módulo de saúde ocupacional – aula 7 prof.º marivaldo oliveira

Download Módulo de Saúde Ocupacional – AULA 7 Prof.º  Marivaldo  Oliveira

Post on 24-Jan-2016

25 views

Category:

Documents

3 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Módulo de Saúde Ocupacional – AULA 7 Prof.º Marivaldo Oliveira. FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Competências a serem trabalhadas em HO. - PowerPoint PPT Presentation

TRANSCRIPT

Slide 1

Mdulo de Sade Ocupacional AULA 7Prof. Marivaldo Oliveira

FTSTFormao Tcnica em Segurana do Trabalho

1Competncias a serem trabalhadas em HO Analisar as condies de sade e organizao do ambiente de trabalho, avaliando-as com foco em desenvolver aes e campanhas de preveno de riscos ocupacionais. Estabelecer aes preventivas e corretivas para a promoo da melhoria do ambiente de trabalho com foco na salubridade.

01

O que veremos nesta aula...02

3HIGIENE OCUPACIONALConceito de Higiene Industrial; Classificao dos Riscos Ambientais, Fsicos, Qumicos e Biolgicos; Avaliao dos Riscos Ambientais: qualitativa e quantitativa; Antecipao e reconhecimento dos riscos; Avaliao dos Riscos Qumicos (Poeiras, Gases, etc);03

4HIGIENE OCUPACIONALTcnicas de elaborao de relatrio de avaliao da higiene ocupacional; Medidas de controle dos Riscos Ambientais; Tcnicas de avaliao quantitativa dos Riscos Fsicos; Tcnicas de avaliao quantitativa dos Riscos Qumicos; Tcnicas de avaliao quantitativa dos Riscos Biolgicos.03

5Conceitos Bsicos Principais termos utilizados so: Higiene Ocupacional, Higiene Industrial e Higiene do Trabalho.

04

Conceitos BsicosAIHA American Industrial Hygiene Association Cincia que trata da antecipao, reconhecimento, avaliao e controle dos riscos originados nos locais de trabalho e que podem prejudicar a sade e o bem estar dos trabalhadores, tendo em vista tambm o possvel impacto nas comunidades vizinhas e no meio ambiente05

Conceitos Bsicos ACGIH: Conferncia (Norte-) Americana de Higienistas Industriais Governamentais (American Conference of Governmental Industrial Hygienists ), uma organizao voluntria de profissionais em higiene industrial de instituies governamentais ou educacionais dos EUA. Cincia e arte do reconhecimento, avaliao e controle de fatores ou tenses ambientais originados do, ou no, local de trabalho e que podem causar doenas, prejuzos para a sade e bem-estar, desconforto e ineficincia significativos entre os trabalhadores ou entre os cidados comuns

06

Conceitos Bsicos A atuao da higiene ocupacional prev uma interveno deliberada no ambiente de trabalho como forma de preveno da doena. Sua ao no ambiente complementada pela atuao da medicina ocupacional, cujo foco est predominantemente no indivduo.(Manual SESI 2007)07

RiscoO risco a combinao da probabilidade de ocorrncia e a magnitude de um evento indesejado Risco = probabilidade de ocorrer o dano X gravidade do danoDano: Ocorre sobre seres vivos ou sobre materiaisCausas: Eventos ocorridos anteriormente ao dano dentro de uma relao de causa-efeito08

Risco OcupacionalRisco ocupacional = Exposio x gravidade dos efeitos sadeExposio: Depende da intensidade ou da concentrao do agente no ambiente e da frequncia e do tempo que o trabalhador est em contato com ele.Medidas de controle ou preveno: medidas tomadas para controle de riscos09

Classificao dos RiscosRiscos Fsicos;Riscos Qumicos;Riscos Biolgicos;

Riscos Ergonmicos;Risco Acidente.

10

Classificao dos Riscos

11

Classificao dos RiscosGradao dos Riscos : feita levando-se em conta a gravidade dos efeitos sade (morte, doenas graves, incapacidade, transtornos menores, etc)

APR: Anlise Preliminar de Risco

12

Classificao dos Riscos Agentes Fsicos : Formas de energia perceptveis ao sentido humano: Rudo, vibraes, iluminamento, presses anormais, temperatura, radiaes ionizantes e radiaes no ionizantes.

13

15Classificao dos Riscos Agentes Qumicos: Substncias qumicas que esto presentes no ambiente so classificados em gases, vapores e aerodispersides.Podemos entender os agentes qumicos como todas as substncias puras, compostos ou produtos (misturas) que podem entrar em contato com o organismo por uma multiplicidade de vias, expondo o trabalhador a danos em sua sade.

13

16Absoro dos Agentes QumicosAs vias de ingresso ou de contato com o organismo consideradas tradicionalmente so: Vias respiratria (inalao) Cutnea (por meio da pele intacta) Digestiva (ingesto).

A respiratria a de maior importncia industrial, seguida da via drmica.15

Classificao dos Riscos Agentes Biolgicos : Organismos vivos presentes no ambiente, com exceo do receptor (microorganismos, vermes parasitas, animais peonhentos, rpteis venenos, animais marinhos venenosos)

16

Classificao dos Riscos Agentes Ergonmicos: Ocorrem quando h disfuno entre o indivduo, seu posto de trabalho e seus equipamentos, causando dano sade do trabalhador.

17

Classificao dos RiscosRiscos de Acidentes: Ocorrem em funo das condies fsicas de ambiente fsico e do processo de trabalho e tecnolgicas imprprias capazes de provocar leses integridade fsica do trabalhador.

