Ergonomia na Segurana no Trabalho

Professor Doutor Rui Miguel Bettencourt Melo

JriProf. Doutor Francisco dos Santos Rebelo Professora Doutora Maria Celeste Rodrigues Jacinto Professor Doutor Rui Miguel Bettencourt Melo

Filipa Catarina Vasconcelos da Silva Pinto Marto Carvalho

2007

Onde esto os Riscos? no Futuro ... que pode ser duvidoso e nos forar a mudanas... nas Mudanas ... que podem ser inmeras e nos foram a decises... nas Decises ... que podem no ser as mais correctas... Walter de Abreu Cybis (2003)

Agradecimentos

AGRADECIMENTOS

Embora uma dissertao seja, pela sua finalidade acadmica, um trabalho individual, h contributos de natureza diversa que no podem nem devem deixar de ser realados. A conquista tem que ser dividida com todos os que contriburam, de forma directa ou indirecta para a concretizao e concluso deste projecto. A todos gostaria de expressar os meus sinceros agradecimentos:

Professora Doutora Lusa Melo Barreiros, pela amizade e por tudo o que fez e ainda vai fazendo por mim. Por acreditar nas minhas capacidades, por me incentivar e desafiar na conquista de novos saberes. ao meu orientador, Professor Doutor Rui Melo, que desde o inicio me incentivou para a concretizao deste trabalho. Pelo seu companheirismo, amizade, mas sobretudo, pela dedicao, pelas crticas e sugestes, feitas durante a orientao. Professora Doutora Anabela Simes, pela preocupao que manifestou quando me desafiou para a realizao deste mestrado. ao Professor Doutor Francisco Rebelo, por acreditar que eu conseguia ultrapassar mais este desafio (leia-se, nos tempos legais previstos), incentivando-me nos momentos difceis. aos responsveis da empresa, onde o estudo foi realizado, por proporcionarem a concretizao deste trabalho, disponibilizando a minha entrada sem qualquer entrave. aos operadores de manuteno, que permitiram a concretizao deste trabalho. aos colegas e amigos, Professor Doutor Jos Carvalhais, Professora Doutora Raquel Santos, Mestre Paulo Noriega e Mestre Teresa Cotrim que me apoiaram nos momentos crticos, incentivando e oferecendo ajuda em tudo o que podiam. Enf Genevive Santorum, pelo apoio, companheirismo e amizade que sempre manifestou. Professora Doutora Isabel Carita, pela disponibilidade manifestada. aos meus alunos, pelo companheirismo, amizade, compreenso e incentivo. aos professores deste mestrado, em particular aqueles que me despertaram a ateno para a importncia deste tema, obrigando a reflectir e a debruar-me sobre o assunto. Aqui devo destacar a Professora Doutora Mnica Barroso, Dr. Fernando Cabral e o Eng. Fernando Frade. aos meus colega, companheiros e amigos do Mestrado, obrigada pela vossa fora e sugestes.

Filipa Carvalho

i

Agradecimentos

ao Eng Joo Hiplito, pela amizade, incentivo e por ter acreditado neste projecto, colaborando e disponibilizando uma das ferramentas de trabalho. Percentil, Lda., pelo apoio, colaborao e disponibilizao de dados, que proporcionaram o enriquecimentos deste estudo. minha grande amiga Catarina Trindade, por toda a sua amizade, disponibilidade, companheirismo, nos momentos crticos desta caminhada. Mnica, na qualidade de amiga e colega, por tudo o que fez realidade. minha famlia, o meu sentido agradecimento, pelo apoio incondicional (prestado nos momentos mais difceis) e pela compreenso que teve pelos perodos que estive ausente. ao meu marido, pela amizade, pela fora, pelo incentivo, pela pacincia e compreenso reveladas ao longo destes meses, mas sobretudo, pelo inestimvel apoio familiar. Sem ele nada disto teria sido possvel. Obrigada Cludio! por ltimo (mas no menos importantes), s minhas filhas, Beatriz e Matilde. A elas, um sincero pedido de desculpa, pela ausncia sentida nestes ltimos dois anos. e que tornou este sonho uma

