natação para bebês

Download Natação para bebês

Post on 11-Jul-2015

121 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

Natao para bebs. Retrato da realidade em Nova Iguau - RJChild's swimming. Analysis of the reality in Nova Iguau City Natacin para bebs. Anlisis de la realidad en Nova Iguau Natation pour les bbs. Analyse de la ralit dan la ville de Nova Iguau *Docente de Teoria e Prtica Pedaggica da Natao da UNIABEU Coordenador do Grupo de Pesquisas em Atividades Aquticas da UNIABEU Professor da Rede Municipal de Ensino do Rio de Janeiro SME / 6 CRE Professor do Programa Clubes Escolares da Secretaria Municipal de Educao do Rio de Janeiro **Coordenador de Assuntos Cientficos da Associao Brasileira de Desportos para Cegos - CPB Doutorando em Atividade Motora Adaptada - UNICAMP

Paulo Gil Salles*pgsalles@terra.com.br

Leonardo Mataruna**prof.mataruna@uol.com.br (Brasil)

Resumo Este trabalho tem a inteno de mostrar a realidade da Natao para Bebs no Municpio de Nova Iguau, verificando aspectos educacionais; levantando a estrutura fsica das academias; e a importncia da influncia da famlia na indicao da atividade aqutica. Foi verificado que os objetivos das academias nem sempre esto de acordo com os objetivos dos familiares e que os materiais mais utilizados nas aulas de Natao para Bebs so aqueles tambm utilizados na natao para crianas de idade mais avanadas. Unitermos: Natao para bebs. Materiais de auxlio. Efeitos educativos. Abstract The purpose of this paper is to show the reality of child's swimming in Nova Iguau City, verifying some educational aspects; the infra-structure of the academies; and the influence of the family in the aquatic activity indication. The results showed that the academy's objectives are not the same of the baby's relatives and that the supporting materials usually are the same of those used in swimming classes of older children. Keywords: Child's swimming. Supporting materials. Educative effects. Resumen Este estudio tiene el objetivo de presentar la realidad de la Natacin para bebs en la ciudad de Nova Iguau, confrontando aspectos educacionales; mostrando la estructura fsica de los gimnasios; y la importancia del efecto de la familia en la orientacin a la actividad acutica. Fue demostrado que los objetivos de los gimnasios no estn siempre en acuerdo con los objetivos de los familiares, y que los materiales mas utilizados en las clases de Natacin para nios pequeos son aquellas tambin utilizados en la natacin para nios mayores con edades mas avanzadas. Palabras clave: Natacin para nios pequeos. Materiales de auxilio. Efectos educativos. Rsum L'intention de cet article est de montrer la situation de la natation pour les bbs dans la ville de Nova Iguau a travers la verification du caractristiques educationales, l'analyse de l'structure physique des academies et l'importance de la famille au moment du choix de l'activit aquatique. On a vrifi que les objectifs des academies ne sont pas toujours les mmes des familles et que les matriels les plus employs dans les classes de natation pour les bbs sont les mmes employs dans les classes pour les plus ags. Mots cl: Natation pour les bbs. Matriels d'assistance. Effets ducatifes. http://www.efdeportes.com/ Revista Digital - Buenos Aires - Ao 11 - N 96 - Mayo de 2006 1/1

1. IntroduoO Municpio de Nova Iguau ocupa uma rea aproximada de 524 Km2 na regio conhecida como Baixada Fluminense - Estado do Rio de Janeiro, e possui uma populao estimada em 750 mil habitantes aproximadamente (NOVA IGUAU,

2004). Fica na regio metropolitana da Cidade do Rio de Janeiro e, por este motivo, recebe influncias scio-culturais deste municpio que o maior e mais importante do Estado. Em relao s atividades aquticas para bebs na Cidade de Nova Iguau, no foi possvel encontrar nenhum texto ou artigo que tivesse a pretenso de retratar a realidade deste tipo de atividade, o que por si s, j mostra a relevncia deste trabalho. Segundo Del Castillo (1997), o beb que teve a oportunidade de experimentar o meio aqutico como algo satisfatrio, desenvolve uma atitude aqutica positiva e, ainda que no aprenda tcnicas especficas nesta fase, ter uma conduta na gua substancialmente melhor que outros que no tiveram a mesma oportunidade. O beb na gua se relaxa, aprende novos movimentos, fortalece sua musculatura e aprende a controlar a sua respirao, aspectos que contribuem de forma decisiva para seu desenvolvimento motor. O meio aqutico contribui significativamente para o desenvolvimento e conhecimento da criana, atuando sobre sua conduta, fazendo-o mais independente e ativo ao explorar o meio, o que favorece a socializao. Alm destes efeitos, a atividade na gua ainda atua sobre o apetite, melhora a qualidade do sono, pois facilita o relaxamento e tem algum efeito de sedao (IDEM). Outros autores como Franco e Navarro (1980), afirmam que a prtica aqutica nesta fase refora a personalidade e a independncia, e pode influir no processo de aquisio e desenvolvimento da linguagem. Poderamos dizer que a prtica de atividades aquticas aumenta as possibilidades motrizes do beb e permite a experimentao de novas situaes que o ajudaro a crescer. Por isso a atividade aqutica deve ser paralela ao crescimento e estar presente de forma continuada.

