lei orgânica do município de cláudio

of 58 /58
LEI ORGÂNICA DO MUNICÍPIO DE CLÁUDIO 1 Lei Orgânica do Município de Cláudio Preâmbulo Nós, representantes do Povo de Cláudio, investidos, pela Constituição da República na atribuição de consolidar ordem municipal jurídica autônoma que, consentânea com as necessidades dos Claudienses, descentralize o Poder e assegure a todos o direito à cidadania plena, à dignidade e à boa qualidade de vida, numa sociedade fraterna, democrática, pluralista e sem preconceitos, baseada na justiça social, promulgamos, sob a proteção de Deus, a seguinte Lei Orgânica:

Author: truonganh

Post on 07-Jan-2017

216 views

Category:

Documents


0 download

Embed Size (px)

TRANSCRIPT

  • LEI ORGNICA DO MUNICPIO DE CLUDIO

    1

    Lei Orgnica

    do

    Municpio de Cludio

    Prembulo

    Ns, representantes do Povo de Cludio, investidos, pela Constituio da Repblica na atribuio de consolidar ordem municipal jurdica autnoma que, consentnea com as necessidades dos Claudienses, descentralize o Poder e assegure a todos o direito cidadania plena, dignidade e boa qualidade de vida, numa sociedade fraterna, democrtica, pluralista e sem preconceitos, baseada na justia social, promulgamos, sob a proteo de Deus, a seguinte Lei Orgnica:

  • LEI ORGNICA DO MUNICPIO DE CLUDIO

    2

    NDICE SISTEMTICO

    TTULO I

    DISPOSIES PRELIMINARES

    Arts. 1 a 4 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 04

    TTULO II

    DOS DIREITOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS

    Art. 5 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 04

    TTULO III

    DA COMPETNCIA DO MUNICPIO

    Captulo I - Da competncia comum - art. 6 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 05

    Captulo II - Da competncia privativa art. 7 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 05

    Captulo III - Das vedaes - art. 8 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 06

    TTULO IV

    DA ORGANIZAO DOS PODERES DO MUNICPIO

    Captulo I - Disposio geral - art. 9 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 06

    Captulo II - Do Poder Legislativo - arts. 10 a 42 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 07

    Seo I Da Cmara Municipal - arts. 10 a 14 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 07

    Seo II - Do funcionamento da Cmara - arts. 15 a 18 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 08

    Seo III - Das atribuies da Cmara Municipal - arts. 19 a 20 . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10

    Seo IV - Dos vereadores arts. 21 a 25 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12

    Seo V - Do processo legislativo - arts. 26 a 37 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14

    Seo VI - Da fiscalizao e dos controles - arts. 38 a 42 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16

    Captulo III - Do Poder Executivo - arts. 43 a 62 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18

    Seo I Do Prefeito e do Vice-Prefeito - arts. 43 a 50 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18

    Seo II - Das atribuies do Prefeito - arts. 51 a 52 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19

    Seo III - Da perda e extino do mandato - arts. 53 a 56 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21

    Seo IV - Dos auxiliares diretos do Prefeito - arts. 57 a 62 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22

    TTULO V

    DAS FINANAS PBLICAS

    Captulo I - Da atribuio - arts. 63 a 65 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23

    Seo I - Dos tributos municipais - arts. 63 a 64 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23

    Seo II - Das limitaes ao poder de tributar - art. 65 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24

    Captulo II - Da receita e da despesa arts. 66 a 73 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25

    Captulo III - Do oramento - arts. 74 a 87 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26

    TTULO VI

    DA ORGANIZAO ADMINISTRATIVA MUNICIPAL

    Captulo I - Da estrutura administrativa - art. 88 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29

    Captulo II - Dos atos municipais - arts. 89 a 93 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29

    Seo I Da publicidade dos atos municipais - arts. 89 a 90 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29

    Seo II - Dos livros - art. 91 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29

  • LEI ORGNICA DO MUNICPIO DE CLUDIO

    3

    Seo III - Dos atos administrativos - art. 92 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30

    Seo IV - Das certides - art. 93 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30

    Captulo III - Dos bens municipais - arts. 94 a 104 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31

    Captulo IV - Das obras e servios municipais - arts. 105 a 109 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32

    Captulo V - Da administrao pblica - arts. 110 a 111 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33

