apostila introducao - ed.fisica

Click here to load reader

Post on 25-Dec-2015

42 views

Category:

Documents

15 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Esporte

TRANSCRIPT

  • APOSTILA

    PARTE 2

    INTRODUO

    A

    EDUCAO FSICA

    Profa. Rosely Conceio de OliveiraUNIPAC/GV. 2014

    Rua Manoel Byrro, 241|Vila Bretas \ Governador ValadaresMG \ Telefone: (33) 32126700 - www.unipacgv.com.br

    1

  • HISTRIA DO ESPORTE1- INTRODUO

    No de todo equivocada a afirmao de que o esporte um dos fenmenos mais expressivos do sculo XX ea prosseguir pelo sculo XXI. Sem dvida, o esporte faz hoje parte, de uma ou de outra forma, da vida da maioria das

    pessoas em todo o mundo. To rpida e to ferozmente quanto o capitalismo, o esporte expandiu-se a partir da Europa

    para o mundo todo e tornou-se a expresso hegemnica no mbito da cultura corporal de movimento. Hoje ele , em

    praticamente todas as sociedades, uma das prticas sociais de maior unanimidade quanto a sua legitimidade social. No

    entanto, em meio ao boom esportivo levantam-se algumas vozes, principalmente no meio acadmico, que expressam

    dvidas quanto aos valores humanos e sociais deste fenmeno.

    Serve o esporte como reforo hegemonia das classes dominantes, ou , antes, um espao de articulao de

    contra-hegemonia? ele reflexo das relaes sociais coisificadas, ou espao de auto-realizao criadora do indivduo?

    Controle e represso ertica do corpo, ou revalorizao da sensibilidade? Elemento da cultura industrial que transforma

    os indivduos em objetos consumidores, ou espao para a criao cultural? Deve-se festejar a ampliao da prtica e

    consumo do esporte como acesso a um importante produto social e, na tica liberal, encarar a cultura de massas como

    expresso da democracia cultural criada/propiciada pelos meios de comunicao, smbolos vivos da liberdade de

    pensamento e expresso, ou dela desconfiar, suspeitando da manipulao das necessidades, dos desejos, da

    subjetividade, enfim, do indivduo?

    inegvel o potencial de mobilizao que o esporte apresenta na contemporaneidade. No precisamos de muitoesforo para identificar que na sociedade atual, esta prtica corporal constitu-se como um espao social a mobilizar

    pessoas de diferentes etnias, gneros, idades, classes sociais, credos, possibilidades fsicas; sejam como praticantes ou

    espectadores. Os eventos esportivos so exemplares dessa afirmao; pois neles podemos visualizar uma espcie de

    expresso pblica de emoes socialmente consentidas: o frenesi, o congraamento, a rivalidade, a exploso em

    aplausos e lgrimas de sentimentos que fazem vibrar a alma dos sujeitos e das cidades no exato momento em que

    vivificam a tenso entre a liberao e o controle de emoes individuais.

    A passagem pelos primrdios das prticas esportivas nos faz possvel entender o porque do fenmenoesportivo

    ocupar to importante lugar entre os homens.

    O estudo das prticas Pr-esportivas e tradicionalmente esportivas, ainda muito desconhecidas, ao serem

    resgatadas, proporcionar a compreenso das lgicas esportivas anteriores e as mudanas por que passaram at deixar

    marcas profundas como o melhor meio de convivncia humana.

    A histria do Esporte consiste em uma trajetria de criaes, manifestaes estticas e ticas que remete

    afirmao de que o Esporte um fenmeno humano sociocultural incomparvel.

    Segundo Tubino (2008), O Esporte , ao longo da Histria , pode ser classificado em:

    Rua Manoel Byrro, 241|Vila Bretas \ Governador ValadaresMG \ Telefone: (33) 32126700 - www.unipacgv.com.br

    2

  • - Esporte Antigo

    - Esporte Moderno

    - Esporte Contemporneo.

    2-ESPORTE ANTIGO A origem do esporte, segundo Ueberhorst, justifica-se pela busca do conhecimento do homem sobre o prprio

    homem e tambm pelo questionamento sobre a importncia que o homem deu ao corpo.

    Carl Diem afirma que cada poca tem seu Esporte e a essncia de cada povo nele se reflete.

    Numa leitura pedaggica do Esporte Antigo, tomaremos como referncia o estudo apresentado por Tubino

    (Dicionrio Enciclopdico do Esporte/ 2008), que destaca pontos em comuns, identificados :

    a) O carter competitivo o componente psicossocial fundamental do Esporte;

    b) O Esporte precisa de uma viso interdisciplinar, para que continue na perspectiva do progresso do homem;

    c) O Esporte, por usar suas regras e cdigos, pressupe um autocontrole que um dos princpios bsicos da

    convivncia humana;

    Na Antiguidade, pode-se afirmar, NO ocorreram prticas esportivas como as atuais. O que de fato ocorreu,

    excetuando-se a Grcia, foram prticas pr-esportivas com carter utilitrio para a sobrevivncia, tais como: natao,corrida, caa, pesca, equitao, esgrima, arco e flecha e outros. A perspectiva das guerras tambm levava guerreiros a

    atividades esportivas como marchas, caminhadas, lutas e lanamentos, etc.

