seminário - biogeografia

33
UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES UNIDADE ACADÊMICA DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA CIÊNCIAS BIOLÓGICAS LICENCIATURA EVOLUÇÃO BIOLÓGICA Graduando: Paulo Victor Ferreira de Paula Professor: Dr. Udson Santos CAJAZEIRAS PB 2015

Upload: paulo-victor-ferreira-de-paula

Post on 04-Oct-2015

28 views

Category:

Documents


0 download

DESCRIPTION

Seminário de conceitos biogeográficos

TRANSCRIPT

  • UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE FORMAO DE PROFESSORES

    UNIDADE ACADMICA DE CINCIAS EXATAS E DA NATUREZA CINCIAS BIOLGICAS LICENCIATURA

    EVOLUO BIOLGICA

    Graduando: Paulo Victor Ferreira de Paula Professor: Dr. Udson Santos

    CAJAZEIRAS PB 2015

  • BIOGEOGRAFIA

  • MUDANAS PRETRITAS DA TERRA

    At o Mesozico: Pangeia.

    Mesozico: continentes se moveram = Tectnica de placas; Os mares se expandiram e contraram => Glaciaes.

    Cenozico: Tercirio:

    Montanhas surgiram: Falhas e Dobramentos Ilhas apareceram e desapareceram => Vulcanismo e Glaciaes.

  • EVENTOS QUATERNRIOS Cenozico Perodo Quaternrio: ltimos 1,7 milho de anos:

    Holoceno (11.000 anos) = Interferncia Humana + Mudanas Naturais. Glaciao Plestocnica:

    Do Mioceno (ltima etapa do Tercirio) at o incio do Quaternrio = Queda da temperatura.

    No Pleistoceno: Alternncia de perodos frios e quentes. 4 perodos muito frio tendo incio por volta de 600.000 anos. As geleiras no rtico se expandiram para as baixas latitudes.

    Remoo da gua do oceanos = rebaixamento do nvel do mar (100m) Pontes de gua.

  • AS MUDANAS DA TERRA O conhecimento das mudanas fsicas na Terra importante para compreenso das mudanas biolgicas e dos padres atuais e para:

    O tempo e a origem das grandes regies endmicas (paisagens); Tectnica de placas => grandes disjunes.

  • INTRODUO A Biogeografia, a cincia que estuda a distribuio geogrfica dos seres vivos no espao atravs do tempo, procurando entender padres de organizao espacial e processos que resultaram em tais padres. Assim, estuda-se a distribuio da vida com base em sua dinmica na escala espacial e temporal no planeta Terra.

    Biogeografia Histrica

    Biogeografia Ecolgica

  • BIOGEOGRAFIA HISTRICA Estuda como os processos ecolgicos que ocorrem a longo prazo atuam sobre o padro de distribuio dos organismos. Explica a distribuio dos seres vivos em funo de fatores histricos. > Tectnica de placa > Mudanas climticas.

  • BIOGEOGRAFIA EVOLUTIVA A historia da biogeografia evolutiva est intimamente atrelada ao desenvolvimento da biologia evolutiva e a poca das exploraes entre os sculos XVIII e XIX, que trouxe como consequncia evidncias de um sistema padronizado de distribuio da fauna e flora. E os principais nomes que contriburam para o florescer desta cincia so: Alfred Russel Wallace; Georges-Louis Leclerc, conde de Buffon; Charles Darwin.

  • BIOGEOGRAFIA HISTRICA Alfred Russel Wallace;

  • BIOGEOGRAFIA HISTRICA Georges-Louis Leclerc, conde de Buffon;

    Ao notar a exclusividade de espcies do Velho Mundo, Conde de Buffon formulou o primeiro princpio biogeogrfico, que ficou conhecido como Lei de Buffon, segundo o qual postulava que as diferentes regies da Terra, apesar de compartilhar condies, eram habitadas por diferentes espcies de plantas e animais.

  • BIOGEOGRAFIA HISTRICA Charles Darwin.

  • BIOGEOGRAFIA ECOLGICA Estuda como os processos ecolgicos que ocorrem a curto prazo atuam sobre o padro de distribuio dos organismos; Analisa a distribuio dos seres vivos em funo de suas adaptaes s condies atuais do meio.

  • PADRES DE DISTRIBUIO So conhecidos trs tipos bsicos de distribuio dos grupos taxonmicos: endmicas, cosmopolitas e disjunta.

    1. Iguana-marinha, espcie endmica das ilhas Galpagos. 2. Diversidade humana. 3. Ramphastos ariel: Tucano de bico preto.

    1 2 3

  • REGIES BIOGEOGRFICAS Mapa Biogeogrfico Faunstico: O planeta Terra divido em seis regies faunsticas:

  • REGIES BIOGEOGRFICAS Mapa Biogeogrfico Florstico

  • DISPERSO VS. VICARINCIA Muitos pesquisadores acham que o processo de distribuio das espcies s pode acontecer por um mecanismo, vicarincia ou disperso, mas h exemplos melhor explicados pela ao concomitante de ambos.