    Captulo VI - Dos servidores pblicos - arts. 112 a 117 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35

    Captulo VI - Da guarda municipal - arts. 118 a 119 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37

    TTULO VII

    DA ORDEM ECONMICA E SOCIAL

    Captulo I - Disposies gerais - arts. 120 a 125 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37

    Captulo II - Da previdncia e assistncia social - arts. 127 a 129 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38

    Captulo III - Da sade - arts. 130 a 139 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38

    Captulo IV - Do saneamento bsico arts. 140 a 141 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40

    Captulo V - Da famlia - arts. 142 a 143 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41

    Captulo VI - Da cultura, da cincia e tecnologia - art. 144 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42

    Captulo VII - Do desporto e do lazer arts. 145 a 147 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43

    Captulo VIII - Do turismo - art. 148 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43

    Captulo IX - Da educao - arts. 149 a 159 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43

    Captulo X - Do meio ambiente - arts. 160 a 161 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45

    Captulo XI - Da poltica urbana - arts. 162 a 165 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46

    Captulo XII - Da poltica rural - arts. 166 a 168 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47

    TTULO VIII

    DISPOSIES GERAIS

    Arts. 169 a 173 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47

    Ato das disposies transitrias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48

    EMENDAS

    01, de 14/10/97 - D Nova Redao ao 4 do art. 65 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

    02, de 22/09/98 - D Nova redao ao caput do artigo 15 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

    03, de 15/11/00 - D nova redao ao caput do artigo 15 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

    04, de 20/12/00 - Dispe sobre alteraes na LOM . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

    05, de 12/12/02 - D nova redao ao caput do artigo 15 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

    06, de 14/06/04 - D nova redao ao artigo 10, 2 e seus incisos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

    07, de 14/06/06 - Bem pblico/patrimnio Municipal/utilizao/permisso/ttulo precrio/condies

    08, de 22/12/06 - Altera redao/ 2art. 14/Reunies Cmara/Abertura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

    09, de 22/12/06 - Alterao/Art. 15/Mesa Diretora/Eleio/Posse . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

    10, de 22/12/06 - Alterao/Art. 16/Mesa Diretora/eleio/Posse . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

    11, de 22/12/06 - Alterao/Art. 24/Vereador/Licena/Auxlio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

    49

    50

    51

    52

    53

    54

    55

    56

    57

    58

    59

  • LEI ORGNICA DO MUNICPIO DE CLUDIO

    4

    LEI ORGNICA

    DO MUNICPIO DE CLUDIO

    TTULO I

    DISPOSIES PRELIMINARES

    Art. 1 - O Municpio de Cludio, pessoa jurdica de direito pblico interno, integrante com autonomia poltica, administrativa e financeira, da Repblica do Brasil e do Estado de Minas Gerais, organiza-se e rege-se por esta Lei Orgnica e leis que adotar, observados os princpios constitucionais da Repblica e do Estado.

    Pargrafo nico - Todo poder do Municpio emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos ou diretamente, nos termos das Constituies da Repblica, do Estado e desta Lei Orgnica.

    Art. 2 - So smbolos do Municpio a bandeira e o hino, definidos em lei.

    Art. 3 - A sede do Municpio d-lhe o nome e tem a categoria de cidade.

    Art. 4 - O Municpio poder dividir-se para fins administrativos em distritos, a serem criados, organizados ou suprimidos por lei municipal, atendido o disposto na legislao estadual.

    1 - A extino de distrito somente se efetivar mediante consulta plebiscitaria populao interessada.

    2 - O distrito tem o nome da respectiva sede, cuja categoria a de vila.

    TTULO II

    DOS DIREITOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS

    Art. 5 - O Municpio assegura, no seu territrio e nos limites de sua competncia, os direitos e garantias fundamentais que a Constituio da Repblica confere aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no Pas.

    1 - Incide na penalidade de destituio de mandato administrativo ou cargo ou funo de direo da administrao pblica, sem prejuzo de outras sanes cabveis, o agente pblico que:

    I - deixar injustificadamente de sanar, dentro de noventa dia da data do requerimento do interessado, omisso que inviabilize o exerccio de direito assegurado nas Constituies e nesta Lei Orgnica;

    II - independentemente da funo que exera, violar direito de cidado previsto nas Constituies e nesta Lei Orgnica.

