aula inaugural - epidemio

Download Aula Inaugural - Epidemio

Post on 10-Jul-2015

71 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

Universidade Federal Mato Grosso Campus SINOP Departamento de Medicina Veterinria Preventiva Epidemiologia Animal

EpidemiologiaConceitos e Aplicaes

HISTRICO Sculo XVI Grcia clssica texto sobre a peste 1850 - Sociedade de Epidemiologia - Londres

Investigaes etiolgicas sobre doenas transmissveis

EPIDEMIOLOGIA Sculo XX Status de disciplina cientfica

EPIDEMIOLOGIAEpi: Acima Demo: Povo Logo: Estudo

Estudo que est acima do povo Estudo das doenas das populaes (GRUPO DE PESSOAS).

Estudo da doena em populaes e dos fatores que determinam sua ocorrncia.

Epidemiologia Veterinria: Inclui pesquisas de avaliao de outros eventos relacionados sade animal: Produtividade

ASPECTOS EPIDEMIOLGICOS DA BABESIOSE CANINA E BOVINA NA REGIO DE GARA (SP)Eber Rogrio ASSIS; Luiz Humberto Alduini BORGES; Sinval Souto MATTEI; Joo Marcelo Sancinetti MEIRA; Marcos Kunio MIYAZAWA Fernando Jos Delai PARDO

RESUMO A babesiose uma doena parasitria de extrema importncia que acomete vrias espcies de animais, inclusive o homem, sendo transmitida por carrapatos que infectam os eritrcitos por protozorios do gnero Babesia spp. Dependendo da patogenicidade da cepa envolvida, pode levar ao comprometimento mltiplo de rgos. Com o objetivo de obter informaes quantitativas sobre babesiose canina e bovina na regio de Gara, foram levantados os dados sobre a doena junto ao hospital veterinrio e leiteria da FAMED, Gara (SP), no perodo de janeiro de 2002 a maro de 2004. Na Clnica de Pequenos Animais foram observados 25,3% de casos, na Clnica de Grandes Animais, 24,0% de casos e na Leiteria 50,7% de casos.

PALAVRAS-CHAVES: Babesia spp, Hemoparasita, Canino, Bovino.

REAS TEMTICAS

1. AS DOENAS INFECCIOSAS E AS ENFERMIDADES CARENCIAIS No passado: o alvo da epidemiologia eram as doenas (clera, peste, febre amarela, varola)

Estudo da doena nos perodos interepidmicos

Agentes Etiolgicos

2. AS DOENAS CRNICO-DEGENERATIVAS E OUTROS DANOS SADE

Diminuio da mortalidade por doenas infecciosas e carenciais + Envelhecimento progressivo da populao e mudana no perfil da morbidade

Doenas crnico do tipo degenerativas; anomalias congnitas; acidentes; envenenamentos; hbito de fumar; peso ao nascer; nveis de glicemia; fadiga profissional; violncia urbana; consumo de drogas

OBJETO DA EPIDEMIOLOGIA

QUALQUER DANO OU AGRAVO SADE ESTUDADO EM TERMOS DE POPULAO.

A revista Caras publica um artigo onde:

1.000 mulheres foram assassinadas no RJ em 2004

900 pelos maridos 50 pelos amantes 95 por desconhecidos Concluso ... mais perigoso ser casada do que ter um amante.

3. OS SERVIOS DE SADE

Assistncia aos doentes e as prticas preventivas representam fatoresque intervm na distribuio e na ocorrncia das doenas.

VACINE SEU MELHOR AMIGO

USOS DA EPIDEMIOLOGIADeterminao da origem da doena de causa conhecida Investigao e controle de doenas de causa desconhecida ou pouco compreendida Aquisio de informaes da ecologia e histria natural da doena Planejamento e monitoramento de programas de doenas

Avaliao econmica dos efeitos da doena e dos custos e benefcios das campanhas alternativas de controle

DETERMINAO DA ORIGEM DA DOENA DE CAUSA CONHECIDAComponentes da rao

RAO

Salmonelose

Investigao epidemiolgica

Animal infectado inserido no rebanho

INVESTIGAO E CONTROLE DE DOENAS DE CAUSA DESCONHECIDA OU POUCO COMPREENDIDA Estudos epidemiolgicos so realizados antes de descobrir a REAL causa da doena. Estudos epidemiolgicos BSE ocorria devido ao consumo de alimentos contendo farinha de carne e ossos contaminados com scrapie. Proibio de fornecer alimentos contendo protenas para ruminantes.

