fazendo 38

Download fazendo 38

Post on 12-Mar-2016

215 views

Category:

Documents

0 download

Embed Size (px)

DESCRIPTION

boletim do que por cá se faz

TRANSCRIPT

  • FAZENDO6 de Maio 2010 | Quinta | Edio # 38 | Quinzenal | Agenda Cultural Faialense | Distribuio Gratuita

    boletim do que por c se faz

    Bem-vindo ao Zoo. Que animal s tu?

  • Opinio

    Sexta, 7 de Maio - Palestras | Auditrio ESMA | 21h

    A Instruo Pblica na Cidade da Horta entre a

    Monarquia e a Repblica (1853-1918)

    Mestre Carlos Lobo

    Sbado, 8 de Maio - Palestras | Sala 204 | ESMA | 21h

    A inovao curricular possvel? Doutor Francisco Sousa

    A investigao-aco como estratgia de inovao curricular Mestre

    Francisco Valado

    Segunda 10 Maio - Apresentaes rea Projecto 12 ano (AP)

    Viagem Ilha (des)conhecida - Ctia Cunha, Pedro Lima e Susana

    Pereira

    Projeco dos episdios Faial e Pico do documentrio As Ilhas

    Desconhecidas de Vicente Jorge Silva

    Auditrio da ESMA | 21h (ver pag. 4)

    Tera 11 de Maio - Projeco

    Episdios So Jorge, Terceira e So Miguel do documentrio As Ilhas

    (Des)conhecidas da autoria de Vicente Jorge Silva

    Palestra sobre o documentrio As Ilhas (Des)conhecidas

    com o Realizador de Cinema Vicente Jorge Silva

    Auditrio da ESMA | 21h (ver pag. 4)

    Quarta 19 de Maio - Apres. AP | Auditrio da ESMA | 21h

    Faial: Uma Natureza para Todos - Ctia Escobar, Margarida Pinheiro

    e Dalila Bettencourt

    Um Stio para Pousar - Nelson Silva e Vanessa Bettencourt

    A Influncia da Internet na Vida dos Jovens - Marcelo Figueiras e

    Maria Monteiro

    Moda Artesanal - Glria Rodrigues, Rosana Lavado e Susana Cardoso

    Quinta 20 de Maio - Apres. AP | Auditrio da ESMA | 21h

    Cincia Forense - Gonalo Contente, Helena Sequeira, Vera Correia

    Evoluo Cronolgica das Espcies Marinhas - Joana Correia e

    Natacha Serpa

    Biodiesel na ESMA - Mnica Alberto e Paula Dias

    A Falncia das Empresas - Alexandra Arajo, Ivo Xavier, Orlanda

    Simas e Susana Duarte

    Sexta 21 de Maio - Apres. AP | Auditrio da ESMA | 21h

    Buggy - Paulo Luna

    Agricultura Biolgica e Convencional Ana Santos, Joana Armindo e

    Patrcia Pimentel

    De 4.20 pelos Mares dos Aores - Joo Morais

    A gua - Ctia Jorge, Joo Gonalves e Joo Nascimento

    Sbado 22 Maio - Apres. AP | Auditrio da ESMA | 21h

    Deixas-te Influenciar? - Andreia Silveira e Renata Rodrigues

    Painis - Tema Eu Aluno - Guilherme Soares,

    Patrcia Cardal, Pedro Valim, Ricardo Goulart e Sofia Frazo

    Sesso de Encerramento - Pr. Eugnio Leal

    Opinio

    02

    ficha tcnica - fazendo - isento de registo na erc ao abrigo da lei de imprensa 2/99 de 13 de janeiro, art. 9, n 2 - direco geral: jcome armas - direco editorial: pedro lucas - coordenadores temticos: catarina azevedo, lus

    menezes, lus pereira, pedro gaspar, ricardo serro, rosa dart - colaboradores: ana correia, esma, fernando nunes, jorge costa pereira, pedro rosa, parque natural do faial, sara soares, toms silva - projecto grfico e paginao:

    paulo neves, elcubu, contact@elcubu.com - capa: mark faria - propriedade: associao cultural fazendo - sede: rua rogrio gonalves, n 18, 9900 horta - periodicidade: quinzenal - tiragem: 400 exemplares - impresso: grfica o

    telgrapho - contactos: vai.sefazendo@gmail.com, http://fazendofazendo.blogspot.com - distribuio gratuita

