curso vigilancia epidemio

Download Curso vigilancia epidemio

Post on 15-Jan-2015

385 views

Category:

Government & Nonprofit

4 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

vigilancia epidemiológica

TRANSCRIPT

  • 1. MinistriodaSade Curso Bsico deVigilncia Epidemiolgica CBVE Braslia-DF 2005

2. CBVE Curso Bsico de Vigilncia Epidemiolgica Ministrio da Sade Secretaria de Vigilncia em Sade Braslia 2005 3. 2005. Ministrio da Sade. Os textos publicados so de responsabilidade dos autores. permitida a reproduo total ou parcial desta obra, desde que citada a fonte. Elaborao, edio e distribuio MINISTRIO DA SADE Secretaria de Vigilncia em Sade Organizao: Gerncia Tcnica de Doenas Emergentes e Reemergentes/Coordenao-Geral de Doenas Transmissveis Produo editorial do Curso Bsico de Vigilncia Epidemiolgica (CBVE) - SVS/MS Coordenao Geral Vera Lcia Gatts Coordenao Metodolgica Mrcia Benedita de Oliveira Colaboradores Alessandra Arajo Siqueira Marilda A. Kersul de Brito Milagres Ins Kazue Koizumi Elizabete Maira Nunes Luiza de Marilac Meireles Barbosa Mrcia Caraa Sara Maria Cavalcanti Barroso Ronaldo Trevisan Vera Lcia Gatts Endereo Esplanada dos Ministrios, Bloco G, Edifcio Sede, 1 andar CEP: 70058-900, Braslia - DF E-mail: svs@saude.gov.br Endereo eletrnico: www.saude.gov.br/svs Impresso no Brasil/ Printed in Brazil 4. CBVE - Curso Bsico de Vigilncia Epidemiolgica 3 Sumrio Mdulo I - A Construo da Vigilncia em Sade Objetivo Perodo Colonial - 1500 a 1822 Perodo do Brasil Imprio - 1822 a 1889 Perodo da RepblicaVelha - 1889 a 1930 EraVargas - 1930 a 1945 Perodo da Repblica Nova - 1930 a 1937 Perodo do Estado Novo - 1937 a 1945 Perodo Desenvolvimentista - 1945 a 1964 Perodo do Regime Militar - 1964 a 1985 Perodo da Nova Repblica - de 1985 aos dias de hoje Sistema nico de Sade (SUS) Referncias Bibliogrcas Mdulo II - Sistema Nacional de Vigilncia Epidemiolgica Objetivo Geral Objetivos Especcos 1.Conceitos e denies usualmente empregados pela Sade Coletiva 2.Atividades daVigilncia Epidemiolgica 3.Atribuies 4.Competncia dos diversos nveis do SNVE Referncias Bibliogrcas Mdulo III - Medidas em Sade Coletiva e Mtodo Epidemiolgico Objetivo Geral Objetivos Especcos I.Medidas em Sade Coletiva 1.Indicadores de mortalidade 2.Indicadores de morbidade 3.Cobertura vacinal II.Mtodo Epidemiolgico 1.Mtodo 2.Problema epidemiolgico 3.Quais as fontes geradoras de problemas? 4.Como pensamos epidemiologicamente? 5.Vericao da hiptese (anlise) Sumrio 5. Estudos Epidemiolgicos 1.Variveis epidemiolgicas 2.Formas de ocorrncias das doenas 3.Quanto ao tipo de epidemias ou surtos Construo deTabelas e Grcos 1.Tabela 2.Grcos Referncias Bibliogrcas Mdulo IV - Anlise da Situao de Sade Objetivo Geral Objetivo Especco 1.Proposta de avaliao na Regional de Quimeras 2.Equipamentos de sade 3.Conhecendo os indicadores socioeconmicos 4.Portais e as condies de saneamento 5.Indicadores de mortalidade 6.Indicadores de morbidade Referncias Bibliogrcas Mdulo V - Investigao de Surto Objetivo Geral Objetivos Especcos Arcos de Pedra Referncias Bibliogrcas 6. Apresentao O Curso Bsico de Vigilncia Epidemiolgica (CBVE), foi apresentado, em sua primeira verso, no ano de 1983. Considerado o primeiro material didtico com a nalidade especca de capacitar os prossionais de sade que atuavam no Sistema Nacional de Vigilncia Epidemiolgica (SNVE), teve ampla receptividade, foi avaliado e, posteriormente, utilizado em todo territrio nacional, tendo con- tribudo para a implantao e implementao do SNVE, institudo em 1975. Depois do desenvolvimento das atividades de descentralizao das aes de vigilncia e controle integradas ao Sistema nico de Sade (SUS), que trs, em sua concepo, um modelo articulado com outros setores sociais pblicos e privados, bem como com a sociedade civil, hoje, o grande desao alcanar os prossionais que desenvolvem essas aes,nos Municpios e nas unidades federadas,ou seja, em nvel local, regional e estadual. Dessa maneira, o processo de capacitao dos prossionais deve dar conta da complexidade da dinmica social e do avano tecnolgico. Considerando a dimenso dessa tarefa, bem como da diversidade das prticas existentes na sade coletiva, e da gama de prossionais envolvidos,busca-se,por meio dessa capacitao,circunscrever o seu objeto vigilncia epidemiolgica e aos prossionais de sade de nvel universitrio. Este material tem como: Objetivo geral Capacitar os prossionais universitrios que trabalham nas instncias municipal, estadual e fe- deral sobre os princpios bsicos do Sistema Nacional de Vigilncia Epidemiolgica (SNVE), visando implementao qualitativa da vigilncia epidemiolgica nos Municpios. Objetivos especcos Inserir o treinando no contexto das polticas sociais, com nfase na estrutura do Sistema Nacional de Vigilncia Epidemiolgica, uxos e funcionamento dos sistemas de informao, bem como na apresentao do papel e da responsabilidade das diferentes instncias. Atualizar, do ponto de vista conceitual e organizacional, as questes relativas vigilncia epidemiolgica. Instrumentalizar o aluno para atuar no SNVE. Operacionalizao do treinamento Para o desenvolvimento do treinamento, so utilizados um conjunto de cinco mdulos bsicos fundamentais para a capacitao de tcnicos da rea de vigilncia epidemiolgica. Esses mdulos compreendem: Mdulo I A Construo da Vigilncia em Sade Mdulo II Sistema Nacional de Vigilncia Epidemiolgica Mdulo III Medidas em Sade Coletiva e Mtodo Epidemiolgico Mdulo IV Anlise de Situao de Sade MduloV Investigao de Surtos Em sua terceira verso, o CBVE/2005 foi revisado e atualizado com base na segunda edio, pu- blicada em 1998. 