    2 - Independe de pagamento de taxa ou de emolumento ou de garantia de instncia e exerccio de direito de petio ou representao, bem como a obteno de certido para defesa de direito ou esclarecimento de interesse pessoal ou coletivo.

    3 - Nenhuma pessoa ser discriminada, ou de qualquer forma prejudicada, pelo fato de litigar com rgo ou entidade municipais, no mbito administrativo ou judicial.

    4 - Nos processos administrativos, qualquer que seja o objeto ou procedimento, observar-se-o, entre outros requisitos de validade, a publicidade, o contraditrio, a defesa ampla e o despacho ou a deciso motivados.

    5 - Todos tm direito de requerer e obter informao sobre projeto do Poder Pblico, a qual ser prestada no prazo da lei, ressalvada aquela cujo o sigilo seja imprescindvel segurana da sociedade e do Municpio.

  • LEI ORGNICA DO MUNICPIO DE CLUDIO

    5

    TTULO III

    DA COMPETNCIA DO MUNICPIO

    CAPTULO I

    DA COMPETNCIA COMUM

    Art. 6 - competncia do Municpio, comum, Unio e ao Estado:

    I - zelar pela guarda da Constituio, das leis e das instituies democrticas e conservar o patrimnio pblico;

    II - cuidar da sade e assistncia pblica, da proteo e garantia das pessoas portadoras de deficincia;

    III - proteger os documentos, as obras e outros bens de valor histrico, artstico e cultural, os monumentos s paisagens naturais notveis e os stios arqueolgicos;

    IV - impedir a evaso, destruio e a descaracterizao de obras de arte e outros bens de valor histrico, artstico ou cultural;

    V - proporcionar os meios de acesso cultura, educao e cincia;

    VI - proteger o meio ambiente e combater a poluio em qualquer de suas formas;

    VII - preservar as florestas, a fauna e a flora;

    VIII - fomentar a produo agropecuria e organizar o abastecimento alimentar;

    IX - promover programas de construo de moradias e melhoria das condies habitacionais e de saneamento bsico;

    X - combater as causas da pobreza e os fatores da marginalizao, promovendo a integrao social dos setores desfavorecidos;

    XI - registrar, acompanhar e fiscalizar as concesses de direitos de pesquisa e explorao de recursos hdricos e minerais em seu territrio;

    XII - estabelecer e implantar poltica de educao para a segurana do trnsito.

    CAPTULO II

    DA COMPETNCIA PRIVATIVA

    Art. 7 - Ao Municpio compete prover a tudo quanto diga respeito ao seu interesse e ao bem-estar de sua populao, cabendo-lhe, privativamente, entre outras, as seguintes atribuies:

    I - legislar sobre assuntos de interesse local;

    II - suplementar a legislao federal e estadual, no que couber;

    III - elaborar o Plano Diretor de Desenvolvimento Integrado;

    IV - manter, com cooperao tcnica e financeira da Unio e do Estado, programas de educao pr-escolar e de ensino fundamental;

    V - prestar, com a cooperao tcnica e financeira da Unio e do Estado, servios de atendimento sade da populao;

    VI - instituir e arrecadar os tributos de sua competncia, bem como aplicar suas rendas, sem prejuzo da obrigatoriedade de prestar contas e publicar balancetes nos prazos fixados em lei;

    VII - organizar os servios administrativos;

    VIII - promover a proteo do patrimnio histrico-cultural local, observada a legislao e a ao fiscalizadora federal e estadual;

  • LEI ORGNICA DO MUNICPIO DE CLUDIO

    6

    IX - organizar o quadro e estabelecer o regime jurdico nico dos seus servidores, observada a diversificao quanto aos da administrao direta, da autarquia e da fundacional em relao aos das demais entidades da administrao indireta;

    X - organizar e prestar, diretamente, ou sob regime de concesso ou permisso, os servidores pblicos de interesse local, includo o de transporte coletivo, que tem carter essencial;

    XI - promover adequado ordenamento territorial, mediante planejamento e controle do uso, do parcelamento e da ocupao do solo urbano;

    XII - dispor sobre poltica administrativa de interesse local, especialmente em matria de sade e higiene pblica, construo, transito e trfego, plantas e animais nocivos e logradouros pblicos;

    XIII - elaborar o plano plurianual, as diretrizes oramentarias e os oramentos anuais;

    XIV - dispor sobre a caa, a pesca, a conservao da natureza, a defesa do solo e recursos naturais em seu territrio;

    XV - dispor, observada a legislao federal e estadual, sobre a educao, a cultura, o ensino e o desporto;

    XVI - dispor, observada a legislao federal e estadual, sobre a proteo infncia, juventude, gestante e ao idoso.

