1. direito internacional pÚblico prof. ms. kleber stefano prof. ms. kleber stefano 2

29
1

Upload: internet

Post on 22-Apr-2015

116 views

Category:

Documents


0 download

TRANSCRIPT

Page 1: 1. DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO Prof. Ms. Kleber Stefano Prof. Ms. Kleber Stefano 2

1

Page 2: 1. DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO Prof. Ms. Kleber Stefano Prof. Ms. Kleber Stefano 2

2

DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO

Prof. Ms. Kleber Stefano

Page 3: 1. DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO Prof. Ms. Kleber Stefano Prof. Ms. Kleber Stefano 2

3

FUNDAMENTOS HISTÓRICOS

Page 4: 1. DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO Prof. Ms. Kleber Stefano Prof. Ms. Kleber Stefano 2

4

SOCIEDADE INTERNACIONAL

Já existia desde a mais remota antiguidade, quando os povos mantinham relações entre si, podendo-se afirmar que o direito internacional é tão antigo quanto a civilização em geral, posto que seja consequência necessária e inevitável de toda a civilização.

Page 5: 1. DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO Prof. Ms. Kleber Stefano Prof. Ms. Kleber Stefano 2

5

PAZ DE VESTFÁLIA (1648)

Corresponde a uma série de tratados que puseram fim a diversas guerras que duravam décadas no continente europeu.

Nestes tratados se reconhece a coexistência de várias unidades políticas sobre a base dos princípios da soberania e da igualdade.

Page 6: 1. DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO Prof. Ms. Kleber Stefano Prof. Ms. Kleber Stefano 2

6

A EUROPA DEPOIS DA ASSINATURADO TRATADO

Page 7: 1. DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO Prof. Ms. Kleber Stefano Prof. Ms. Kleber Stefano 2

7

TRATADO DE MÜNSTER em 1648Quadro de Gerard Terborch

Page 8: 1. DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO Prof. Ms. Kleber Stefano Prof. Ms. Kleber Stefano 2

8

PAZ DE VESTFÁLIA (1648)

ESTABELECEU O POSTULADO DA

SOBERANIA ENTRE OS ESTADOS

Page 9: 1. DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO Prof. Ms. Kleber Stefano Prof. Ms. Kleber Stefano 2

9

PAZ DE VESTFÁLIA (1648)

SURGIU A OBRIGAÇÃO DE NÃO INTERVENÇÃO EXTERNA

NOS ASSUNTOS INTERNOS

Page 10: 1. DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO Prof. Ms. Kleber Stefano Prof. Ms. Kleber Stefano 2

10

PAZ DE VESTFÁLIA (1648)

ASSEGUROU A IGUALDADE JURÍDICA ENTRE OS ESTADOS, POSICIONADOS EM MESMO

NÍVEL HIERÁRQUICO.

Page 11: 1. DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO Prof. Ms. Kleber Stefano Prof. Ms. Kleber Stefano 2

11

HUGO GROTIUS (1583-1645)

É o precursor, junto com Francisco de Vitória, do Direito Internacional. Grócio ajudou a formar o conceito de sociedade internacional, uma comunidade ligada pela noção de que Estados e seus governantes têm leis que se aplicam a eles. Todos os homens e as nações estão sujeitos ao Direito internacional e a comunidade internacional se mantém coesa por um acordos escritos e costumes.

Page 12: 1. DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO Prof. Ms. Kleber Stefano Prof. Ms. Kleber Stefano 2

12

HUGO GROTIUS (1583-1645)

Page 13: 1. DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO Prof. Ms. Kleber Stefano Prof. Ms. Kleber Stefano 2

13

SOCIEDADE INTERNACIONAL

Surge em um momento em que a coletividade independente com a organização política se relaciona, quando as relações entre as coletividades passam a ser mais ou menos contínuas. A sociedade internacional é uma estrutura que se apresenta a partir do relacionamento dos ATORES INTERNACIONAIS.

Page 14: 1. DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO Prof. Ms. Kleber Stefano Prof. Ms. Kleber Stefano 2

14

CONGRESSO DE VIENA (1815)

Conferência de grandes potências europeias para redesenhar o mapa político europeu após a derrota da França napoleônica. Proibição do tráfico negreiro; Liberdade de navegação pelos rios europeus; Classificação para agentes diplomáticos; Reconhecimento da Suíça como Estado neutro; Nova ordem política na Europa.

Page 15: 1. DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO Prof. Ms. Kleber Stefano Prof. Ms. Kleber Stefano 2

15

REPRESENTAÇÃO DO CONGRESSODE VIENA (1815).Quadro de Jean Baptiste Isabey (1819)

Page 16: 1. DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO Prof. Ms. Kleber Stefano Prof. Ms. Kleber Stefano 2

16

CRIAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS

Page 17: 1. DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO Prof. Ms. Kleber Stefano Prof. Ms. Kleber Stefano 2

17

CRIAÇÃO DA ONU (1945)

Fase de impulso do DIP com a Comissão de Direito Internacional da ONU (1947): Convenção das Relações Diplomáticas (1961); Convenção das Relações Consulares (1963); Direito dos Tratados (1969); Representação dos Estados em suas relações com

organizações internacionais (1975); Sucessão dos Estados em matéria de tratados

(1978);

Page 18: 1. DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO Prof. Ms. Kleber Stefano Prof. Ms. Kleber Stefano 2

18

CRIAÇÃO DA ONU (1945)

E ainda: Sucessão de Estados em matérias de dívidas

estatais e arquivos; Direito dos Tratados entre Estados e

Organizações Internacionais ou entre as Organizações Internacionais (1985);

Convenção sobre o Direito do Mar (1982); Estatuto de Roma e o TPI (1998).

