observatório observatório da economia global – n da ...· observatório da economia global –

Download Observatório Observatório da Economia Global – n da ...· Observatório da Economia Global –

Post on 21-Sep-2018

213 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • UNICAMP / INSTITUTO DE ECONOMIACENTRO DE ESTUDOS DE CONJUNTURA E POLTICA ECONMICA (CECON)

    Observatrio da Economia Global no 8 Setembro, 2011

    -1-

    Textos Avulsos no 8 Setembro, 2011

    CMBIO, JUROS E INFLAO: TATEIO

    Fernando Nogueira da Costa 1

    Resumo

    O objetivo deste artigo-resenha analisar a srie de artigos sobre a conjuntura econmica brasileira atual, com foco maior nos nveis do cmbio, do juro e da inflao, feitos por renomados economistas a pedido do jornal Valor, e publicados entre 14/06/11 e 29/06/11. Essa resenha est dividida em duas partes. Na primeira, focaliza-se os economistas liberais que se preocupam, antes de tudo, com a estabilizao da inflao. Na segunda, os economistas desenvolvimentistas que privilegiam a agenda do crescimento com distribuio de renda. Analisamos os modelos adotados em cada um desses artigos. Conclumos, em relao s ideias-chaves dos diversos artigos, que elas no so muitas. Renomados economistas brasileiros esto ainda tateando a configurao desses preos relativos bsicos.

    Palavras-chave: Economia brasileira; Poltica macroeconmica. Abstract

    Exchange rates, interest and inflation: groping The purpose of this article-review is to analyze the series of articles on the current Brazilian economic situation, with greater focus on exchange rate levels, interest and inflation, made by leading economists at the request of Valor, and published between 14/06 / 11 and 29/06/11. This review is divided into two parts. In the first, focuses on the liberal economists who are concerned above all with the stabilization of inflation. Second, development economists who favor the agenda of growth with income distribution. We analyze the models adopted in each of these articles. We conclude, in relation to the key ideas of the various articles, they are not too many. Renowned Brazilian economists are still groping for a configuration of these basic prices.

    Keywords: Brazilian economics; Macroeconomic policy. Classificao JEL / JEL Classification N46, E61.

    (1) Professor-adjunto / Livre-docente do Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas (IE/Unicamp), Campinas, SP. http://fernandonogueiracosta.wordpress.com / http://lattes.cnpq.br/6773853439066878 / E-mail: fercos@eco.unicamp.br.

    Observatrioda economia globalda economia global

  • Observatrio da Economia Global no 8 Setembro, 2011

    -2-

    Introduo

    Sistema das Contradies Econmicas ou Filosofia da Misria (em francs, Systme des contraditions conomiques ou Philosophie de la misre) livro escrito em 1846 por Pierre-Joseph Proudhon que contm crticas ao sistema econmico. A Misria da Filosofia, a resposta Filosofia da Misria de Proudhon, livro escrito em 1847 por Karl Marx. Nele, Marx critica a Economia e Filosofia de Proudhon, fazendo ironia com o subttulo da obra do adversrio. Ambos os livros enfrentaram o boicote e o silncio dos autores liberais.

    Esse confronto entre as duas obras ficou conhecido como o rompimento definitivo entre os dois autores, Marx como um dos cones do movimento socialista, e Proudhon, do movimento anarquista. Marx estava preocupado em estudar a Teoria do Valor-Trabalho a fim de solucionar as contradies de Adam Smith e David Ricardo quanto compra da fora de trabalho e gerao da mais-valia. J Proudhon queria mostrar como os interesses do sistema econmico eram contraditrios:

    Quando se pede Academia que ela determine as oscilaes do lucro e do salrio, em outras palavras, para que ela determine os fundamentos do valor. Ora, isso precisamente o que repelem os senhores acadmicos: eles no querem nem ouvir falar que, se o valor varivel, ele por isso mesmo determinvel, ou seja, que a variabilidade indcio e condio da determinao. Pelo contrrio, eles pretendem dizer que o valor, variando sempre, no pode jamais ser determinado. como se sustentssemos que, sendo dado o nmero de oscilaes por segundo de um pndulo, a amplitude das oscilaes, a latitude e a elevao do local onde se faz a experincia, no se pode determinar o comprimento do pndulo, porque ele est em movimento. Tal o primeiro artigo de f da Economia Poltica.

    Assim, enquanto Marx estava preocupado em determinar o valor, Proudhon estava desmontando os objetivos por trs dessa busca. Lembrei-me dessa antiga polmica a respeito de determinao do valor de variveis econmicas quando li a srie de artigos sobre a conjuntura econmica brasileira atual, com foco maior nos nveis do cmbio, do juro e da inflao, feitos por renomados economistas a pedido do jornal Valor e publicados entre 14/06/11 e 29/06/11. Na verdade, veio minha mente, inicialmente, o ttulo da obra de Marx, porque, evidentemente, inspirou parte do ttulo do artigo do professor Belluzzo: Misria da Macroeconomia.

