educaÇÃo ambiental: concepÇÕes e prÁticas .gt22 - educação ambiental – trabalho 885...

Download EDUCAÇÃO AMBIENTAL: CONCEPÇÕES E PRÁTICAS .gt22 - educação ambiental – trabalho 885 educaÇÃo

Post on 20-Jan-2019

214 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

GT22 - Educao Ambiental Trabalho 885

EDUCAO AMBIENTAL: CONCEPES E PRTICAS

PEDAGGICAS DOS PROFESSORES DA EDUCAO DE JOVENS E

ADULTOS DA REDE PBLICA DE ABAETETUBA, PAR

Alessandra Sagica Gonalves UFPA

Marilene da Silva Feijo Pereira UFPA

Jos Mateus Rocha da Costa UFPA

Agncia Financiadora: CAPES

Resumo

Este artigo apresenta um campo de reflexo acerca das concepes e prticas

pedaggicas dos professores da Educao de Jovens e Adultos (EJA) sobre a temtica

ambiental em uma escola da rede pblica estadual de educao. Trata-se de uma

pesquisa com anlise qualitativa, cujos instrumentos utilizados foram entrevistas,

anlise do Projeto Poltico Pedaggico (PPP) e observao do ambiente educativo. O

estudo, realizado em Abaetetuba, Par, revelou por meio dos discursos que todos os

professores (as) pesquisados (as) concordam com a importncia da insero da

Educao Ambiental (EA) na EJA e alegam trabalhar com o tema em suas aulas. As

observaes diretas do ambiente demonstraram atividades voltadas principalmente

reutilizao de materiais reciclveis, a observao da natureza e horta. Apesar dos

avanos do debate sobre a EA na EJA que foi impulsionado pelas Diretrizes

Curriculares Nacionais de Educao Ambiental de 2012, ainda mostrou-se

predominante nos discursos e nas prticas pedaggicas uma concepo de cunho

reducionista e naturalista de EA.

Palavras-chave: Educao Ambiental. Concepes. Professores

Introduo

O presente artigo socializa parte de uma pesquisa mais ampla que analisou a

insero da educao ambiental na Educao de Jovens e Adultos na Rede Pblica de

Ensino, de modo a diagnosticar suas contribuies para a escola pblica da Amaznia

Paraense. Neste sentido, este ensaio estabelece reflexes acerca da Educao Ambiental

(EA) na Educao de Jovens e Adultos (EJA), na sociedade contempornea. De modo

geral, investigamos quais a concepes e prticas pedaggicas dos professores da EJA

sobre a EA na escola pblica da rede estadual de educao na Amaznia Paraense.

2

38 Reunio Nacional da ANPEd 01 a 05 de outubro de 2017 UFMA So Lus/MA

A importncia deste estudo diz respeito principalmente a dois aspectos: 1) O

primeiro se refere insero da EA no currculo da educao brasileira, que foi

reafirmada por meio das Diretrizes Curriculares Nacionais para a EA (DCNEA) de 15

de junho de 2012; 2) E o segundo decorre da necessidade da ampliao do debate acerca

da qualidade das prticas pedaggica e curriculares na EJA.

O artigo foi organizado a partir de pesquisa realizada com enfoque no estudo

de caso, de abordagem qualitativa, envolvendo pesquisa bibliogrfica e documental,

bem como pesquisa de campo junto aos professores da EJA, na cidade de Abaetetuba,

Estado do Par. Alm disso, para construo deste estudo foi realizado um dilogo com

os seguintes autores: Arroyo (2014), Guimares (2004), Leff (2001), Pedrini (1998),

Reigota (2004), entre outros, que possibilitaram o entendimento e a ampliao do

contedo pesquisado e que serviram de arcabouo terico nesta investigao. As

investigaes em campo ocorreram nos anos de 2015 a 2016 na cidade de Abaetetuba1 e

a coleta e anlise dos dados foram realizadas a partir de entrevistas semiestruturada

direcionadas a 20 professores da EJA.

Portanto, apresentam-se as anlises das questes fulcrais que nortearam a

pesquisa de campo a partir dos depoimentos dos entrevistados e dos documentos

investigados. O escrito organiza-se a partir de trs campos de discusso: primeiramente,

apresentam-se as premissas polticas e tericas sobre Educao Ambiental. A seguir

discute-se brevemente sobre a trajetria da EA e da EJA no Brasil. E posteriormente,

apresentado os resultados da pesquisa luz dos depoimentos dos sujeitos envolvidos na

investigao de campo.