Page 19: 1. DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO Prof. Ms. Kleber Stefano Prof. Ms. Kleber Stefano 2

19

SOCIEDADE INTERNACIONALCaracterísticas

Universal, a partir da Segunda Guerra Mundial; Aberta, já que não existe um número determinado de atores internacionais; Descentralizada, isto é, sem organização institucionalizada; Paritária, pois consagra a igualdade jurídica.

Page 20: 1. DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO Prof. Ms. Kleber Stefano Prof. Ms. Kleber Stefano 2

20

ATORES INTERNACIONAISPós-Segunda Guerra:

Estados Organizações Internacionais

Indivíduo Empresas Transnacionais

Santa Sé Beligerantes e Insurgentes ONGS, Cruz Vermelha etc.

Page 21: 1. DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO Prof. Ms. Kleber Stefano Prof. Ms. Kleber Stefano 2

21

ATORES INTERNACIONAISEstado – Sujeito de DIP

Titulares plenos do DIP, já que são destinatários das normas internacionais. Eles criam as normas e incorrem em responsabilidade internacional caso venham a descumpri-las. Podem até reclamar sua aplicação em Tribunais internacionais.

Page 22: 1. DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO Prof. Ms. Kleber Stefano Prof. Ms. Kleber Stefano 2

22

ATORES INTERNACIONAISOrganizações Internacionais

Entes formados por acordo de Estados, dotados de personalidade jurídica própria, como a ONU, OEA, Agência Internacional de Energia Atômica, a União Postal Universal, UIT.

Elas são criadas como resultado de um reconhecimento dos Estados quanto às dificuldades de diálogos nas tratativas problemas.

Page 23: 1. DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO Prof. Ms. Kleber Stefano Prof. Ms. Kleber Stefano 2

23

ATORES INTERNACIONAISPessoa Humana – Sujeito de DIP

Passa a ser reconhecido como sujeito depois da elaboração da Carta da ONU e sucessivos documentos internacionais produzidos para proteção da pessoa humana.

Temos aqui a internacionalização dos direitos humanos por conta das graves violações sofridas.

Page 24: 1. DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO Prof. Ms. Kleber Stefano Prof. Ms. Kleber Stefano 2

24

ATORES INTERNACIONAISSanta Sé – Sujeito de DIP

Sempre foi reconhecida no plano das relações internacionais.

Tratado de Latrão de 11.2.1929 reconhece a personalidade jurídica da Santa Sé, que terá representação diplomática, ativa e passiva, no mundo.

Constituição pelo Papa e a Cúria Romana.

Page 25: 1. DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO Prof. Ms. Kleber Stefano Prof. Ms. Kleber Stefano 2

25

ATORES INTERNACIONAISEmpresas Transnacionais

Empresas públicas transnacionais, constituídas por força de um tratado internacional, celebrado por vários Estados para realizar objetivos econômicos de interesse comum.

Empresas privadas de atividade transnacional são unidades econômicas de produção e comercialização cujo âmbito de atividade não está preso à fronteira nacional.

Page 26: 1. DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO Prof. Ms. Kleber Stefano Prof. Ms. Kleber Stefano 2

26

BELIGERANTES e INSURGENTES

Page 27: 1. DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO Prof. Ms. Kleber Stefano Prof. Ms. Kleber Stefano 2

27

ATORES INTERNACIONAISBeligerantes / Insurgentes

Beligerantes: revoltosos em uma guerra civil de grande intensidade que dominam parte do território estatal e apresentam um comandante responsável pelas operações militares.

Insurgentes: ocorre quando uma manifestação assume proporções de guerra civil sem, contudo, reconhecer o caráter jurídico desta, não caracterizando um estado de beligerância, mas também não sendo puro vandalismo.

Page 28: 1. DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO Prof. Ms. Kleber Stefano Prof. Ms. Kleber Stefano 2

28

ATORES INTERNACIONAISCruz Vermelha

Surge a partir dos escritos de Henri Dunant, 1859, em ‘Lembranças de Solferino’.

Em 1876 adota o nome de Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV).

Organização independente, imparcial e neutra que objetiva proteger a vida humana e levar assistência a todos que são vítimas de guerra e violência.

Page 29: 1. DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO Prof. Ms. Kleber Stefano Prof. Ms. Kleber Stefano 2

29

ATORES INTERNACIONAISONGs

Por regra são associações de particulares sem fins lucrativos que, não obstante possuírem personalidade jurídica de direito interno, se manifestam na sociedade internacional e gozam de status jurídico no direito internacional, participando de Conferências internacionais, prestando consultoria.

Exemplos: Green Peace e World Wild Fund. (WWF), Anistia e Transparência Internacional, FIFA