18

Avaliao Ambiental - EtapasReconhecimento- definio dos riscos potenciais existentes nos locais de trabalhoAvaliao- definio se os riscos reconhecidos existem ou no e qual a sua extenso e/ou possveis danos sade do trabalhador (comparar com LT)Controle- eliminao ou reduo a valores legalmente aceitveis, dos agentes agressores aos trabalhadores

19

Determinao da intensidade dos agentes fsicos;A concentrao dos agentes qumicos, visando o dimensionamento da exposio dos trabalhadores;A avaliao quantitativa dever ser realizada sempre que necessria para comprovar o controle da exposio ou a inexistncia dos riscos identificados na etapa de reconhecimento; Dimensionar a exposio dos trabalhadores e subsidiar o equacionamento das medidas de controle.Avaliao Ambiental - Monitoramento

20

RUDOA dose e o nvel de presso sonora mdio devero ser obtidos atravs de utilizao de audiodosmetro, ou de decibelmetro com os seguintes ajustes: Curva de compensao "a". Exposio tipo contnua de 5 dB(a) de relao amplitude/dobro de tempo (q).Contagem da dose a partir de 80 dB(a).Dose de 100% para 8h de exposio a 85dB(a). Tcnicas de Avaliao dos Agentes

21

23RUDO : O empregado portador do audiodosmetro dever ser acompanhado durante todo o tempo, no podendo desviar-se de sua rotina de trabalho. A seleo do ponto de medio e a localizao do objeto de medida so regidas pelo objetivo que tenha a medio.As medies da exposio devero ser feitas prxima da orelha do trabalhador a uma distncia de 5 a 10 cm. Tcnicas de Avaliao dos Agentes

22

CALOR ( Stress Trmico ):TERMMETRO DE BULBO SECO:

Estabiliza com a temperatura do ar que circunda o bulbo. Mede a temperatura do ar que est presente no ambiente onde o trabalhador executa sua tarefa. Tcnicas de Avaliao dos Agentes

23

TERMMETRO DE BULBO MIDO NATURAL:A evaporao da gua destilada presente no pavio refrigera o bulbo.Mede: a temperatura do ar / velocidade do ar / umidade relativa do ar / a temperatura do TBN ser sempre menor ou igual temperatura do termmetro bulbo seco. Ser igual quando a umidade relativa do ar for de 100%, pois o ar saturado no admite mais evaporao de gua. Sem evaporao, no h reduo da temperatura. Tcnicas de Avaliao dos Agentes

24

TERMMETRO DE GLOBOA absoro da radiao infravermelhaaquece o globo, que aquece o ar interno, que aquece o bulbo.Possui um tempo de estabilizaode 20 a 30 minutos por essa razo.Mede: Calor radiante no ambiente(fontes radiantes) /Temperatura do ar/ Velocidade do ar/A temperatura de globo ser sempre maior que a temperatura de bulbo seco, pois sempre h uma carga radiante no ambiente; Tcnicas de Avaliao dos Agentes

25

Tcnicas de Avaliao dos AgentesQUMICOS: Podem ser utilizados monitores de difuso passiva ou mtodos de amostragem instantnea para avaliao de campo dos empregados. O trabalhador portador do monitor dever ser acompanhado durante todo o tempo, no podendo desviar-se de sua rotina de trabalho. A metodologia e tempo de amostragem devero seguir as normas da Fundacentro, e/ou ACGIH. Aps amostragem, os monitores devero ser avaliados por laboratrios reconhecidos nacional ou internacionalmente.

26

Tcnicas de Avaliao dos AgentesBIOLGICOS:Anlise QUALITATIVA

Anlise QUANTITAVA: Verificao da qualidade do ar anterior: Fungos e Bactrias / potabilidade da gua conforme Resoluo da ANVISA

27

Tcnicas de Avaliao dos AgentesERGONMICOS:

Anlise Ergonmica: ( NR 17 / checklist especfico )

28

Tcnicas de Avaliao dos AgentesDE ACIDENTES:

APR / PTP / PTA

29

Nvel de Ao o valor acima do qual devero ser iniciadas as medidas preventivas de forma a minimizar a probabilidade de que as exposies a agentes ambientais ultrapassem os limites de exposio tais como:

30

Nvel de Ao Medies peridicas da exposio ocupacional; Treinamento dos trabalhadores; Acompanhamento mdico com monitoramento biolgicos apropriados. Os nveis adotados so os previstos na NR 9.

31

Nvel de AoAgentes qumicos: metade dos limites de exposio ocupacionais adotados.

Rudo: dose de 0.5 (50% de dose) do limite de tolerncia previsto para a jornada de trabalho.

32

LIMITES DE TOLERNCIAAgentes qumicos so considerados insalubres:independente de avaliao quantitativa: arsnico, carvo, chumbo, cromo, fsforo, hidrocarbonetos, organoclorados,mercrio, silicatos, substncias cancergenas)dependentes avaliao quantitativa:concentraes LT (anexo 11 NR-15)33

35ATIVIDADES INSALUBRES NR-15 portaria 3214/78:Acima dos limites tolerncia (rudo, calor, radiaes ionizantes, poeiras minerais, alguns agentes qumicos);Exposio agentes biolgicos;Condies hiperbricas;Radiaes no-ionizantes, vibraes, frio e umidade(laudo inspeo no local de trabalho).34

Medidas de ControleI MEDIDAS DE CONTROLE COLETIVO; II MEDIDAS DE CARTER ADMINISTRATIVO OU DE ORGANIZAO DO TRABALHO; III - UTILIZAO DE EPI 36

ATIVIDADEQuais as definies para Higiene

Recommended

View more >