    Nesse efeito, Tubino divide o Esporte Antigo em:

    2.1 Prticas Pr-Esportivas Chinesas So registros remontados de 2.500 a.C. Muitas lutas marciais soregistradas na histria dos chineses, dentre elas o Kung-Fu. Praticavam tambm: Esgrima de sabre, boxe chins, tiro ao

    arco e o Tsu Chu ( jogo de bola com os ps).

    Segundo Penna Marinho, quando os sbios chineses conseguiram levar os chineses a uma filosofia de vida

    baseada na meditao, as atividades fsicas e prticas pr-esportivas comearam a declinar.

    2.2 Prticas Pr-Esportivas Japonesas Os japoneses, por sua configurao geogrfica, tiveram suas antigasatividades pr-esportivas, ligadas ao mar: natao, navegao e pesca.

    2.3 Prticas Pr-Esportivas Egpicias Suas atividades pr-esportivas foram registradas nos desenhos emtumbas e vasos: arco e flecha, corridas, saltos, arremessos, equitao, esgrima, luta, boxe, natao, corridas, ginstica

    acrobtica e jogos de bola.

    2.4 Prticas Pr-Esportivas Hititas Povo que habitavam a Mesopotmia ( atual Iraque), tinham suas aessempre montados em cavalos, o que permitiu que fossem colocados como participantes das atividades pr-esportivas da

    equitao. Tambm praticavam natao, remo, esgrima e luta.

    Rua Manoel Byrro, 241|Vila Bretas \ Governador ValadaresMG \ Telefone: (33) 32126700 - www.unipacgv.com.br

    3

  • . 2.5 Os Jogos Gregos Os Jogos Gregos eram festas populares, religiosas, nas quais tomavam parte umgrande nmero de cidades gregas. Realizavam-se sob a perspectiva do humanismo grego e muitas vezes

    acompanhavam cerimnias fnebres. Outros eram disputados em homenagem e honra a chefes e deuses, chegando a

    expressar ritos religiosos.

    Devido fragmentao poltica do territrio grego, ocorriam diversas guerras e disputas territoriais. Em funo

    destes conflitos, a organizao social das cidades gregas valorizava a militarizao, e em muitas delas o cidado era

    criado com o propsito de servir aos objetivos da sociedade e sua educao era voltada para a preparao militar.

    As atividades atlticas e ginsticas eram amplamente utilizadas neste contexto educacional. Como exemplo, na

    cidade estado de Esparta, o jovem espartano, dos 07 aos 21 anos, freqentava instituies escolares estatais cujo

    currculo valorizava predominantemente as prticas esportivas com fins militares.

    Dentre todos os Jogos disputados na Grcia Antiga, o mais importante foram os Jogos Olmpicos.

    2.5.1 Os Jogos Olmpicos - foram criados em 776 a.C, num tratado poltico de paz, assinado entre as principaiscidadesestado da Grcia; sendo proposta sua realizao na cidade de Olmpia a cada quatro anos, com objetivos de

    louvar a Zeus, a maior divindade da mitologia grega, e paralisar guerras, na proposio de celebrao da paz entre as

    cidades gregas.

    Assim durante doze sculos, numa periodicidade de 04 em 04 anos, imperou na Grcia uma trgua sagrada; as

    guerras cessavam, para que os gregos pudessem disputar e assistir os jogos sagrados de forma harmoniosa.

    Dentro de uma regulamentao precisa, os jogos eram dirigidos pelos helenices, magistrados de olhar certeiro,

    de conceito ilibado e de grande envergadura moral, cujas atribuies principais consistiam no treinamento de atletas, na

    Rua Manoel Byrro, 241|Vila Bretas \ Governador ValadaresMG \ Telefone: (33) 32126700 - www.unipacgv.com.br

    4

  • organizao das provas, no julgamento dos vencedores, no policiamento e administrao de Olmpia durante o perodo

    das competies. Eles inspiravam completa confiana quanto imparcialidade.

    Participar dos jogos constitua grande honra, pois o atleta ao se inscrever deveria satisfazer as seguintes

    exigncias: ser homem livre e de origem grega, ser filho legtimo, estar de posse de todos os direitos civis, noser culpado de irreverncia com a religio, de crime de morte, de falta com o Estado, inclusive impostos, multase no cumprimento do servio militar em poca de guerra. Ademais, ficava excludo todo aquele que houvesseperturbado a paz olmpica e deixado de pagar sanses olmpicas a ele atribudas. Tudo isso devia ser confirmado em

    juramento diante da esttua de Zeus.

    Os rbitros tambm eram submetidos a uma preparao tcnica, levando vida em comum com os atletas.

    Aprendiam a conhecer os competidores e estes seus futuros juzes.

    Prximo das competies os atletas eram transportados para Olmpia, onde se alojavam, sendo despedidos com

    as seguintes palavras: Para Olmpia! Ide ao estdio e mostrai-vos como homens capazes. Os competidores chegavam

    a Olmpia um ms antes do incio o