  • Observatrio da Economia Global no 8 Setembro, 2011

    -3-

    Por que a Economia, enquanto disciplina, to miservel na oferta de ideias ou instrumentos de poltica econmica? Talvez uma pista para a resposta se encontre em Galbraith (1975): economistas so parcimoniosos, entre outras coisas, de ideias; a maioria vale-se das ideias dos tempos em que fizeram o seu curso (p. 238). H sempre esperana que a mudana de ideias, em consequncia, venha de jovens estudiosos, com a passagem de uma gerao para outra. Nesse sentido, a leitura dos artigos dos renomados economistas decepciona.

    Ao findar a leitura comparativa dos onze artigos de economistas que tem renome, ou seja, grande prestgio ou boa reputao, ambos determinados pela prpria mdia, conclui-se que as ideias-chave no so muitas. Fazem lembrar aquela anedota: pode-se transformar um papagaio em Doutor em Economia; basta lhe ensinar duas palavras: oferta e demanda.

    Na histria do pensamento econmico, segundo a Apresentao de Dionsio Dias Carneiro Netto ao Compndio dos Elementos de Economia Poltica Pura, publicado no Brasil em 1983, as primeiras contribuies de Lon Walras apareceram na forma de artigos curtos publicados no. os Journal des conomistes, durante a dcada de 1850, quando ele queria dar carter tcnico s refutaes a doutrinas de Proudhon. Para a infelicidade de Walras, seu sistema de equaes ficou indissoluvelmente associado doutrina de laissez-faire, tornando-se smbolo da esterilidade matemtica ou da defesa irrestrita da economia de livre mercado. Talvez o maior responsvel por isso tenha sido seu colega da Escola de Lausanne, Vilfredo Pareto, nobre italiano ultraconservador, um dos autores da Teoria das Elites, grande divulgador das suas ideias. Na verdade, havia mais continuidade metodolgica, inclusive porque ambos tinham formao de engenheiro, do que comunho ideolgica entre Pareto e Walras. Ele fez vulgarizao indevida do modelo de equilbrio geral.

    O modelo de troca pura multilateral expe o mecanismo bsico de formao de preos em mercados competitivos, abstraindo-se as questes ligadas produo de mercadorias. Os diversos agentes econmicos comparecem ao mercado como possuidores de estoques previamente determinados de mercadorias, e procuraro, tomando preos como parmetros de suas decises sobre quanto comprar e vender, atuar segundo convenincias individuais expressas na forma de derivar o mximo possvel de satisfao permitido por seus oramentos. A adoo de determinada mercadoria como numraire inteiramente neutra, pois a unidade-de-conta visa

  • Observatrio da Economia Global no 8 Setembro, 2011

    -4-

    apenas facilitar as trocas. Neste contexto, via escassez ou abundncia de quantidades que cada agente dever oferecer ou adquirir no mercado, preos so apenas razes de troca entre cada mercadoria e o numraire.

    A cada configurao de preos corresponde a certa situao na qual existiro excedentes de alguma mercadorias e escassez de outras. Os preos de cada mercadoria relativos ao numraire aumentaro sempre que houver falta da mercadoria para o agregado dos agentes econmicos e diminuiro sempre que o total disponvel for inferior soma das quantidades desejadas pelos agentes aos preos anteriores. Esta a formulao walrasiana da Lei da Oferta e da Procura, que, como veremos, permanece nos coraes e mentes de renomados economistas brasileiros. O sistema de equaes de demandas e ofertas excedentes estar em situao de equilbrio geral quando a configurao de cada agente for compatvel com a igualdade entre as quantidades oferecidas e demandas em todos os mercados.

    Na abordagem econmica ortodoxa, a anlise dos fenmenos de troca pura constitui o ponto de partida obrigatrio para a compreenso das falhas nos mecanismos de incentivos existentes nos mercados do mundo real. O confronto deste com aquela abstrao supe a idealizao do papel coordenador dos preos competitivos, tomados como parmetros nas decises descentralizadas de agentes econmicos.

    A dinmica de preos utilizada por Walras requer hiptese simplificadora: a de que as transaes s ocorram efetivamente aos preos de equilbrio. Em outras palavras, preos de equilbrio so aqueles nos quais as quantidades totais ofertadas no mercado equivalem-se s quantidades demandadas em todos os mercados.

    Atravs de artifcio analtico, Walras introduziu a ideia de contratos provisrios, que s seriam cumpridos caso atendessem ao requisito de compatibilidade global. Havendo sobra ou carncia de algum bem ou servio, aos preos vigentes, os contratos seriam considerados no vlidos, e os preos se modificariam, segundo a Lei da Oferta e da Procura, e novos contratos seriam propostos at que se estabelecessem os requisitos de compatibilidade global. A esse mecanismo de contratos virtuais sucessivos na determinao dos preos de equilbrio, Walras deu o nome de ttonnement, expresso francesa que traduzimos no ttulo deste artigo-resenha por tateio.

  • Observatrio da Economia Global no 8 Setembro, 2011

    -5-

    Tateio significa o ato de deduzir ou perceber por intuio, indag

Recommended

View more >