ge-05 como gerenciar pessoas

Download GE-05 Como Gerenciar Pessoas

Post on 08-Apr-2016

213 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

livro05_01-05 07.08.06 10:47 Page 2 livro05_01-05 07.08.06 10:47 Page 3 Recursos Humanos COLEÇÃO Eficiência e Sucesso para seus Negócios livro05_01-05 07.08.06 10:47 Page 2

TRANSCRIPT

  • livro05_01-05 07.08.06 10:47 Page 2

  • livro05_01-05 07.08.06 10:47 Page 3

  • Recursos Humanos

    COLEO

    GESTO EMPRESARIAL

    Eficincia e Sucesso para seus Negcios

    Como gerenciar pessoas

    livro05_01-05 07.08.06 10:47 Page 2

  • SUMRIO

    Apresentao ............................................................................. 5

    Captulo 1Ser humano no fcil .............................................................. 6

    Captulo 2De coisa a gente ...................................................................... 12

    Captulo 3Seleo de pessoas ................................................................. 34

    Captulo 4Como manter pessoas ............................................................. 62

    Captulo 5Como atrair pessoas ................................................................ 80

    Captulo 6Questes para reflexo ............................................................ 90

    Sobre o autor ........................................................................... 94Referncias .............................................................................. 95

    livro05_01-05 07.08.06 10:47 Page 3

  • Coleo Gesto EmpresarialComo motivar sua equipe Publicado

    Como garantir a eficincia Publicado

    Como deixar as contas em dia Publicado

    Como cuidar de seu dinheiro Publicado

    Como gerenciar pessoas Publicado

    Como vender seu peixe Prximo

    Como planejar o prximo passo A publicar

    Como entender o mercado A publicar

    Como usar a matemtica financeira A publicar

    Como ser um empreendedor de sucesso A publicar

    livro05_01-05 07.08.06 10:47 Page 4

  • APRESENTAO

    O que faz um funcionrio dar certo e encaixar como uma luva

    numa empresa? Qual a soluo para a rotatividade de pessoas?

    A satisfao e a motivao das pessoas extrapolam os limites

    da remunerao, e h muito o que voc pode fazer em vez de

    entregar tudo ao departamento de Recursos Humanos.

    Como gerenciar pessoas Recursos Humanos um livro

    que trata de relacionamentos humanos em ambiente de trabalho

    e aponta caminhos para seu pessoal ser mais feliz, o que se

    reverte em benefcios diversos para a prpria empresa.

    Tudo de uma forma clara, com uma linguagem simples e, ao

    mesmo tempo, envolvente.

    A Coleo Gesto Empresarial foi especialmente desenvolvida

    para auxili-lo a aprimorar a gesto de seus negcios. Elaborados

    e supervisionados por especialistas, os livros visam proporcionar

    conhecimento em Finanas, Contabilidade, Marketing, Recursos

    Humanos, Planejamento Estratgico e em muitos outros temas

    fundamentais para a administrao eficaz do negcio prprio.

    livro05_01-05 07.08.06 10:47 Page 5

  • SER HUMANO NO FCIL

    O que queremos para ns

    o mesmo que pedimos aos

    outros? Como competio

    e cooperao podem andar

    de mos dadas?

    1

    6

    Quando o que mais necessitamos

    de um bom par de braos e

    mos, temos de levar um humano

    cheio de vontades junto.

    (Frase atribuda a Henry Ford)

    Parece bem pouco inspirador

    comear um livro sobre Recursos

    Humanos, sobre pessoas, com uma

    citao como esta. Afinal, o que

    esperamos do trabalho muito

    mais do que sermos um bom par

    de braos e mos.

    Encaramos o trabalho como uma

    forma de auto-realizao, de

    desenvolvimento em toda plenitu-

    de de nosso potencial e de reforo

    auto-estima por intermdio de

    um bom salrio, que garanta a

    satisfao de nossas necessidades.

    Almejamos um bom ambiente, que

    nos d segurana e fortalea as

    relaes sociais. Desejamos, enfim,

    um trabalho em si dignificante,

    que valorize o que temos de

    melhor, que so nossos conheci-

    mentos, nossas habilidades, apti-

    des e responsabilidades.

    Tudo isso muito bom para o

    nosso trabalho. E quanto ao traba-

    lho dos outros? Ser que pensamos

    nas mesmas coisas com relao ao

    trabalho alheio? Ou ser que, por

    fim, concordamos com a citao?

    Tendemos a considerar tudo o que

    nos diz respeito mais importante

    do que o que diz respeito aos

    outros. Isso natural. Se no fosse,

    no estaramos aqui.

    livro05_06-11 25.07.06 18:11 Page 6

  • 7Ser natural no traz nenhum senti-

    do de julgamento nem de valor.

    Ser natural quer dizer apenas que

    de nossa natureza. No significa

    estar certo ou errado, ter moral ou

    no. Assim, a importncia que

    damos a nossos anseios em relao

    aos dos outros nosso egosmo

    explica-se porque, ao longo da his-

    tria evolutiva, essa caracterstica

    cumpriu papel importante.

