recolha selectiva de resÍduos .os sacos, apesar do custo unitário baixo, sendo consumíveis acabam

Download RECOLHA SELECTIVA DE RESÍDUOS .Os sacos, apesar do custo unitário baixo, sendo consumíveis acabam

Post on 10-Dec-2018

212 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

RECOLHA SELECTIVA DE RESDUOS URBANOS Susana Rodrigues | Waste@nova . FCT/UNL

ASSUNTOS

1. Enquadramento nacional metas e oportunidades

2. Recolha de RU - problemtica

3. Indicadores de Performance - benchmarking de sistemas de recolha

4. Recolha Selectiva de RU - factores chave para o sucesso.

5. Boas Prticas na Recolha:

Barcelona, Maia, Guimares, Cascais, Liubliana

Enquadramento nacional Metas Comunitrias. Onde nos encontramos?

0%

10%

20%

30%

40%

50%

Reciclagem Compostagem Incinerao Aterro

16% [VALUE]

21%

49%

Destino RU (%), 2014

EU Portugal

Euro

sta

t, 2

015

As principais medidas privilegiam a actuao a montante da cadeia de valor;

Aposta-se na definio de metas e no na preconizao de solues tcnicas, dando liberdade

aos sistemas para desenvolverem solues no padronizadas;

Quadro financeiro da EU: 306 M do Eixo III do PO SEUR para resduos

650 M do Horizonte 2020 para Economia Circular

Oportunidades. PERSU 2020, PO SEUR

METAS 2030

Reciclagem de 65% dos RU

(70% no PERSU 2020)

Reciclagem de 75 % dos RE

Deposio em aterro

Enquadramento nacional Recolha de RU. Anlise SWOT

Foras

Boa cobertura da rede de recolha de RU

Fraquezas

Quantidade de resduos provenientes de recolha indiferenciada muito superior selectiva

Insustentabilidade econmica e financeira do sector e falta de recuperao de custos na recolha

No integrao ou concertao na logstica da recolha indiferenciada e recolha selectiva

Oportunidades

Financiamento comunitrio para investimentos no sector

Reforo dos poderes do regulador (ex. indicadores, tarifrios)

Alargamento da cadeia de valor (recolha a montante, reciclagem a jusante)

Reduo das emisses de CO2 associadas recolha atravs de modelos de gesto mais eficientes

Ameaas

Indefinio no modelo de clculo dos valores de contrapartida para os RE.

Crescimento de redes paralelas ao nvel de diversos fluxos de resduos (ex. roubos papel)

Debilidade econmico-financeira do pas e dos principais clientes dos sistemas (municpios)

Constrangimentos e limitaes associados ao sector Empresarial do Estado

Recolha de RU . Problemtica

Meios Humanos

Consumo Gasleo

RECOLHA RESDUOS URBANOS Metas exigentes impostas pela UE e

inconsistencia de dados reportados

Ponto de contacto entre os utentes e o sistema

Complexidade Operacional

Enorme diversidade de solues tcnicas e

equipamentos

Servio deficitrio

Regulao recente Componente mais poluente e mais cara do sistema

50-75% do Custo Total

Variaes na capitao de RU

Reviso do Tarifrio

Recolha de RU . Problemtica

Ponto de contacto entre os utentes e o Sistema

QUE IMAGEM QUEREMOS DAR DO SISTEMA ?

Um sistema de recolha tem de ser atraente, disponvel, acessvel e seguro

COMO? A QUE CUSTO?

Existe uma enorme diversidade de solues tcnicas e equipamentos

COMO SELECCIONAR O SISTEMA DE RECOLHA?

Recolha de RU . Problemtica

Recolha de RU . Oportunidade

A oportunidade de influenciar o sistema de gesto de RU dada logo no incio: o mtodo utilizado na recolha selectiva ir influenciar a qualidade e quantidade dos reciclveis, e

consequentemente o layout e custo do processamento em alta.

OBJECTIVOS Classificar os sistemas de recolha existentes equipamentos e

tecnologias, desenvolvendo uma proposta de classificao taxonmica. Melhorar o potencial de benchmarking dos sistemas pela definio de

Indicadores de performance operacionais e financeiros, identificando os aspectos crticos do servio de recolha.

Aplicar os indicadores propostos aos sistemas de recolha disponveis no mercado europeu.

Projecto de I&D . Benchmarking de sistemas de recolha de RU

Containers

Vehicles

with city

CONTENTOR Instalao Mobilidade Sistema de engate/elevao Descarga

VIATURA Tipo de superestrutura Mecanismo de elevao/carga

Projecto de I&D Benchmarking de sistemas de recolha de RU

PRESSUPOSTOS

A forma como os elementos do sistema de recolha interagem entre si e com o sistema de fundo - produtores de resduos e infra-estruturas e mobilidade da cidade, ir ditar sua eficincia.

O contentor deve estar adaptado s necessidades do servio: a ergonomia/acessibilidade, rea de implantao, capacidade e utilizao do sub-solo so crticos.

A concepo e dimensionamento do sistema podem ser optimizados usando os valores do peso especfico em contentor para cada tipo de contentor e fluxo de recolha.