    Foi j no longnquo ano de 1991, e na qualidade de Director da extinta Casa de Cultura da Horta, que tive a

    honra de dar os primeiros passos, logo apoiados pela direco

    do Ncleo Cultural da Horta, para, em parceria, lanarmos

    um colquio dedicado investigao histrica sobre os

    Aores. No se pretendia organizar mais um evento que

    concorresse com outros que at ento se promoviam, mas,

    antes, dar corpo a um projecto que essencialmente

    contribusse para estimular a investigao, o debate e a

    divulgao de temas de natureza histrica que incidissem,

    essencialmente, sobre as ilhas de Santa Maria, Graciosa, S.

    Jorge, Pico, Faial, Flores e Corvo, aquelas que, por serem

    mais perifricas no longo processo da Histria dos Aores,

    tinham (e tm) sido objecto de menos estudos.

    Pela mo da Casa de Cultura da Horta e do Ncleo Cultural da

    Horta nasceu assim o Colquio O Faial e a Periferia Aoriana

    nos sculos XV a XX, cuja primeira edio teve lugar nas

    ilhas do Faial e do Pico em 1993.

    O sucesso do Colquio e a oportunidade e especificidade da

    sua temtica exigiram a sua continuidade. Em 1997, realizou-

    V COLQUIOCrnica

    O FAIAL E A PERIFERIAAORIANA NOS SCULOSXV A XXJorge Costa Pereira

    Encontros FilosficosEscola Secundria Manuel de Arriaga

    ProgramaQuarta 12 de Maio - Apres. AP | Auditrio da ESMA | 21h

    Captao de Energia Janite Parmanande, Tiago Furtado, Tiago Joo

    Sabemos o que Comemos? - Diogo Matos e Vanessa Romeiro

    Psicologia da Escrita - Andr Ferreira, Marco Garcia e Vtor Resende

    Sexta 14 de Maio

    COMEMORAES DO DIA DA ESCOLA SECUNDRIA MANUEL DE ARRIAGA

    INAUGURAO DA EXPOSIO - Das 8:30 s 16:30 Take 2 - dos

    alunos do Curso de Artes Visuais do Ensino Secundrio

    Biblioteca Pblica | 16h30

    Segunda 17 de Maio - Apres. AP | Auditrio da ESMA | 21h

    Projecto Robtica - Hugo Sousa e Tiago Oliveira

    A Pastilha Elstica - Joana Bulco, Maria Menezes e Sofia Fontes

    Uma Brisa de Energia - Catarina Sousa, Daniel Rafael e Tiago

    Andrade

    A Vida numa Tela Branca - Paulo Pinheiro, Samuel Morison e Tiago

    Cheira

    Tera 18 de Maio - Apres. AP | Auditrio da ESMA | 21h

    O Segredo da Mente Um Filme Pedaggico.- Marcos Romeiro e

    Ndia Cabral

    Roteiro do Artesanato Faialense - Marta Duarte

    Uma Viagem ao Mundo Erasmus - Pedro Silva e Sofia Rocha

    Um Olhar sobre a Educao - Anasa Leal e Nicole Goulart

    -se nas ilhas do Faial e de S. Jorge; em 2002, nas ilhas do

    Faial e das Flores e em 2006 no Faial e no Pico.

    Assim, a quinta edio do Colquio ter lugar novamente nas

    ilhas do Faial e de S. Jorge, de 17 a 20 de Maio prximo.

