bruno fonseca gabriel f. neves karen bobato valéria santos viviane atet yvelise truppel

24
Bruno Fonseca Gabriel F. Neves Karen Bobato Valéria Santos Viviane Atet Yvelise Truppel

Upload: maria-do-mar-assuncao-barbosa

Post on 07-Apr-2016

217 views

Category:

Documents


1 download

TRANSCRIPT

Page 1: Bruno Fonseca Gabriel F. Neves Karen Bobato Valéria Santos Viviane Atet Yvelise Truppel

Bruno FonsecaGabriel F. Neves

Karen BobatoValéria Santos

Viviane AtetYvelise Truppel

Page 2: Bruno Fonseca Gabriel F. Neves Karen Bobato Valéria Santos Viviane Atet Yvelise Truppel

Morgagni – 1º caso documentado em 1761;Crohn, Ginsburg e Oppenheimer – artigo

detalhado em 1932;É uma DII de origem não conhecida;É a doença cirúrgica primária que mais afeta o ID

– incidência anual de 3-7 casos/100.000;Os dois sexos são afetados – adultos jovens na

2ª/3ª décadas de vida;Tabagistas – 2x mais risco.

Page 3: Bruno Fonseca Gabriel F. Neves Karen Bobato Valéria Santos Viviane Atet Yvelise Truppel

Causas propostas – infecciosa, imunológica e genética;- Agentes infecciosos: Mycobacterium paratuberculosis e o vírus do sarampo.- Fatores imunológicos – fenômeno auto-imune;- Fatores genéticos – presença de um locus no cromossomo 16q;

Outras possibilidades – fatores ambientais, dietéticos, tabagismo e psicossociais;

Page 4: Bruno Fonseca Gabriel F. Neves Karen Bobato Valéria Santos Viviane Atet Yvelise Truppel

Locais mais comuns – ID e IG;Caracterizada pelo acometimento focal, assimétrico e

transmural – qualquer parte do tubo digestivo (da boca ao ânus);

Características macroscópicas/Características microscópicas

Page 5: Bruno Fonseca Gabriel F. Neves Karen Bobato Valéria Santos Viviane Atet Yvelise Truppel
Page 6: Bruno Fonseca Gabriel F. Neves Karen Bobato Valéria Santos Viviane Atet Yvelise Truppel

Três formas principais: inflamatória, fistulosa e fibroestenosante;

Manifestações clínicas mais comuns são dor abdominal e diarréia, formação de fistulas e sintomas obstrutivos intestinais;

- dor intermitente em cólica na parte inferior do abdome;

- perda de peso;

- períodos sintomáticos e assintomáticos;

DC predispõe ao CA de ID e IG – risco 20x maior ;

Page 7: Bruno Fonseca Gabriel F. Neves Karen Bobato Valéria Santos Viviane Atet Yvelise Truppel

Manifestações extra-intestinais – 30% dos pacientes;

Complicações: - Estenoses inflamatórias ou

associadas a fibrose intensa – quadros de suboclusão.

- Fístulas: enterocutâneas, enterovesicais, retovaginais e enteroentéricas ou

enterocólicas. Fístulas perianais (freqüente);

- A colite fulminante e uma das complicações mais sérias;

- Desnutrição e anemia.

Page 8: Bruno Fonseca Gabriel F. Neves Karen Bobato Valéria Santos Viviane Atet Yvelise Truppel

O diagnostico é feito pela análise conjunta de dados endoscópicos, histológicos e radiológicos;

Padrão Ouro para caracterização dos estágios da doença – IADC.

