mudanÇa de sistema de produÇÃo agrÍcola atravÉs da .fazendo rotação de culturas e...

Download MUDANÇA DE SISTEMA DE PRODUÇÃO AGRÍCOLA ATRAVÉS DA .fazendo rotação de culturas e integrando-as

If you can't read please download the document

Post on 26-Nov-2018

212 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • MUDANA DE SISTEMA DE PRODUO AGRCOLA ATRAVS DA

    ADOO DE CONCEITOS AGROECOLGICOS: A EXPERINCIA

    DO STIO DUAS CACHOEIRAS*

    Feni Dalano Roosevelt Agostinho ; Guaraci Diniz ; Enrique Ortega Rodriguez ; Alexandre Monteiro Souza

    Laboratrio de Engenharia Ecolgica e Informtica Aplicada (LEIA) FEA - UNICAMP - feni@fea.unicamp.br

    Stio Duas Cachoeiras www.sitioduascachoeiras.com.br

    INTRODUO

    Este trabalho relata a experincia vivida por Guaraci M. Diniz Jr. no Stio Duas

    Cachoeiras. O stio, que possui 29,7 ha, est localizado nos contrafortes a oeste da Serra

    da Mantiqueira do municpio de Amparo, Estado de So Paulo (Figura 1).

    DESENVOLVIMENTO

    Este trabalho relata a experincia vivida no Stio Duas Cachoeiras, que passou de uma

    unidade de produo convencional para um sistema agroecolgico**. O gerenciamento in

    situ desenvolvido na propriedade, aps o ano de 1985 com a adoo de conceitos

    agroecolgicos, foi: (a) para a manuteno da qualidade da gua, o solo sofreu uma

    modificao em relao ao uso, ou seja, os pastos foram locados para reas abaixo das

    nascentes para evitar contaminao e ainda foram cedidas reas para recuperao da

    vegetao nativa; (b) as opes para a nova ocupao do solo seguiram aspectos

    bsicos, onde as reas em torno das nascentes, rios e com grandes declividades foram

    preservadas e destinadas recuperao florestal. As reas de topografia menos

    acidentadas foram ocupadas com plantios de culturas anuais e perenes para a produo

    de alimentos, e todas foram manejadas com prticas de conservao do solo (rotao de

    culturas, plantio em nvel, adubao verde, reciclagem interna de nutrientes atravs de

    cobertura morta e diversificao de produtos), sem insumos externos e sintticos como

    adubos qumicos e agrotxicos. O consorciamento e rotao de culturas foi realizado

    conforme as condies do solo, do micro-clima, acompanhando ainda os diferentes

    estgios de recuperao do solo e as necessidades de suprir a alimentao familiar. Para

    isso, foi utilizado inicialmente, um coquetel de adubao verde com sementes de feijo-

    de-porco, crotalria, feijo guand, mamona, milho verde e abboras, alternando com a

    rotao de culturas anuais consorciadas, como: milho com girassol, abbora e feijo;

    arroz com calopognio e sorgo vassoreiro; mandioca com batata-doce e feijo de porco;

    cana com guand e mandioca; (c) a criao de animais passou a ser integrada com o

    sistema de produo de alimentos, gerando adubo orgnico para todas as reas de

    plantio. O manejo das reas de pastagens foi realizado de maneira rotativa. Conforme o

    aprendizado foi se desenvolvendo, as interaes com o ecossistema local se

    harmonizaram, e vrias outras frentes de trabalho foram sendo aproveitadas, como: (a)

    apirio com abelhas apis mellifera e abelhas indgenas (melipolineos), para produzir mel,

    cera e prpolis, alm de proporcionar a manuteno e ampliao do trabalho de

    polinizao; (b) medicamentos extrados das reas de mata, como: guaatonga,

    tanchagem, bauhinia forficata (pata-de-vaca), assa-peixe, alecrim-do-campo, anileira,

    capixingui, crton urucurana (sangra-d`gua) e solidago microglossa; (c) a biodiversidade

    na produo e reas de mata para controlar naturalmente pragas e fungos; (d) o uso de

    energias renovveis, como a solar para a conservao de alimentos (secador solar) e a

    energia hidroeltrica e solar (fotovoltaica) para produo e manuteno das reas

    construdas; (e) a reciclagem da matria orgnica domstica para a produo de

    composto orgnico como adubo; (f) o uso de biomassa para integrao da produo

    vegetal e animal, como: cobertura morta de capim roado nos campos de cultivo; capim

    picado para cobertura de canteiros e rvores dos pomares; capim picado com esterco da

    cama animal, compostado, para ser usado nas reas de culturas anuais; (g) atualmente

    esto sendo implantados sistemas agroflorestais em uma rea de 4 ha, proporcionando

    um perfeito equilbrio entre a recuperao florestal das reas, a produo de alimentos e

    medicamentos junto com a preservao da fauna silvestre. Durante todo o processo de

    aprendizagem sobre como produzir de maneira sustentvel, Guaraci M. Diniz Jr. procurou

    estimular o pensamento crtico junto ao sistema de educao formal e no formal, atravs

    da demonstrao prtica das prprias atividades. Parafraseando Gotsch (1996)

    precisamos ter mais cultura na agricultura e no s produtividade, pois nela temos a

    essncia da vida.