    HIPTESE: DISPERSO

    As espcies esto num determinado espao geogrfico porque dispersaram de outro espao para ali.

    HIPTESE: VICARINCIA

    As espcies esto num determinado espao geogrfico porque especiaram ali.

  • DISPERSO A disperso uma das maneiras de ocorrer o isolamento na especiao aloptrica e periptrica. Ocorre quando as populaes so geograficamente isoladas, a tal ponto que o fluxo gnico entre elas quase todo ou inteiramente interrompido.

    Disperso

    Pop. 1 Pop. 2

    Diferenciao das populaes

    Pop. ancestral

    Disperso atravs da barreira

    Aparece a barreira

  • DISPERSO Pode ser via Migrao:

  • DISPERSO Pode ser via disperso de sementes atravs do vento, correntes martimas e de animais.

  • ESPECIAO A especiao ocorre quando uma espcie se isola geograficamente, alterando assim o seu nicho ecolgico e fazendo com que a mesma sofra mutaes com o passar do sculo. Um exemplo ocorreu com os chamados Tentilhes de Darwin, na ilha de Galpagos, na qual houve reproduo de mais de uma dzia de espcies.

  • Como ocorre a especiao?

    Populao

    A

    A

    A

    Em condies favorveis Aumento da rea

    Barreira geogrfica

  • VICARINCIA Vicarincia ou efeito vicariante o mecanismo evolutivo no qual ocorre uma fragmentao de uma rea bitica, separando populaes de determinadas espcies. A falta de fluxo gnico entre as duas sub-populaes agora formadas far com que elas fiquem cada vez mais diferentes e, mantendo-se a barreira por tempo suficiente, levar especiao.

    VICARINCIA

    Aparece a barreira

    Pop. 1 Pop. 2

    Diferenciao das populaes

    Pop. ancestral

  • VICARINCIA Vicarincia ou efeito vicariante o mecanismo evolutivo no qual ocorre uma fragmentao de uma rea bitica, separando populaes de determinadas espcies. A falta de fluxo gnico entre as duas sub-populaes agora formadas far com que elas fiquem cada vez mais diferentes e, mantendo-se a barreira por tempo suficiente, levar especiao.

  • DERIVA CONTINENTAL Alfred Wegener, por sua vez, foi um meteorologista e gelogo alemo responsvel pela proposio da teoria da Deriva Continental, segundo a qual os continentes j estiveram unidos no passado, formando um supercontinente chamado Pangea.

  • BIOGEOGRAFIA DE ILHAS Na tentativa de explicar a variao sobre a riqueza de espcies, os bilogos MacArthur e Wilson (1967) sugeriram a teoria do equilbrio de biogeografia de ilhas. Os autores fundamentaram sua teoria estudando ilhas ocenicas, que tem como principais premissas: O nmero de espcies em uma ilha deve se tornar mais ou menos constante com o passar do tempo;

  • Os autores fundamentaram sua teoria estudando ilhas ocenicas, que tem como principais premissas: Essa constncia ser o resultado de um contnuo turnover de espcies (substituio de espcies), com algumas se tornando extintas e outras imigrando;

  • Os autores fundamentaram sua teoria estudando ilhas ocenicas, que tem como principais premissas: Grandes ilhas devem suportar mais espcies do que ilhas menores;

  • Os autores fundamentaram sua teoria estudando ilhas ocenicas, que tem como principais premissas: O nmero de espcies deve diminuir com o grau de isolamento de uma ilha (quanto mais distante ela for de reas-fonte).

  • IRRADIAO ADAPTATIVA Processo que consequncia de isolamento geogrfico de vrios grupos a partir de uma populao inicial, levando diversificao das espcies com acmulo de caractersticas diferentes ao longo do tempo e com atuao da seleo natural. A partir de uma mesmo tipo ancestral ocorre o aparecimento de vrias linhas evolutivas divergentes.

    rgos Homlogos

  • CONVERGNCIA ADAPTATIVA Processo que resultante da adaptao de grupos de organismos de espcies diferentes a um mesmo hbitat. Por estarem adaptados ao mesmo hbitat, possuem semelhanas em relao organizao de corpo sem necessariamente possurem grau de parentesco.

    rgos Anlogos

  • REFERNCIAS BROWN, J. Biogeografia, 2. ed. Ribeiro Preto: FUNPEC-Editora, 2006. RIDLEY, M. Evoluo, 3 ed. Porto Alegre: Artmed, 2006. FUTUYMA, D. Biologia Evolutiva, 2. ed. Ribeiro Preto: Sociedade Brasileira de Gentica/CNPq, 1992.