    Pargrafo nico - As diretrizes, metas e prioridades da administrao municipal sero definidas, por distrito, nos planos de que trata o inciso XIS deste artigo.

    CAPTULO III

    DAS VEDAES

    Art. 8 - Ao Municpio vedado:

    I - estabelecer cultos religiosos ou igrejas, subvencion-los, embaraar-lhes o funcionamento ou manter com eles ou seus representantes relao de dependncia ou aliana, ressalvada, na forma da lei, a colaborao de interesse pblico;

    II - recusar f aos documentos pblicos;

    III - criar distines entre brasileiros ou preferncia de uma em relao s demais unidades da Federao;

    IV - subvencionar ou auxiliar, com recursos pblicos, por qualquer meio de comunicao, propaganda poltico-partidria ou com fins estranhos administrao;

    V - manter publicidade de atos, programas, obras, servios e campanhas de rgos pblicos que no tenham carter educativo, informativo ou de orientao social, assim como a publicidade da qual constem nomes, smbolos ou imagens que caracterizam promoo pessoal de autoridades ou servidores pblicos.

    TTULO IV

    DA ORGANIZAO DOS PODERES DO MUNICPIO

    CAPTULO I

    DISPOSIO GERAL

    Art. 9 - So poderes do Municpio, independentes e harmnicos entre si, o Legislativo e Executivo.

    Pargrafo nico - Ressalvados os casos previstos nesta Lei, vedado a qualquer dos poderes delegar atribuio, e, a quem for investido na funo de um deles, exercer a de outro.

  • LEI ORGNICA DO MUNICPIO DE CLUDIO

    7

    CAPTULO II

    DO PODER LEGISLATIVO

    SEO I

    DA CMARA MUNICIPAL

    Art. 10 - O Poder Legislativo exercido pela Cmara Municipal, que se compe de vereadores eleitos na forma da lei federal.

    1 - Cada legislatura ter durao de quatro anos, compreendendo, cada ano, uma sesso legislativa.

    2 - O nmero de Vereadores, vigorar para a legislao subsequente, proporcional populao do Municpio, observados os seguintes limites:

    I - onze, quando o Municpio tiver menos de trinta mil habitantes;

    II - treze, mais de trinta mil e menos de cinqenta mil habitantes;

    III - quinze, mais de cinqenta mil e menos de cem mil habitantes;

    IV - mnimo de dezessete e mximo de vinte e um, mais de cem mil, at um milho de habitantes;

    V - mnimo de trinta e trs e mximo de quarenta e um, mais de um milho e menos de cinco milhes de habitantes;

    VI - mnimo de quarenta e dois e mximo de cinqenta e cinco, mais de cinco milhes de habitantes.

    Art. 10 - O Poder Legislativo exercido pela Cmara Municipal de Cludio, que

    se compe de Vereadores eleitos na forma da Lei Federal. (NR) (redao dada ao art. pela

    Emenda n 06, de 14 de junho de 2004).

    1 Cada Legislatura ter durao de 4 (quatro) anos, compreendendo, cada

    ano, uma seo legislativa. (NR) (redao dada ao pargrafo pela Emenda n 06, de 14 de

    junho de 2004).

    2 O nmero de Vereadores para vigorar na legislatura subseqente,

    proporcional a populao do Municpio, observando os seguintes limites: (NR) (redao dada ao

    pargrafo pela Emenda n 06, de 14 de junho de 2004).

    I nove, quando o Municpio tiver menos de quarenta e sete mil, seiscentos e

    dezenove habitantes; (NR) (redao dada ao inciso pela Emenda n 06, de 14 de junho de

    2004).

    II dez, quando o Municpio tiver de quarenta e sete mil, seiscentos e vinte

    habitantes, at noventa e cinco mil, duzentos e trinta e oito; (NR) (redao dada ao inciso pela

    Emenda n 06, de 14 de junho de 2004).