O tempo de recolha dos contentores, para cada sistema de engate/elevao da viatura, avalia a eficcia do equipamento se relacionado com a quantidade de resduos recolhida.

INDICADORES OPERACIONAIS DEFINIO UNID.

Indicadores de Equipamento . especificaes tcnicas dos contentores, independentes da zona

Seco de Deposio Seco livre das bocas de deposio cm2

Capacidade Lquida (volume real) O volume no til estimado e subtrado ao volume total do contentor (Capacidade Bruta)

m3

Volume no til Diferena percentual entre a Capacidade Bruta e Lquida %

Capacidade Lquida por m2 Quociente entre a capacidade lquida e a rea de implantao m3/m2

Indicadores de Sistema . sensveis s caractersticas dos resduos e do servio de recolha

Peso especfico em contentor Quociente entre o peso lquido mximo e a capacidade lquida kg/m3

Tempo de recolha unitrio Intervalo de tempo entre a paragem da viatura para recolher o contentor e o incio da marcha para o ponto de recolha seguinte

min

Capacidade Mx.(1) por unid. tempo Quociente entre a capacidade lquida e o tempo de recolha m3/min

Peso Mximo (1)por unidade tempo Quociente entre o peso lquido mximo e o tempo de recolha kg/min

Dimenso da Equipa Nmero total de trabalhadores necessrios Nr.

(1) Corresponde a uma taxa de enchimento de 100%

744 1060

129

0 200 400 600 800

1000 1200

C1-2.4 C1-3.2 C2 C3 C4 C4 C5 C5 C6 C7 C8

C1V5 C2V5 C3V1 C4V1 C4V7 C5V1 C5V6 C6V1 C7V7 C8V2

131

106

14

75 87

7 0

20 40 60 80

100 120 140

C1-2.4 C1-3.2 C2 C3 C3 C4 C4 C5 C5 C6 C7 C8 C9-0.12 C9-0.24 C10

C1V5 C2V5 C3V6 C3V7 C4V1 C4V7 C5V1 C5V6 C6V1 C7V7 C8V3 C9V3 C10V4

PESO MX. RECOLHIDO POR UNIDADE DE TEMPO [kg/min]

Projecto de I&D Benchmarking de sistemas de recolha de RU

Kg/min

Tipo de Sistema

3,3

0,18

3,4

0,19

0

1

2

3

4

C1

-2.4

C1

-3.2

C2

C3

C3

C3

C4

C4

C5

C5

C6

C7

C8

C8

C9

-0.1

2

C9

-0.2

4

C1

0

C1V5 C2V5 C3V1 C3V6 C3V7 C4V1 C4V7 C5V1 C5V6 C6V1 C7V7 C8V2 C8V3 C9V3 C10V4

O sistema automtico de superfcie (recolha lateral) tem os melhores resultados e os sistemas de recolha manuais (pap) os piores.

Um dos sistemas mais comuns em Portugal de superfcie semi-automtico, tem maus resultados. Os sistemas subterrneos semi-automticos (grua) compensam os tempos de recolha maiores com as

capacidades tambm maiores.

CAPACIDADE MX. RECOLHIDA POR UNIDADE DE TEMPO [m3/min]

Projecto de I&D Benchmarking de sistemas de recolha de RU

m3/min

Tipo de Sistema

INDICADORES FINANCEIROS DEFINIO UNID.

Indicadores de Equipamento . Contentores e Viaturas, independentes da zona de servio

Custo de aquisio por m3 (2) Quociente ente o custo de aquisio(1) (amortizado ao tempo de vida(2)) e a capacidade til

.ano/m3

Custo de manuteno por m3 Quociente entre o custo de manuteno (amortizado ao tempo de vida) e a capacidade til

.ano/m3

Custo total por m3 Quociente entre o somatrio do custo de aquisio e manuteno e a capacidade til

.ano/m3

Indicadores de Sistema . Sensveis s caractersticas dos resduos e do servio de recolha

Custo rec. humanos por tonelada Quociente entre o custo RH e a quantidade mdia recolhida por circuito /t

Custo aquisio do equipamento por tonelada

Quociente entre o custo total anual de investimento em equipamento (contentores e viatura) e a quantidade potencial/mdia real recolhida por ano

/t

Custo manuteno do equipamento por tonelada

Quociente entre o custo total anual de manuteno do equipamento (contentores e viatura) e a quantidade potencial/mdia real recolhida por circuito/ano

/t

Custo combustveis por tonelada Quociente entre o custo total anual em gasleo e a quantidade potencial/mdia real recolhida por circuito/ano

/t

Custo total por tonelada Quociente entre o somatrio dos custos de RH, aquisio, manuteno e explorao(3) e a quantidade potencial/mdia real recolhida por circuito/ano

/t

(1) Inclui aquisio e instalao; (2) Ou por km (viaturas); (3) Custos de explorao: Lavagens, consumveis e gasleo

CUSTO DE AQUISIO POR CAPACIDADE DE ARMAZENAMENTO (Ecoponto) [/ m3]

Projecto de I&D Benchmarking de sistemas de recolha de RU