profetas da chuva' do seridó potiguar, brasil 'rain prophets' from

Download Profetas da chuva' do Seridó potiguar, Brasil 'Rain prophets' from

Post on 09-Jan-2017

213 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • Bol. Mus. Para. Emlio Goeldi. Cienc. Hum., Belm, v. 9, n. 3, p. 773-795, set.-dez. 2014

    773

    Profetas da chuva do Serid potiguar, BrasilRain prophets from the Serid region, Brazilian Northeast

    Neusiene Medeiros da SilvaI, Anna Jssica Pinto de AndradeI, Cimone RozendoIIUniversidade Federal do Rio Grande do Norte. Natal, Rio Grande Norte, Brasil

    Resumo: A observao de sinais da natureza para previso do tempo bastante difundida entre os sertanejos do nordeste brasileiro. Aqueles que se notabilizaram nesta prtica, comumente conhecida como experincias de inverno, so denominados de profetas da chuva. Na regio do Serid, Rio Grande do Norte, assim como acontece em outros locais do Nordeste, estes prognsticos tm tanta relevncia que so, inclusive, divulgados nas rdios locais, independentemente de convergirem ou no com as previses das instituies oficiais. Este artigo identifica, a partir do discurso dos profetas da chuva do Serid potiguar, quais fatores os estimulam a realizar estas experincias. Observou-se que esta habilidade cumpre uma funo social, prtica e simblica, importante em um ambiente marcado pelas adversidades sociais e climticas. Poder antecipar-se na organizao das atividades produtivas, frente s possibilidades de seca, est entre os principais fatores que influenciam na reproduo das experincias de inverno, embora elas no se limitem a isso. O desejo de reproduzir a cultura sertaneja, demarcar uma identidade, manter uma relao especfica com a natureza e ajudar o prximo, bem como a rivalidade e/ou a no aceitao das previses dos meteorologistas tambm constituem elementos importantes para a continuidade das experincias de inverno por parte dos profetas.

    Palavras-chave: Sertanejo. Previso do tempo. Meteorologia popular. Semi-rido.

    Abstract: The observation of signs from nature for weather prediction is a very common practice among the country people (sertanejos) from the Brazilian Northeast. Those who distinguished themselves on the development of this practice, commonly known as winter experiences, are called rain prophets. In a region called Serid, in the State of Rio Grande do Norte, like other places of the Northeast, these prognostics have so much relevance that they are even reported on local radios, whether or not they converge with the predictions from official institutions. This article identifies, through the discourse of the rain prophets from Serid, the factors that stimulate them to perform these experiments. It was observed that this ability fulfills an important social, practical and symbolic function in an environment known for its social and climatic adversities. To be able to anticipate the organization of the productive activities, facing the possibilities of drought, is one of the main factors that influences the reproduction of winter experiences, even though that is not the only reason. The desire to reproduce the sertanejos culture, to mark an identity, maintain a specific relationship with nature and help others, as well as the rivalry and/or non-acceptance of forecasts from meteorologists also were important elements for the continuity of winter experiences by the prophets.

    Keywords: Sertanejo. Weather prediction. Popular meteorology. Semiarid climate.

    SILVA, Neusiene Medeiros da; ANDRADE, Anna Jssica Pinto de; ROZENDO, Cimone. Profetas da chuva do Serid potiguar, Brasil. Boletimdo Museu Paraense Emlio Goeldi. Cincias Humanas, v. 9, n. 3, p. 773-795, set.-dez. 2014. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1981-81222014000300014.Autor para correspondncia: Neusiene Medeiros da Silva. Rua Joaquim Vicente, n 72, apto. 103 Nova Descoberta. Caic, RN, Brasil. CEP 59300-000 (neusienegeo@yahoo.com.br).Recebido em 17/08/2013Aprovado em 20/05/2014

  • Profetas da chuva do Serid potiguar, Brasil

    774

    INTRODUOA leitura de sinais da natureza como forma de realizar previses climticas, ou simplesmente a realizao de experincias de inverno, como so reconhecidas, constitui um trao importante do modo de vida do sertanejo. Aqueles que se notabilizaram no desenvolvimento desta prtica foram denominados de profetas da chuva.

    A experincia de inverno um conhecimento tradicional praticado pelos sertanejos do Nordeste para prever o tempo a partir da observao sistemtica de diferentes elementos da natureza, como o comportamento da fauna e da flora; o movimento e a posio dos astros; fontes e reservatrios de gua; alm de dias santos e datas especficas do ano, entre outros fatores (Macedo, 2012; Bezerra Jr., 2006; Magalhes, 1963). Trata-se de um saber proveniente da tradio, adquirido ao longo do tempo e repassado de gerao a gerao (Folhes e Donald, 2007).