    Imagine se, em algum lugar do

    passado longnquo, um ancestral

    seu ou meu tivesse escolhido o

    caminho do bom samaritano das

    cavernas, ficando sempre por lti-

    mo na coleta de frutas, na divi-

    so da caa ou, principalmente, na

    corte s mulheres. Muito provavel-

    mente, esse indivduo geraria pou-

    cos descendentes ou nenhum e um

    de ns dois no estaria aqui.

    Por outro lado, se esse mesmo

    ancestral tivesse decidido ser o

    ganancioso das cavernas, por

    sua inabilidade social e incapacida-

    de cooperativa, tambm, provavel-

    mente, no deixaria muitos

    descendentes.

    Competio e cooperao

    Somos animais sociais, vivemos

    em grupos, e aqueles que no

    se enquadram nas normas

    acabam isolados.

    Naturalmente sempre existiram

    conflitos nos grupos. Nunca foi

    fcil viver em sociedade. Equilibrar

    egosmo-competio e solidarieda-

    de-cooperao no tarefa sim-

    ples. Porm, como depois de tanto

    tempo ainda estamos aqui, pode-

    mos intuir que a cooperao tam-

    bm cumpriu seu papel. Somos

    todos competitivos, egostas, soli-

    drios e cooperativos por natureza

    em diferentes graus, claro.

    Se voc duvida, lembre-se da lti-

    ma reunio de condomnio ou de

    pais de alunos de que participou.

    Naturalmente sempre existiram conflitos nos grupos. Nunca foi fcil viverem sociedade. Equilibraregosmo-competio e solidariedade-cooperaono tarefa simples.

    livro05_06-11 25.07.06 18:11 Page 7

  • 8Devemos estar sempre cientes de que, ainda que o ser humano no seja fcil, na capacidade de lidar comnossos semelhantes quereside o segredo do sucessoou o fracasso de qualquerempreendimento.

    Ao trabalho!

    O trabalho no foi inventado

    ontem. Desde que o homem

    homem, j existia uma certa divi-

    so do trabalho que devia ser exe-

    cutado para a sobrevivncia dos

    membros de um grupo.

    No tempo dos caadores e coleto-

    res, as mulheres cuidavam das

    crianas enquanto os homens

    saam para a caa e a coleta. Os

    homens tambm se juntavam para

    defender seu grupo de ameaas de

    outros grupos ou para atac-los.

    Tudo isso ocorreu muito antes de

    existirem designaes como donas

    de casa, empregadas domsticas,

    agricultores ou exrcitos.

    Passamos de grupos para tribos,

    depois, para aldeias, em seguida,

    para pequenas cidades e para cida-

    des maiores, at que chegamos s

    metrpoles e megalpoles.

    Formamos estados e naes, ergue-

    mos monumentos, catedrais, arra-

    nha-cus, pirmides; guerreamos e

    devastamos o mundo em que vive-

    mos; voamos e viajamos ao espao;

    aumentamos drasticamente nossa

    Praticamente todas as reunies nas

    quais exista conflito entre o inte-

    resse individual e o coletivo e

    mesmo entre um indivduo e outro

    comeam com cada parte

    puxando a brasa para sua sardi-

    nha e, com um mnimo de bom

    senso, chegam ao final com algo

    que podemos chamar de acordo.

    No que tange ao trabalho, o cen-

    rio no diferente. A competio

    pelo fil mignon sempre foi

    muito maior do que pelo osso.

    Levar cada um a roer os ossos

    necessrios para fazer jus a uma

    distribuio justa do fil mignon

    o segredo do sucesso do trabalho

    em grupo.

    livro05_06-11 25.07.06 18:11 Page 8

  • 9expectativa de vida e deciframos o

    genoma humano; criamos

    empreendimentos planetrios,

    empresas maiores que estados.

    Tudo como fruto do trabalho que

    migrou de regimes de escravido

    para semi-escravido, que se trans-

    formou em jornadas de 16 horas

    dirias e sete dias por semana e

    evoluiu para jornadas de 8 horas de

    cinco a seis dias por semana, que

    partiu de salrios de fome at

    alcanar remuneraes mais dignas,

    e que engloba explorao de traba-

    lho infantil e aposentadorias muitas

    vezes inglrias. Em maior ou menor

    escala, ainda vivenciamos todas

    essas prticas, mesmo as considera-

    das primitivas e desumanas.

    Construmos e destrumos num

    equilbrio dinmico entre competi-

    o e cooperao, egosmo e

    altrusmo, eu e ns. Uma eter-

    na disputa por mais fil mignon

    e menos osso, pela parte que

    nos cabe nesse latifndio.1

    Empreitada humana

    Nosso objetivo neste livro no

    julgar os protagonistas dessa dis-

    puta ao longo da histria nem o

    que cabe ou deveria, em tese,

    caber a cada um.

    Particularmente o que nos interes-

    sa so as relaes de trabalho na

    empresa moderna. Como no resta

    dvida de que, em ltima instn-

    cia, as empresas so formadas por

    seres humanos, ns, como tais, car-

    regamos essas caractersticas de

    competitividade e cooperao.

    Portanto, Devemos estar sempre

    cientes de que, ainda