ii

Filipa Carvalho

Resumo

RESUMO

Este estudo centrou-se na anlise comparativa entre 10 mtodos de avaliao de risco de natureza semi-quantitativa (MASqt). Pretendemos investigar se o Nvel de Risco obtido pelos diferentes MASqt era idntico para cada um dos riscos previamente identificados e, se o Tipo de risco identificado poderia influenciar o Nvel de Risco obtido por esses mesmos MASqt. Aplicaram-se 10 MASqt para estimar e valorar 150 riscos decorrentes da realizao de 6 tarefas de manuteno. O estudo compreendeu 4 etapas: Caracterizao da Situao de Trabalho; Identificao dos Perigos e associao dos potenciais riscos e respectivas consequncias; Estimativa do Risco e Valorao do Risco. A recolha dos dados foi feita a partir de observaes livres e sistematizadas e recorreu a registo em vdeo, pesquisa documental, grelhas de anlise e questionrios desenvolvidos especificamente para esse fim. Para o tratamento dos dados recorreu-se aos programas informticos SPSS e Excel. O teste no paramtrico de Friedman foi a tcnica estatstica utilizada para testar as hipteses formuladas. Na generalidade dos casos, registaram-se diferenas estatisticamente significativas (apenas 19% apresentaram solues equivalentes). Para a maioria das categorias de risco, o mtodo a escolher no deve ser indiferente do Tipo de risco a avaliar. Encontrou-se alguma unanimidade na potncia revelada pelos mtodos, no que se refere proteco que conferem ao trabalhador.

Palavras-chave: Ergonomia; Avaliao de Risco; Anlise de Risco; Valorao de Risco; Perigo; Risco.

Filipa Carvalho

iii

Abstract

ABSTRACT

This study makes a comparative analysis of 10 semi-quantitative risk assessment methods (MASqt). We wished to test if the Risk Level obtained by the different MASqt was identical for each of the previously identified risks and if the Risk Type could influence the Risk Level obtained by the same MASqt. Ten MASqt were used to estimate and evaluate 150 risks resulting from the performance of 6 maintenance tasks. The study comprised 4 stages: Characterization of Work Situations; Identification of the hazard, associated risks and consequences, Risk Estimation and Risk Evaluation. Data collection relied on free and systematized observations and made use of video recording, documental research, analysis grids and questionnaires specifically developed for this purpose. For data processing we resorted to the Statistical Package for the Social Sciences (SPSS) and Microsoft Excel. The non parametric Friedman test was the statistical technique used for testing the formulated hypothesis. In most cases, significant statistical differences were registered for the Risk Level (only 19% presented equal solutions). For most of the Risk Types, the method should be carefully chosen, taking the assessed risk into consideration. There was some consistency in the power revealed by the methods regarding the protection they conferred the workers.

Key words: Ergonomics; Risk assessment; Risk analysis; Risk evaluation; Hazard; Risk.

Filipa Carvalho

v

ndice Geral

1. ndice geralAGRADECIMENTOS .................................................................................................................................... I RESUMO....................................................................................................................................................... III ABSTRACT..................................................................................................................................................... V 1. 2. 3. 4. 5. NDICE GERAL ................................................................................................................................ VII NDICE DE FIGURAS........................................................................................................................IX NDICE DE TABELAS .......................................................................................................................XI NDICE DE GRFICOS..................................................................................................................XIII NDICE DE QUADROS .................................................................................................................... XV

INTRODUO................................................................................................................................................ 1 I. CAPTULO 1. ENQUADRAMENTO TERICO ................................................................................ 5

ENQUADRAMENTO GERAL ................................................................................................................... 5 1.1 Avaliao de Risco (AR) - Conceitos de base ............................................................................ 5 1.1.1 Perigo......................................................................................................................................... 6 1.1.2 Risco........................................................................................................................................... 6 1.1.3 Avaliao de Risco..................................................................................................................... 7 1.2 Fases da Avaliao de Risco .....................................................................................