Premissas polticas e tericas sobre Educao Ambiental

Segundo Pedrini (1998), com o capitalismo teve-se um avano de progresso

econmico e tecnolgico, bem como estragos socioambientais provocados por um

desenvolvimento totalmente insustentvel: misria, exploso demogrfica, poluio das

guas, do ar e do solo, extino de espcies animais e vegetais, desertificao das

florestas, destruio da camada de oznio, aquecimento global do planeta, etc. Ao

perceber que tais atitudes conduziriam ao caos, a humanidade estabeleceu leis que

previam multas e privaes de liberdade. Contudo, tais medidas no foram suficientes,

1 uma cidade que fica localizada a 110 km de, Belm, e possui uma populao de 141.100 habitantes,

conforme dados do Censo de 2010, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatstica (IBGE, 2010).

3

38 Reunio Nacional da ANPEd 01 a 05 de outubro de 2017 UFMA So Lus/MA

fazia-se necessrio a estas um processo educativo contnuo, capaz de propiciar um novo

relacionamento do homem com o restante da natureza. Neste contexto surge a Educao

Ambiental (EA).

No cenrio global a questo Ambiental emerge como uma crise de civilizao e

as rupturas desta crise buscam questionar os paradigmas do conhecimento e os modelos

societrios da modernidade, emergindo a necessidade de construir outra racionalidade

social, que seja orientada por novos valores e saberes; por modos de produo

sustentados em bases ecolgicas e significados culturais; por novas formas de

organizao democrtica.

Para Leff (2001) a problemtica ambiental gerou mudanas globais em

sistemas socioambientais complexos que afetam as condies de sustentabilidade do

planeta. Uma das principais causas da problemtica ambiental foi atribuda ao processo

histrico do qual emerge a cincia moderna e a Revoluo Industrial.

Para Harvey (2011) o capitalismo baseia-se no usufruto da natureza. O

esgotamento e a degradao da terra e dos chamados recursos naturais no fazem mais

sentido no longo prazo do que a destruio dos poderes coletivos de trabalho, pois

ambos esto na raiz da produo de toda a riqueza.

Guimares (2005) nos alerta que essa crise que afeta o planeta, se configura

como esgotamento de um estilo de desenvolvimento ecologicamente predador,

socialmente perverso, politicamente injusto, culturalmente alienado e eticamente

repulsivo.

A partir das ltimas dcadas do sculo XX, com a intensificao dos problemas

ambientais em escala global, o aprofundamento da crise ambiental, as estratgias de

preservao so consideradas necessrias para que ocorra uma mudana tanto de

concepo quanto de prtica na relao que a sociedade estabelece com a natureza.

Estas consideraes levam a compreenso de que o debate acerca da

problemtica ambiental ganhou uma formidvel dimenso no cenrio internacional e

nacional, especialmente no mbito das polticas pblicas educacionais. Pois, diante das

inmeras adversidades criadas pelo modelo de desenvolvimento econmico, muitos

governantes e legisladores se sentiram pressionados a desenvolver propostas e aes

adequadas aos apelos dos movimentos socioambientais. Nesse horizonte, EA passou a

ser considerada como uma estratgia fundamental para a formao de indivduos

partcipes na construo de uma sociedade sustentvel, socialmente justa e

ecologicamente equilibrada.

4

38 Reunio Nacional da ANPEd 01 a 05 de outubro de 2017 UFMA So Lus/MA

Partindo dessas consideraes, defende-se neste artigo, uma proposta crtica de

EA, conforme preconiza Guimares (2013), que se deve trabalhar com uma viso

sistmica de meio ambiente, compreendido em sua totalidade complexa como um

conjunto no qual seus elementos/partes interdependentes se inter-relacionam entre si,

entre as partes e o todo, o todo nas partes em uma interao sintetizada no equilbrio

dinmico. O espao natural veio historicamente sendo apropriado pelas sociedades

humanas, transformando-o em um espao socialmente produzido.

A EA na perspectiva crtica objetiva contribuir para a construo de uma

conscincia crtica da realidade socioambiental e da relao sociedade-natureza, que

seja capaz de instigar mudanas tanto individuais como coletivas, de modo a influenciar

na mudana dos modelos de paradigmas da sociedade moderna.

Jacobi (2005) disserta que EA na perspectiva crtica ocorre na medida em que

o professor assume uma postura reflexiva. E isto potencializa entender a EA como uma

prtica poltico-pedaggica, representando a possibilidade de motivar e sensibilizar as

pessoas para transformar as diversas formas de participao em potenciais fatores de

dinamizao da sociedade e de ampliao da responsabilidade socioambiental.

Revisitando a trajetria da Educao Ambiental e da EJA

A trajetria histrica da EA mostra que paulatinamente essa dimenso da

educao vem conquistando seu espao e se inserindo nos debates pedaggicos nas

instituies de ensino no Brasil desde a educao bsica at ao ensino superior. De

modo geral, adquirindo, em nvel globalizado, um importante papel na luta pela

conservao e preservao dos recursos naturais. E, por isso, acredita-se que este tipo de

educao deve estar presente em todos os nveis do ensino, desde a educao infantil at

ao ensino superior, desenvolvendo o senso crtico de ca