BSE

Carcinoma de clulas escamosas do olho no gado Hereford

Estudos epidemiolgicos ocorrncia maior em gado com a plpebra despigmentada que naqueles animais com pigmentao

Informao importante para os criadores

AQUISIO DE INFORMAES DA ECOLOGIA E HISTRIA NATURAL DAS DOENAS

Hospedeiro

Agente infeccioso

Ambiente

Associado leptospirose em humanos e rebanhos domsticos

Leptospira interrogans ECOSSITEMA Chuvas microrganismo penetra na pele atinge rgos animal desenvolve leptospirose.

CONTROLE Estudos ecolgicos das populaes de ratos e controle de roedores infectados

PLANEJAMENTO E MONITORAMENTO DE PROGRAMAS DE CONTROLE DE DOENAS Conhecer o nvel de ocorrncia de doena em uma populao Fatores associados ocorrncia da doena Erradicao Estrutura necessrias para o controle da doena Custo-benefcio do programa de controle da doena Programas de Vigilncia Partculas de vrus carreadas pelo vento transmitem a enfermidade Novas estratgias de controle

Febre Aftosa epidemia 1967 e 1968 GrBretanha.

AVALIAO ECONMICA DOS EFEITOS DA DOENA E DE SEU CONTROLE

Queda severa de produtividade

15% vacas com mastite

Programa de controle para aumento da produtividade e reduo do prejuzo torna-se necessrio

O custo de reduo para nveis menores que 1% no representa um aumento considervel da produtividade

1% vacas com mastite

No justifica o gasto

MTODOS DE INVESTIGAO EPIDEMIOLGICA

DADOS

ESTABELECE-SE PREPOSIO MAIS GERAL

Pacientes portadores de uma mesma doena

Infere-se sobre a epidemiologia da respectiva doena

LGICA INDUTIVA

ESTUDOS DESCRITIVOS

ESTUDOS ANALTICOS Tem como objetivo investigar em profundidade a associao entre dois eventos, no intuito de estabelecer uma eventual relao observada entre eles. Ex: Pesquisa de associao entre colesterol srico e coronariopatia CAUSA EFEITO

Informam a frequencia e a distribuio de um evento. Tem como objetivo descrever epidemiologicamente os dados colhidos em uma populao.Ex: Prevalncia de AIDS em uma populao (estabelece-se a prevalncia nas faixas etrias)

Cuidado com as variveis extrnsecas!!!!

ESTUDOS EXPERIMENTAIS ou de interveno O investigador produz situaes artificiais para para pesquisar o tema em questo.

ESTUDOS NO EXPERIMENTAIS ou de observaoSo majoritrias na rea de sade referem-se pesquisas de situaes que ocorrem normalmente. Pesquisador observa as pessoas ou o grupo e compara suas caractersticas Ex: Estudo comparativo de incidncia de cardiopatias em indivduos vegetarianos e novegetarianos

Ex: Efeito das vacinas; eficcia de medicamentos; cirurgiasPesquisador consegue ter mais controle sobre as variveis extrnsecas.

ESTUDO EPIDEMIOLGICO DO VRUS DA RAIVA EM MAMFEROS SILVESTRES PROVENIENTES DE REA DE SOLTURA NO LITORAL NORTE DO ESTADO DE SO PAULO, BRASILARAUJO, D.B.1*; MEDINA, A.O.2;, CUNHA, E.M.S.3, FAVORETTO, S.R.1,DURIGON, E.L.1

Resumo A raiva uma enfermidade infecto-contagiosa de carter zoontico responsvel por milhares de mortes de seres humanos e animais em todo o mundo. A crescente importncia do ciclo silvestre torna de grande importncia o estudo da epidemiologia do vrus da raiva nessas espcies animais a fim de se determinar melhores estratgias de profilaxia e controle da enfermidade. O presente estudo pesquisou a ocorrncia do vrus da raiva em 27 amostras de tecido nervoso central provenientes de mamferos silvestres atravs das tcnicas de Imunofluorescncia Direta e Inoculao Intracerebral em Camundongos.

Componentes da Epidemiologia VeterinriaFontes de dados Coleta de dados

Avaliao qualitativaHistoria natura da doena Ecologia - transmisso e manuteno Fatores causais Hospedeiro, agente e meio ambiente Avaliao quantitativa Estudos e inquritos Estudos experimentais Ensaios clnicos, estudos de interveno Inquritos

Estudos observacionais Inquritos transversaisMonitoramento Vigilncia

Estudos Transversais e Longitudinais (Caso controle e Coorte

Teste de hiptese de causas

Avaliao Econmica

OBRIGADA!!!!