Page 9: Bruno Fonseca Gabriel F. Neves Karen Bobato Valéria Santos Viviane Atet Yvelise Truppel
Page 10: Bruno Fonseca Gabriel F. Neves Karen Bobato Valéria Santos Viviane Atet Yvelise Truppel

Variável Fator Multiplicador Subtotal

Média do número de evacuações líquidas ou pastosas por dia nos últimos 7 dias.

x 2

Dor abdominal, em média, nos últimos 7 dias (0 – sem dor, 1- dor leve, 2- dor moderada, 3- dor acentuada)

x 5

Sensação de bem-estar, média nos últimos 7 dias (0- bom, 1- um pouco abaixo da média, 3- ruim, 4- muito ruim, 5- terrível)

x 7

Número de complicações1 - artrite ou artralgia2 - irite ou uveíte3 - eritema nodoso ou pioderma gangrenoso ou estomatite aftóide4 - fissura anal ou fístula ou abscesso perirretal5 - febre acima de 37,8º C

x 20

Massa abdominal (0-não, 2- questionável, 5- definida) x 10

Hematócrito (homens: 47 menos Ht; mulheres: 42 menos Ht em %)

x 6

Percentual acima ou abaixo do peso corporal habitual (1 menos [peso/peso habitual] x 100 (o resultado deve ser

somado ou diminuído ao restante de acordo com o sinal))

x 1

Total da IADC

Page 11: Bruno Fonseca Gabriel F. Neves Karen Bobato Valéria Santos Viviane Atet Yvelise Truppel
Page 12: Bruno Fonseca Gabriel F. Neves Karen Bobato Valéria Santos Viviane Atet Yvelise Truppel

Para manter e/ou recuperar as condições nutricionais, obter uma eventual remissão da atividade da doença, reduzir as indicações cirúrgicas e as complicações operatórias;

Via enteral;Indicações:

- exarcebações agudas, graves e repetidas;- preparo pré-operatório de pacientes desnutridos, com fístulas digestivas, síndrome do intestino curto e retardo do crescimento;

* Ômega-3 VO – melhora da sintomatologia e das lesões (↓ da inflamação e prevenção).

Page 13: Bruno Fonseca Gabriel F. Neves Karen Bobato Valéria Santos Viviane Atet Yvelise Truppel

Admissão – Anamnese e Exame FísicoHematoqueziaDor abdominal tipo cólicaFebreSíndrome consuntivaSinais de deficiência de vitaminasObstruçãoHx de outras doenças auto-imunes

HMPHMF

Page 14: Bruno Fonseca Gabriel F. Neves Karen Bobato Valéria Santos Viviane Atet Yvelise Truppel

Semiologia armadaImagem

ColonoscopiaEDARx de intestino delgadoTC; US; RM avaliação e investigação de

complicações.Fístulas, abcessos.

LabsASCA - anti-Sacaromyces cerevisae. Marcador mais

especifico para DC (75%).

Page 15: Bruno Fonseca Gabriel F. Neves Karen Bobato Valéria Santos Viviane Atet Yvelise Truppel

HemogramaProvas inflamatórias (pouco úteis)

BiópsiaAfastar os diagnósticos diferenciaisEstadiar a doençaTratar o doente

Page 16: Bruno Fonseca Gabriel F. Neves Karen Bobato Valéria Santos Viviane Atet Yvelise Truppel

Primeiramente, orientar o paciente sobre a natureza transitória e crônica da doença.Ajuda na adesão ao tratamento.Evitar AINEs; Antiespasmódicos e

antidiarréicosAAS; Ibuprofeno; Buscopan; etc.

Page 17: Bruno Fonseca Gabriel F. Neves Karen Bobato Valéria Santos Viviane Atet Yvelise Truppel

CorticoterapiaDerivados aminossalicilicos.Antibioticos.Agentes imunomoduladores.Outros.

Anticorpo anti-TNF;

Page 18: Bruno Fonseca Gabriel F. Neves Karen Bobato Valéria Santos Viviane Atet Yvelise Truppel

CorticoterapiaPredinisona (0,75-1mg/kg/dia) ate remissão

completa, com retirada gradual do medicamento.

Em casos graves pode-se associar hidrocortisona 100mg EV de 6/6h ou 8/8h por aproximadamente uma semana.