2. JustificativaA motivao para elaborao deste trabalho nasceu da curiosidade em relao Natao para Bebs no municpio de Nova Iguau e da possibilidade de retratar este tipo de atividade neste municpio de forma que os profissionais envolvidos possam ter um parmetro mais fiel para basear seus planejamentos estratgicos e pedaggicos. A total ausncia, em Nova Iguau, de uma pesquisa criteriosa sobre a Natao, e mais especificamente aquela focada nos bebs, justifica a necessidade deste estudo, que se torna um marco do pioneirismo investigativo e que pode auxiliar os profissionais de Educao Fsica a modificar conceitos e a traar novos objetivos para a prtica da Natao para Bebs.

3. Objetivos3.1. Objetivo geral O objetivo deste trabalho mostrar a realidade da Natao para Bebs no Municpio de Nova Iguau. 3.2. Objetivos especficos

Verificar aspectos educacionais, Levantar a estrutura fsica das academias, Descobrir as faixas de classificao etria, Discutir a relao entre responsveis e academias no tocante aos objetivos educacionais da Natao para Bebs; Verificar a influncia de parentes e do mdico pediatra na indicao da atividade aqutica, Examinar a relao da famlia com o perigo representado pelas piscinas prximas.

4. Reviso da literaturaSegundo Rodriguez (2001a), quando a criana nasce, sua forma principal de interao com o meio estabelecido atravs de reflexos incondicionados, que tendem a desaparecer entre o terceiro e sexto ms como no caso do reflexo de preenso com as mos. Outros reflexos, como o natatrio, devem ser estimulados para que no desapaream. medida que o beb avana por seu primeiro ano de vida, vai ocorrendo a formao de reflexos condicionados, como o controle do esfncter e tambm aparecem movimentos fundamentais. Com o desenvolvimento, entre 1 e 2 anos, a criana incorpora habilidades motoras primrias que vo permitir que ele execute movimentos cada vez mais complexos (RODRIGUEZ, 2001b). Entre os 2 e 3 anos a dependncia da criana em relao ao adulto diminui e ele j capaz de executar algumas tarefas com elevado grau de complexidade como subir e descer escadas. Nesta fase a linguagem da criana se enriquece bastante, aumentando o vocabulrio e melhorando a compreenso da linguagem do adulto (IBIDEM, 2001c). Conforme Lima (1999), muitos professores utilizam atividades inapropriadas para a idade e por isso, elas no so realizadas com eficincia ou simplesmente no atraem a ateno da criana: "Maturao o estado de prontido neurofisiolgica do organismo em realizar determinadas tarefas, independentes ou no dos fatores ambientais". Segundo Zulietti e Souza (2002), a Natao para bebs ou para lactentes abrange os primeiros 18 meses de vida e pouco tem a ver com a natao propriamente dita. Corra e Massaud (1999) indicam que a idade mnima para o ingresso em atividades aquticas deve ser os 6 meses, pois segundo estes autores, somente nesta idade as crianas j esto com as vacinas atualizadas, e portanto, protegidas contra srias doenas contagiosas. Lima (2003) refere que as aulas de natao devero ter seu incio aos 3 meses, pois a partir desta idade que a criana tem a capacidade de manter a cabea na vertical e culminar aos 36 meses. Fontanelli (1985) prope a mesma faixa etria e indica a durao das sesses em torno dos 20 minutos. Segundo Fonseca, (apud ZULIETTI e SOUZA, 2002), a presena da me, do pai ou algum que familiar ao beb fundamental para o processo de estimulao aqutica, onde estes vo proporcionar segurana afetiva e segurana fsica, enquanto os professores trabalharo como mediadores e facilitadores do processo de estimulao.

Corra e Massaud (1999) afirmam que as expectativas de realizar as atividades aquticas para os bebs so: 1. Evitar acidentes em piscinas - no caso da criana cair na piscina de forma acidental. 2. Evitar futuros problemas motores - a natao agindo como um estmulo motor, j que a criana, no meio aqutico, consegue realizar movimentos que no conseguiria se estivesse fora d'gua. 3. Melhorar a sade dos bebs - os familiares acreditam que a natao tem a capacidade de curar alguns problemas respiratrios. Vrios autores, entre eles Corra e Massaud (1999 e 2004), Lima (2003), Corra (1999) e Oliveira e Nakamura (1998), concordam que a temperatura da gua para atividades com bebs deve estar em torno de 30 C, e que a piscina deve ser coberta para se manter uma temperatura ambiente constante. Moreno e cols. (2003) indicam que as sesses de Natao para Bebs devem acontecer em piscinas cobertas e a temperatura destas devem variar entre 27 C e 32 C. Lima (2003) e Corra (1999) listam materiais auxiliares prtica da Natao para Bebs como sendo aqueles capazes de chamar a ateno da criana ou aqueles que sustentam o peso deste, como: as plataformas, as bolas coloridas de tamanhos diversos, os tapetes de EVA, as bias, os brinquedos macios que flutuam e q