    III onze, quando o Municpio tiver de noventa e cinco mil, duzentos e trinta e

    nove habitantes, at cento e quarenta e dois mil, oitocentos e cinqenta e sete. (NR) (redao

    dada ao inciso pela Emenda n 06, de 14 de junho de 2004).

    3 Ser acrescido mais um Vereador, ao nmero estabelecido no inciso III, a

    cada 47.619 (quarenta e sete mil, seiscentos e dezenove) habitantes. (NR) (redao dada ao

    pargrafo pela Emenda n 06, de 14 de junho de 2004).

    Art. 11 - A Cmara Municipal reunir-se-, anualmente, independentemente de convocao, na sede do Municpio, de 1 de fevereiro a 30 de junho e de 1 de agosto a 30 de dezembro.

    1 - As reunies marcadas para essas datas sero transferidas para o primeiro dia til subsequente, quando recarem em sbado, domingo ou feriado.

  • LEI ORGNICA DO MUNICPIO DE CLUDIO

    8

    2 - As reunies da Cmara so ordinrias, extraordinrias ou solenes, conforme dispuser o seu Regimento Interno.

    3 - A convocao extraordinria da Cmara far-se-:

    I - pelo Prefeito, em caso de urgncia ou de interesse pblico relevante;

    II - pelo Presidente da Cmara, para o compromisso e a posse do Vice-Prefeito, ou quando ocorrer interveno no Municpio;

    III - pelo Presidente da Cmara, de ofcio ou a requerimento da maioria dos seus membros, em caso de urgncia ou interesse pblico relevante.

    4 - Na sesso legislativa extraordinria, a Cmara somente deliberar sobre a matria para a qual foi convocada.

    Art. 12 - As deliberaes da Cmara so tomadas por maioria de votos, presente a maioria de seus membros, salvo disposio em contrrio consoante da Constituio da Repblica ou desta Lei Orgnica.

    Art. 13 - A sesso legislativa no ser interrompida sem a deliberao do projeto de lei de diretrizes oramentarias.

    Art. 14 - As reunies da Cmara so realizadas em recinto destinado ao seu funcionamento, observado o disposto no art. 20, XIII.

    1 - As reunies so pblicas, salvo deliberao em contrrio de dois teros dos Vereadores, em razo de motivo relevante.

    2 - As reunies somente podem ser abertas com a presena de, no mnimo, um tero dos membros da Cmara.

    2 - As reunies somente podem ser abertas com a presena da maioria dos

    membros da Cmara. (NR) (redao dada ao , pela Emenda n 08, de 22 de dezembro de

    2006).

    3 - Considerar-se- presente s reunies o Vereador que assinar o livro de presena at o incio da Ordem do Dia e participar dos trabalhos e das votaes do Plenrio.

    SEO II

    DO FUNCIONAMENTO DA CMARA

    Art. 15 - No primeiro ano de cada legislatura, cuja durao coincide com o mandato do Vereador, a Cmara reunir-se- no dia 1 de janeiro para dar posse aos Vereadores, Prefeito e Vice-Prefeito e eleger a sua Mesa Diretora para mandato de dois anos, vedada a reconduo para o mesmo cargo na eleio subsequente.

    Art. 15 - No primeiro ano de cada legislatura, cuja durao coincide com o mandato dos Vereadores a cmara reunir-se- no dia 1 de janeiro para dar posse aos Vereadores, Prefeito e Vice-Prefeito e eleger a sua Mesa Diretora para mandato de dois anos,

    permitida a reeleio para o binio subsequente. (NR) (redao dada ao art. pela Emenda n 02,

    de 22 de setembro de 1998).

    Art. 15 - No primeiro ano de cada legislatura, cuja durao coincide com o mandato dos Vereadores, a Cmara reunir-se- no dia 1 de janeiro para dar posse aos Vereadores, Prefeito e Vice-Prefeito e eleger sua Mesa Diretora para mandato de 2 (dois) anos,

    vedada a reconduo para o mesmo cargo na eleio subsequente. (NR) (redao dada ao art.

    pela Emenda n 03, de 15 de novembro de 2000).