Page 19: Bruno Fonseca Gabriel F. Neves Karen Bobato Valéria Santos Viviane Atet Yvelise Truppel

Derivados AminossalicílicosO principal representante e sulfassalazina

(SSZ) (3-5mg/dia). Costuma ser mais efetiva para a RCU do que para DC.Os efeitos colaterais principais são a infertilidade masculina e a anemia. Náuseas, vômitos, diarréia e anorexia ocorrem em ate 50% dos casos.

Page 20: Bruno Fonseca Gabriel F. Neves Karen Bobato Valéria Santos Viviane Atet Yvelise Truppel

ImunomoduladoresAzatioprina (AZA); 6-mercaptopurina (6MP);

ciclosporina; metotrexate (MTX).Metotrexate

antagonista do folato, interfere na sintese de DNA; inibe a formação de IL-2, IL-6, IL-8, interferon-γ e leucotrieno B4.

Doses semanais de 15-25mg IM ou SC.

Page 21: Bruno Fonseca Gabriel F. Neves Karen Bobato Valéria Santos Viviane Atet Yvelise Truppel

AntibióticosCiprofloxacino e Metronidazol

Fechamento de fistulas perianais e perineais.DC ativa melhora clinica e laboratorial, porem sem

efeito sobre a remissão.Anticorpo anti-TNF - Infliximabe

DC refratáriaE administrado em infusão única a 5mg/kg a

cada 3 meses.Reações de hipersensibilidade em até 10% dos

pcts.Altíssimo custo (aprox. R$ 20.000,00 /ano)

Page 22: Bruno Fonseca Gabriel F. Neves Karen Bobato Valéria Santos Viviane Atet Yvelise Truppel

Limitadas às complicações.“Surgical intervention is often life-saving.”Complicações – Abdôme Agudo:

ObstruçãoPerfuração, fístulas e abcessosSangramentoCADoença perianal

Page 23: Bruno Fonseca Gabriel F. Neves Karen Bobato Valéria Santos Viviane Atet Yvelise Truppel

Normalmente causam alívio sintomático ao paciente, porém não tem caráter curativo.

O tratamento da complicação deve se limitar ao segmento envolvido.Não se deve tentar ressecar mais intestino

mesmo que haja visualização macroscópica da doença.

Page 24: Bruno Fonseca Gabriel F. Neves Karen Bobato Valéria Santos Viviane Atet Yvelise Truppel

DUARTE, ALEXANDRE. Tratamento Cirúrgico da Doença de Crohn. Cadernos de Formação

em Gastrenterologia, vol. 14, pgs. 89-90. Março/Abril2007. Coimbra, Portugal.

SANTOS JR. JCM – Doença de Crohn – Tratamento. Revista Brasileira de Coloproctologia,

2000; 20(1): 37-48.

Projeto Diretrizes – Doença de Crohn Intestinal: Manejo. Participantes: Araújo SEA,

Oliveira Jr O, Moreira JPT, Habr-Gama A, Cerski CTS, Caserta NMG. Sociedade Brasileira de

Coloproctologia; Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva; Sociedade Brasileira de Patologia;

Colégio Brasileiro de Radiologia. Fevereiro de 2008.

COELHO, Julio Cezar Uili. Aparelho Digestivo: Clinica e Cirurgia. Vol. 1, pags 772-785. São

Paulo. Editora Atheneu, 2005.

Protocolo Clinico e Diretrizes Terapeuticas – Doenca de Crohn. Equipe Técnica: Guilherme

Becker Sander, Paulo D. Picon, Karine Medeiros Amaral e Bárbara Corrêa Krug. Consultor:

Carlos Fernando Magalhães Francesconi Editores: Paulo Dornelles Picon e Alberto Beltrame.

Portaria SAS/MS no 858, de 04 de novembro de 2002.

www.portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/crohn_pcdt.pdf

LOPES, AC. Tratado de Clínica Médica. Editora Roca, São Paulo, 2009.