    Em relao s primeiras edies, permanece na organizao

    o Ncleo Cultural da Horta e ao projecto agregaram-se, desde

    h duas edies, a Cmara Municipal da Horta e a

    Coordenao no Faial da Direco Regional da Cultura, numa

    feliz cooperao que viabiliza a iniciativa. Este ano, foram

    tambm decisivos os contributos do Centro de Histria de

    Alm-Mar (CHAM) e da Santa Casa da Misericrdia das Velas,

    que lidera a organizao do evento em S. Jorge.

    Esto inscritos na edio deste ano do Colquio, quarenta e

    cinco conferencistas que abordaro as seguintes temticas: A

    Repblica e o governo das ilhas (1910-2010); As dinmicas do

    povoamento e a criao dos municpios: no V centenrio do

    concelho do Topo S. Jorge (1510-2010); Sociedade,

    Comportamentos e Quotidianos; Agricultura, Comrcio e

    Indstria; Populao, Emigrao e Dispora; Religio, Poderes

    e Instituies; Cultura, Artes e Patrimnio.

    O Colquio ter lugar a 17 e 18 de Maio na Sala de

    Conferncias do Hotel Fayal e a 19 e 20 em S. Jorge, nas

    Velas e no Topo, sendo as sesses abertas a todos os que nelas

    queiram participar.

    A Conferncia de Abertura do Colquio ser proferida pelo

    Prof. Dr. Srgio Campos de Matos e intitula-se Manuel de

    Arriaga e o republicanismo, antes e depois do 5 de Outubro,

    enquanto a Conferncia de Encerramento caber ao Prof. Dr.

    Avelino Meneses, e intitula-se A extenso do povoamento e

    a criao dos municpios.

    Ao fim deste percurso, sinto, com orgulho, que o Colquio O

    Faial e a Periferia Aoriana nos Sculos XV a XX conseguiu

    regularidade, conseguiu firmar a sua identidade, conseguir

    manter a sua especificidade e conseguiu ver as suas Actas

    (com os textos das comunicaes) publicadas e disposio

    de todos os interessados.

    Por isso, esto de parabns as entidades que suportam e

    viabilizam este evento: o Colquio O Faial e a Periferia

    Aoriana nos sculos XV a XX bem merecedor desse

    apoio.O

  • MsicaTupi or not tupi, eis a questo

    festival Isle of Wight the 1970) e no regresso os elementos

    que antes caracterizavam a sua msica so cada vez mais

    escassos. De destacar uma verso experimental de Veloso ao

    tema Asa Branca de uma das figuras mais importantes no

    imaginrio musical dos tropicalistas: o nordestino Lus

    Gonzaga.

    Todos os msicos do movimento seguiram carreiras de grande

    sucesso, mais ou menos separadas, com excepo dos

    Mutantes e Tom Z cujos percursos seguiram mais ou menos

    em modo fade out at ao final da dcada de 70, os

    primeiros aps vrias alteraes na sua formao original e o

    segundo entrando cada vez mais pelos caminhos do

    experimentalismo e da msica tradicional. No entanto ambos

    foram ressuscitados e tm hoje um sucesso a nvel global

    que nunca tiveram ento. Z foi descoberto por David Byrne

    no final da dcada de 80 e desde a tem editado na editora

    do ex-Talking Head e tocado um pouco por todo o mundo. Os

    Mutantes reuniram-se mais recentemente (2006) e notvel

    o estatuto que adquiriram dentro do mundo da msica indie

    norte-americana: editaram em 2009 pela ANTI (a editora de

    Tom Waits) e so cabeas de cartaz nos principais festivais

    daquele pas e no s.

    parte da sua curta durao, o movimento tropicalista,

    levado a cabo por um punhado de artistas, surgiu como uma

    exploso de criatividade e um desafio aos comportamentos e

    mentalidades da poca e foi capaz de causar tanto venerao

    como repdia por parte de pblico e artistas. Aparececendo

    quase como um acto isolado e manifestamente como uma

    forma de contra-cultura, foi capaz de reverberar