    As experincias de inverno tiveram um espao privilegiado para seu desenvolvimento nas terras que hoje se denomina como Nordeste (Guillen, 2002). A ocupao baseada na pecuria, consorciada com agricultura de subsistncia no ambiente das caatingas, e a incerteza do inverno1 compunham um cenrio que deixava sempre em suspeio a sobrevivncia dos habitantes dos sertes. Como destacaram Silva et al. (2013, p. 88):

    Em um cenrio de grande hostilidade social e ambiental, em que a capacidade de resistncia dos sertanejos colocada prova cotidianamente, saber ler os sinais de chuva ou seca afigura-se como uma forma simblica de deter algum controle e precauo em um universo marcado pela imprevisibilidade. Neste contexto, estas experincias representam a possibilidade de expanso de existncia dos agricultores sertanejos. So estratgias reproduzidas e ressignificadas em cada momento histrico.

    A paisagem rstica e delicada da caatinga, bioma predominante na regio, revela, ao mesmo tempo, as duas faces de uma mesma moeda. Em um perodo, a regio se

    encontra cheia de vida, flores de diversas formas, cores, cheiros, vegetao com folhagens em variados tons de verde; em outro, a imagem da desolao: a vegetao aparentemente morta, com aspecto branco acinzentado (Maia, 2004). A escassez de gua e de alimentos e a presena de animais mortos pelos caminhos revelam a paisagem amarga do fenmeno natural e cclico da seca (Guerra, 1981), causando temores aos povoadores desse espao. Sob tais condies, ao longo de geraes, os sertanejos desenvolveram as experincias de inverno, em parte com o intuito de se proteger dos efeitos da seca. Alguns destes, ao dominar esta prtica e comunicar suas previses, passaram a ser reconhecidos pela comunidade como profetas da chuva.

    O conhecimento e a prtica da observao das experincias de inverno atravessaram geraes e, hoje, mesmo com o desenvolvimento dos instrumentos e mtodos de previso da cincia meteorolgica, os sertanejos continuam a realizar suas observaes. O objetivo deste artigo identificar os fatores que estimulam a prtica da observao das experincias de inverno no Serid potiguar pelos profetas da chuva.

    CONSIDERAES SOBRE O PERCURSO TERICO-METODOLGICO DA PESQUISAFoi nos sertes do Jardim do Serid, terra natal da primeira autora deste artigo, que nasceu o interesse pelo tema das experincias de inverno. Filha de agricultores, ela aprendeu muito cedo a importncia destas prticas para a vida dos sertanejos. Ao longo de sua trajetria, viu o serto se transformar. Presenciou a instalao da energia eltrica, que permitiu a chegada dos meios de comunicao; acompanhou o desenvolvimento de outras atividades econmicas, para alm da agricultura, o que dinamizou a regio, permitindo sua conexo com importantes centros e ampliando o fluxo de conhecimento da populao local. Observou ento que, embora o serto no fosse o mesmo de sua infncia e que

    1 Inverno refere-se ao perodo chuvoso da regio Nordeste, que pode compreender os seis primeiros meses do ano (Morais, 2005).

  • Bol. Mus. Para. Emlio Goeldi. Cienc. Hum., Belm, v. 9, n. 3, p. 773-795, set.-dez. 2014

    775

    se a populao desejasse poderia, inclusive, ver as previses do tempo pela internet ou pela televiso , os sertanejos continuavam a realizar suas experincias de inverno2. Isso a fez supor, ento, que estas prticas guardavam um significado muito mais amplo, cujos aspectos buscou descortinar em sua dissertao de mestrado, intitulada Experincias de inverno no Serid potiguar3.

    O presente artigo constitui uma das duas etapas deste estudo. Na primeira, o objetivo foi compreender at que ponto esta forma de conhecimento ainda orienta as prticas produtivas dos agricultores que habitam a regio do Serid. Para isso, foram entrevistados 241 agricultores em comunidades rurais dos municpios de Caic, Acari, Parelhas e Lagoa Nova, o que resultou no artigo O sertanejo e as experincias de inverno no Serid potiguar (Silva et al., 2013).

    A segunda etapa foi desenvolvida junto aos profetas da chuva do Serid, com os objetivos de identificar os fatores que estimulam a observao/prtica das experincias de inverno e de catalog-las. Esta etapa foi dividida em dois momentos: o primeiro buscou identificar os profetas da chuva, seguindo a indicao dos 241 entrevistados na primeira etapa. Os profetas que receberam mais indicaes foram selecionados para a pesquisa, resultando em um total de oito pessoas, distribudas nos municpios de Caic, Acari, Parelhas, So Joo do Sabugi e Lagoa Nova. O segundo momento contemplou o grupo de profetas celebridades4, cujos prognsticos so veiculados em programas de rdio da regio. sobre este grupo que se pautam as reflexes do presente artigo.

    Foram identificados os seguintes profetas: em Caic, Sinval Soares Dantas (64 anos), Jeferson Batista Pereira (Jefim Batista, 91 anos, falecido em 19 de dezembro de 2012), Gilton Batista de Arajo (Gilton Batista, 74 anos) e Francisco Elpdio de Medeiros (Chico Elpdio, 62 anos), do distrito Palma; em So Fernando, Milton Medeiros da Costa (Milton de Flix, 76 anos), do Stio Quixaba; em Belm do Brejo do Cruz, Manoel Medeiros de Azevedo (Manoel Uchoas, 69 anos), do Stio Santa Casa5; em Jucurutu, Abel Pereira de Arajo (Folha Seca, 76 anos), do Stio Pedra Branca (Figura