    Art. 15 - No primeiro ano de cada legislatura, cuja durao coincide com o mandato dos Vereadores, a Cmara reunir-se no dia 1 de janeiro para dar posse aos Vereadores, Prefeito e Vice-Prefeito e eleger sua Mesa Diretora para mandato de 2 (dois) anos,

    permitida a reconduo para o mesmo cargo na eleio subseqente. (NR) (redao dada ao art.

    pela Emenda n. 05, de 31 de dezembro de 2002).

  • LEI ORGNICA DO MUNICPIO DE CLUDIO

    9

    Art. 15 - No primeiro ano de cada legislatura, a Cmara reunir-se- no dia 1 de janeiro para dar posse aos Vereadores, Prefeito e Vice-Prefeito e eleger sua Mesa Diretora para mandato de dois anos, vedada a reconduo para o mesmo cargo na eleio subseqente na

    mesma legislatura. (NR) (redao dada ao art. pela Emenda n 09, de 22 de dezembro de

    2006).

    1 - A eleio da Mesa da Cmara, para o segundo binio, far-se- no dia 1 de janeiro do terceiro ano de cada legislatura, considerando-se automaticamente empossados os eleitos.

    1 - A eleio da Mesa da Cmara para o segundo binio, far-se- na ltima reunio ordinria da segunda sesso legislativa, considerando-se automaticamente empossados

    os eleitos a partir de 1 de janeiro do ano seguinte. (NR) (Redao dada ao , pela Emenda n

    09, de 22 de dezembro de 2006).

    2 - No ato da posse e ao trmino do mandato os Vereadores devero fazer declarao de seus bens, a qual ficar arquivada na Cmara, constando das respectivas atas o seu resumo, sem prejuzo do disposto no art. 170.

    Art. 16 - A Mesa da Cmara se compe do Presidente, do Vice-Presidente e do Secretrio, os quais se substituiro nessa ordem.

    Art. 16 - A Mesa Diretora da Cmara composta pelo Presidente, Vice-

    Presidente, 1 Secretrio e 2 Secretrio; sendo eleita para um mandato de dois anos, vedada a reconduo para o mesmo cargo na mesma legislatura, sendo que a eleio far-se- nos termos

    definidos no Regimento Interno. (NR) (redao dada ao art. pela Emenda n 10, de 22 de

    dezembro de 2006).

    1 - Na constituio da Mesa assegurada, tanto quanto possvel, a representao proporcional dos partidos ou dos blocos parlamentares que participem da Casa.

    1 - Na constituio da Mesa assegurada, tanto quanto possvel, a representao proporcional dos partidos ou dos blocos parlamentares que participem da Casa.

    (NR) (redao dada ao , pela Emenda n 10, de 22 de dezembro de 2006).

    2 - Na ausncia dos membros da Mesa, o Vereador mais idoso assumir a Presidncia.

    2 - Na ausncia dos membros da Mesa, o Vereador mais votado no ltimo

    pleito assumir interinamente a Presidncia. (NR) (redao dada ao pargrafo pela Emenda n

    10, de 22 de dezembro de 2006).

    3 - Qualquer componente da Mesa poder ser dela destitudo pelo voto de dois teros dos membros da Cmara, quando faltoso, omisso ou ineficiente no desempenho de suas atribuies regimentais, elegendo-se outro Vereador para a complementao do mandato.

    4 - Durante o recesso, haver uma comisso representativa da Cmara atendida em sua composio, tanto quanto possvel, a proporcionalidade das representaes partidrias, e observando o seguinte:

    I - seus membros so eleitos na ltima reunio de cada perodo da sesso legislativa ordinria, e inelegveis para o recesso subsequente;

    II - suas atribuies so definidas no Regimento Interno;

    III - ser constituda por nmero mpar de Vereadores e presidida pelo Presidente da Cmara;

    IV - no reinicio do perodo subsequente de funcionamento ordinrio da Cmara, a comisso representativa apresentar relatrio dos trabalhos que tiver realizado.

    4 - (Revogado pela Emenda n 10, de 22 de dezembro de 2006).

    Art. 17 - A Cmara ter comisses permanentes e temporrias, constitudas na forma do Regimento Interno, com as atribuies nele previstas ou conforme os termos do ato de sua criao.