    LEIA

    Surgiu em 1973, possuindo uma rea de 16,14 ha (somente em 1998 foram somados

    13,56 ha de uma rea vizinha), em um local onde h cerca de 200 anos tinha-se como

    bioma a mata atlntica de altitude. At 1980, o stio produzia caf como produto

    secundrio e gado leiteiro como primrio, onde o caseiro era responsvel pelo

    gerenciamento. A partir de 1985, Guaraci deixa a cidade para residir no stio. Sem

    experincia anterior como produtor agrcola, comeou a identificar as principais

    necessidades do local e buscar solues. Nesta busca, comeou a se deparar com a falta

    de informaes tcnicas sobre importantes temas, como gua e solo. Considerando a

    falta de recursos financeiros para a manuteno das necessidades bsicas de sua famlia,

    a opo foi a de no gerar despesas, mas sim aproveitar os recursos naturais disponveis

    que havia ou que se poderia ter dentro da propriedade. Dessa forma, comeou a aprender

    a se relacionar com a diversidade do ecossistema local e seus diferentes potenciais, que

    poderiam suprir suas necessidades bsicas. Sem ter conhecimento da cincia

    agroecologia, estava manejando o stio de acordo com os preceitos da mesma, ou seja,

    recuperando e preservando o solo, a gua e a biodiversidade, diversificando culturas,

    fazendo rotao de culturas e integrando-as com produo animal, aproveitando os

    processos biolgicos, fazendo economia dos insumos, cuidando da sade dos

    trabalhadores e produzindo alimentos com qualidade.

    * Parte do trabalho de mestrado do primeiro autor. O trabalho completo pode ser acessado em:

    http://www.fea.unicamp.br/alimentarium

    ** Neste trabalho, o termo sistema agroecolgico ser utilizado para caracterizar o modelo de produo

    agrcola adotado pelo Stio Duas Cachoeiras aps o ano de 1985.

    Figura 1 Localizao Stio Duas Cachoeiras (DC) no

    Municpio de Amparo - SP.

    AVALIAO DA SUSTENTABILIDADE

    Figura 10 Mapa de uso e ocupao do solo

    do Stio Duas Cachoeiras. Ano base: 1980.

    Figura 11 Mapa de uso e ocupao do solo

    do Stio Duas Cachoeiras. Ano base: 1990.

    Figura 12 Mapa de uso e ocupao do solo

    do Stio Duas Cachoeiras. Ano base: 2003.

    Nas Figuras 10 a 12 abaixo, verifica-se a mudana de uso e ocupao do solo do Stio Duas Cachoeiras: at 1985 produzia de maneira

    convencional, depois desse ano, passou a utilizar conceitos de agroecologia na propriedade.

    1

    2

    3

    Figura 13 Imagem tridimensional do Stio

    Duas Cachoeiras. Os pontos 1, 2 e 3,

    representam os impactos negativos recebidos

    pelo stio. Observao: as reas que no

    contm curvas de nvel devem ser

    desconsideradas.

    Figura 14 Externalidade

    negativa. Ponto 1 da Figura 13.

    Figura 14 Externalidade

    negativa. Ponto 2 da Figura 13.

    Figura 14 Externalidade

    negativa. Ponto 3 da Figura 13.

    Na Figura 13 abaixo, tem-se nos pontos 1, 2 e 3, as externalidades negativas que o Stio Duas Cachoeiras recebe de reas externas propriedade:

    (a) No ponto 1 (Figura 14), tem-se um produtor rural que retirou toda a vegetao de reas altamente declivosas para utilizar como pasto. Isso est

    prejudicando o crrego que faz limite entre as duas propriedades;

    (b) No ponto 2 (Figura 14), a propriedade vizinha produz tomate de maneira convencional, com excesso de agroqumico, isso poder prejudicar a

    qualidade da gua da nascente que fica prximo esse local;

    (c) No ponto 3 (Figura 14), foram utilizadas tcnicas incorretas da construo da estrada vicinal municipal, pois toda a gua que desce pelos canais

    laterais da estrada, entram com grande energia cintica na propriedade, levando eroso do solo.

    Propriedades que utilizam conceitos de agroecologia, possuem grande

    estabilidade presses externas.

    Para avaliar a sustentabilidade do sistema, foram realizadas: (a) avaliaes emergticas (com m; metodologia desenvolvida por Odum (1996)) para

    os anos de 1980, 1990 e 2003; (b) confeco de mapas de uso e ocupao do solo para os mesmos anos; (c) calculada a rentabilidade econmica;

    (d) estimada a quantidade de gua da chuva que infiltrada no solo; (e) citados projetos relacionados ao desenvolvimento sustentvel em que o Stio

    Duas Cachoeiras est envolvido. Parte destes resultados integra o trabalho desenvolvido por Agostinho (2005), e que pode ser visualizado

    integralmente em http://www.fea.unicamp.br/alimentarium. Em todos os indicadores (numricos e visuais), o sistema agroecolgico obteve excelente

    performance, atingindo 75% de sustentabilidade calculado pela anlise emergtica. A rentabilidade econmica obtida pelo stio foi de 1,93 (para cada

    $1 investido tem-se um retorno de $1,93). Em relao gua infiltrada, estimou-se que no sistema agroecolgico estudado, o volume chega a 74,2

    milhes de litros por ano. O trabalho educacional desenvolvido no Stio Duas Cachoeiras frutificou no projeto Educao & Agricultura que rene

    durante o ano, em mdia, 2500 alunos com idade de 04 a 17 anos, 500 alunos do ensino nvel superior e 100 alunos em cursos abertos ao pblico

    di