7. Curso Bsico de Vigilncia Epidemiolgica - CBVE Consideraes O Curso Bsico em Vigilncia Epidemiolgica (CBVE) foi realizado, pela primeira vez, em se- tembro de 1986, fruto do trabalho de uma equipe interinstitucional e multiprossional. Desde ento, estima-se que mais de 5.000 treinandos tenham-se capacitado em todo pas. O CBVE congura-se como um conjunto de mdulos organizados e sistematizados a partir de um referencial que privilegia a Epidemiologia,enquanto rea de conhecimento,e o Mtodo Epidemiolgico, enquanto instrumental bsico para a investigao epidemiolgica. Entendendo a capacitao como estratgia pedaggica capaz de instrumentalizar para o trabalho, e, tambm, gerar uma atuao crtica e emancipadora, quando apoiada em pressupostos e objetivos bem denidos. O CBVE considera: Em relao aos conceitos que norteiam o processo de ensino-aprendizagem: um processo cognitivo que envolve estruturas mentais complexas, no sendo considerado, to-somente como resposta a um estmulo; um processo onde o aluno deve ser visto como sujeito e no como objeto; um processo contnuo e crescente a partir de experincias vivenciadas; um processo que, ocorre com mais facilidade se forem consideradas as condies internas dos alunos e criadas condies externas e ambientais favorveis; um processo que, quanto maior a interao entre educador e educando, maior o aproveitamento; um processo que requer contedos signicativos em suas diversas ordens, opondo-se aprendizagem de contedos irrelevantes; requer a estruturao lgica de seus componentes, que devem estar relacionados entre si; um processo que deve enfocar no somente os produtos, mas tambm e principalmente os processos; um processo que permita a resoluo de problemas pelos alunos, criando condies para uma maior autonomia intelectual e mudanas qualitativas na sua prtica. Em relao metodologia: Partindo do pressuposto de que a capacitao um momento de instrumentalizao e reexo, sua efetivao s se dar por um conjunto de atividades apoiados em um trip, formado por: capacitao continuada; superviso sistemtica; e (re) organizao institucional: Funcionando de forma articulada e contnua, compreendendo a vigilncia epidemiolgica como uma prtica informada pelo modelo epidemiolgico,o conhecimento aprofundado da epidemiologia,bem como da aplicao de seu mtodo, agregado ao instrumental de outras reas de conhecimento, de fundamental importncia. Em sendo o CBVE um material de natureza didtica que tem por misso capacitar os tcnicos de nvel universitrio a atuar no SNVE, em diferentes esferas de governo, exercer funes e papis de complexidade variada e executar atividades de carter preventivo e de controle de doenas, a sua or- ganizao interna busca uma convergncia entre: contedo o elemento que intermedia a relao professor-aluno e constitudo por um conjunto ordenado e sistematizado de conceitos, metodologias, diretrizes e normas; habilidade intelectiva a capacidade de detectar problemas, fazer diagnsticos, investigar, 8. analisar e propor formas de interveno; postura a forma de apreenso e concepo de fenmenos, objetos ou processos e a conseqente transformao da prtica; adequao das situaes do ensino-aprendizagem as situaes criadas pelas estratgias pedaggicas, intencionalmente, no sentido de alcanar os objetivos propostos. O contedo ser trabalhado pelas diversas estratgias pedaggicas, como: aula expositiva; proble- matizao de imagens; discusso de vdeos; leitura e interpretao de textos de situaes problemas. O monitor capacitado a imprimir uma dinmica problematizadora que propicie a reexo,a investigao e a anlise das situaes apresentadas, tem como eixo norteador o contedo tcnico, o conhecimento acumulado do aluno e a sua prpria experincia e vivncia no SNVE. Isso pressupe uma disposio necessria para que os objetivos sejam alcanados. Em relao aos objetivos: Geral Capacitar e instrumentalizar os prossionais universitrios que trabalham na instncia municipal e estadual do SVE, visando a uma implementao qualitativa no processo de municipalizao das aes de Vigilncia Epidemiolgica. Especcos Inserir o treinando no contexto das polticas sociais e de sade, com nfase nos pressupostos do SUS e da Norma Operacional Bsica (NOB/1996). Contribuir para a implementao da proposta de municipalizao das aes de vigilncia epidemiolgica. Atualizar, do ponto de vista conceitual e organizacional, as questes relativas Vigilncia Epidemiolgica. Situar o aluno na estrutura do SVE, no funcionamento dos sistemas de informao, bem como no papel e responsabilidade das diferentes instncias; Instrumentalizar para a atuao no Sistema Nacional