palestra homofobia e escola - alexandre araripe

of 26 /26
PRECONCEITO E HOMOFOBIA NAS ESCOLAS E OUTROS CONCEITOS

Author: fanny71

Post on 26-Jan-2015

144 views

Category:

Documents


12 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

 

TRANSCRIPT

  • 1. PRECONCEITOE HOMOFOBIANAS ESCOLASE OUTROS CONCEITOS

2. A escola, em particular, a sala de aula, um lugarprivilegiado para se promover a cultura dereconhecimento da pluralidade das identidades edos comportamentos relativos a diferenas. Da, aimportncia de se discutir a educao escolar apartir de umaperspectiva crticaeproblematizadora, questionar relaes de poder,hierarquias sociais opressivas e processos desubalternizao ou de excluso, que as concepescurriculares e as rotinas escolares tendem apreservar (SILVA, 1996, 2000 e 2001, Gnero eDiversidade Sexual na Escola: reconhecer diferenase superar preconceitos, SECAD). 3. O QUE CRIME DE DIO?Braslia(DF), 24/11/2010 - Em seminrio das comisses de Direitos Humanos e Minorias e de Legislao Participativa daCmara dos Deputadosfala da me de Alexandre Ivo: http://www.youtube.com/watch?v=jj_Hfj2b1fQ 4. ALEXANDRE IVO 5. DOUGLASbaleado por umsoldado do exrcito ao sair da Parada doOrgulho no RJ, justificativa:nogosto dessa raa 6. LUIS ALBERTOQuando virei, ele j me atacou no rosto com a lmpada. Emseguida, usou a outra lmpada. Se no tivesse reagido, teria apanhado menos, mas eu no me arrependo, contou Luis. Como estavam em maior nmero, os cinco marginaisimobilizaram Luis e continuaram a bater. 7. SIRLEY, DOMSTICACONFUNDIDACOM UMA PROSTITUTA 8. NDIO GALDINO Numa brincadeira, jovens ateiam fogo a um ndio que dormia num abrigo de nibus, porque achavam que era um mendigo. Com o corpo quase todo queimado, o ndio Galdinono resistiu. 9. Paulo Sergio PortoServidor Pblico daSETAS assassinado em Palmas, em 14 dejulho de 2011, por viver sua homossexualidade 10. TESTE DE PRECONCEITOteste de preconceito (cadeira com aviso):http://www.youtube.com/watch?v=XFp_CIlOhTo 11. DISCRIMINAO OU PRECONCEITODiscriminao e preconceito no se confundem.Enquanto o preconceito um arbitrrio juzo mentalnegativo, a discriminao o efetivo tratamentodiferenciado de determinada pessoa por razespreconceituosas (arbitrrias). Leia mais em: http://www.plc122.com.br/ 12. ENTENDENDO OUTROS CONCEITOS NOME SOCIALHOMOFOBIA TRANSGNEROSEXISMOLGBT TRAVESTIREADEQUAOMISOGINIADE GNERO 13. HOMOFOBIA 1. medo irracional emrelao homossexualidade 2. preconceito contra oshomossexuais 3. dio em relao aoshomossexuais 14. ESTATSTICASSegundo o GGB Grupo Gay da Bahia (LuizMott) - um homossexual assassinado emorto a cada 36 horas. Esse tipo de crimeaumentou 113% nos ltimos cinco anos. Em2010, foram 260 mortos. um absurdo!Min. Dos Direitos Humanos Maria do Rosrio 15. Por que criminalizar a homofobia?Afinal chamar oscolegas de viadinho, baitola, boiola, queima rosca normal. Criana assim mesmo. Vamos ver o Estadodo Alagoas? 16. MISOGINIA1. qualidade ou estado de misgino2. horror ou averso s mulheres (ao feminino)3. averso patolgica do homem ao contacto sexual com as mulheres(Do gr. misogyna, id.) 17. TRANSSEXUALIDADE um transtorno em relao apersonalidade e o corpo biolgico. A pessoa sente e secomporta como se fosse dosexo oposto. Em alguns casos o indivduo recorre a mudana ou readequao de gnero, a transgenitalizao 18. lgb T Travesti aquele que se traveste no sexooposto e assim vive; Transgneros aquele que transita em umgnero e outro, no necessariamente vivendono papel do sexo oposto; Drag Queen artistas performticos que seutilizam do exagero e caricato. Sexismo conjunto de ideias e aes queprivilegiam determinado gnero. 19. DESCONSTRUINDO MITOS HOMOSSEXUALIDADE CONTAGIOSA, ADQUIRIDA OU TRANSMITIDA; HOMOSSEXUAL = PEDFILO; SO TODOS AFEMINADOS TEM UMA MULHER/HOMEM DENTRO DE SI; TODOS SO PROMSCUOS; SO TRANSMISSORES DO HIV;Indivduo que se sente atrado emocionalmente, fisicamentee espiritualmente por indivduos do mesmo sexo. A no seressa caracterstica, nada mais difere o indivduohomossexual do heterossexual. 20. A Secretaria de Educao Continuada, Alfabetizao eDiversidade do Ministrio da Educao (Secad/MEC)entende que, em uma perspectiva inclusiva,polticas educacionais que correlacionam gnero,orientao sexual e sexualidade no devem serestringir dimenso, de todo modo importante,dos direitos sade sexual e reprodutiva. preciso ir alm e, ao mesmo tempo, partir de outrospressupostos. 21. Assim fazendo, evita discursos que, simplesmente,relacionam tais questes a doenas ou aameaas a uma suposta normalidade. Ao mesmotempo, afasta tanto posturas naturalizantesquanto atitudes em que o cultural passa a seracolhido ou recusado de forma simplista eacrtica. 22. CENSO DE 2010 SEGUNDO O CENSO DO IBGE DE 2010, MAISDE 60.000 PESSOAS VIVEM EM UNIOHOMOAFETIVAS ESTVEIS 23. COMO PODEMOS PARA TRABALHAR ESSEESTRANHAMENTO NA NOSSA ESCOLA? Vdeo da ABIA: Escola sem Homofobia Construindo para a Diversidade.Escola sem Homofobia: http://www.youtube.com/watch?v=bBLhKPWPQ40 24. A QUEM PROCURAR? GIAMA http://giama-to.blogspot.com/ NUDISNcleo da Diversidade Sexual da Defensoria Pblica de Palmas, Rua 104 Sul R Se 1, 33 ACSE II COMUDHE Coordenadoria da Mulher, Direitos Humanos e Equidade da Prefeitura de Palmas(Ncleos de Diversidade no IFTO e na UFT)