  • LEI ORGNICA DO MUNICPIO DE CLUDIO

    10

    1 - s comisses permanentes, em razo da matria de sua competncia, cabe:

    I - realizar audincias pblicas com entidades da sociedade civil;

    II - convocar, alm das autoridades a que se refere o art. 18, outra autoridade Municipal para prestar informaes sobre assuntos inerentes a suas atribuies, constituindo infrao administrativa, a recusa ou no-atendimento no prazo de trinta dias;

    III - receber peties, reclamaes, representaes ou queixas de qualquer pessoa contra atos ou omisses das autoridades ou entidades pblicas;

    IV - solicitar depoimento de qualquer autoridade ou cidado;

    V - acompanhar, no mbito de sua competncia, a implantao dos planos de desenvolvimento e programas de obras do Municpio e exercer a fiscalizao dos recursos neles investidos.

    2 - As comisses temporrias criadas por deliberao do Plenrio sero destinadas ao estudo de assuntos especficos e representao da Cmara em congressos, solenidades ou outros atos pblicos.

    3 - Na formao das comisses assegurar-se-, tanto quanto possvel, a representao proporcional dos partidos ou dos blocos parlamentares que participem da Cmara.

    4 - As comisses parlamentares de inqurito, observado a legislao especfica, no que couber, tero poderes de investigao prprios das autoridades judiciais, alm de outros previstos no Regimento Interno, e sero criadas a requerimento de um tero dos membros da Cmara, para apurao de fato determinado e por prazo certo, e suas concluses, se for o caso, sero encaminhadas ao Ministrio Pblico ou a outra autoridade competente, para que se promova a responsabilizao civil, criminal ou administrativa do infrator.

    Art. 18 - A Cmara ou qualquer de suas comisses poder convocar Secretrio Municipal, titular de cargo equivalente ou dirigente de entidade da administrao indireta para prestar, pessoalmente, informaes sobre assunto previamente determinado, sob pena de responsabilizao no caso de ausncia injustificada.

    1 - O Secretrio Municipal ou titular do cargo equivalente poder comparecer Cmara ou a qualquer das comisses, por sua iniciativa e aps entendimento com a Mesa da Cmara, para expor assunto de relevncia do respectivo rgo.

    2 - A Mesa da Cmara poder encaminhar s autoridades mencionadas no artigo, bem como as outras autoridades mencionadas no artigo, bem como a outras autoridades municipais, pedido escrito de informao, e a recusa ou no-atendimento no prazo de trinta dias, ou prestao de informaes falsa, constituem infrao administrativa sujeita a responsabilizao.

    SEO III

    DAS ATRIBUIES DA CMARA MUNICIPAL

    Art. 19 - Cabe a Cmara, com a sano do Prefeito, no exigida para o especificado no art. 20, dispor sobre todas as matrias de competncia do Municpio, especificamente:

    I - oramento anual e plano plurianual de investimentos e abertura de crditos suplementares e especiais.

    II - diretrizes oramentarias;

    III - Plano Diretor de Desenvolvimento Integrado;

    IV - sistema tributrio municipal, arrecadao e distribuio de rendas;

    V - iseno, incentivo, benefcio e anistia fiscais e remisso de dvidas;

    VI - organizao dos servios pblicos locais;

    VII - concesso e permisso de servios pblicos;

  • LEI ORGNICA DO MUNICPIO DE CLUDIO

    11

    VIII - aquisio e alienao de bem imvel do Municpio;

    IX - uso especial de bem do patrimnio municipal por terceiros;

    X - organizao da administrao pblica municipal;

    XI - servidor pblico da administrao direta, autrquica e fundacional, seu regime jurdico nico, provimento de cargo, estabilidade e aposentadoria;

    XII - criao, transformao e extino de cargos, emprego ou funo pblica na administrao direta, autrquica e fundacional e fixao de remunerao, observados os parmetros estabelecidos na lei de diretrizes oramentarias;

    XIII - fixao do quadro de empregos das empresas pblicas, sociedade de economia mista e demais entidades sob controle direto ou indireto do Municpio;

    XIV - dvida pblica, abertura e operao de crdito;

    XV - obras e edificaes;

    XVI - normas urbansticas, em especial as relativas a parcelamento, uso e ocupao do solo urbano e edificaes;

    XVII - matria decorrente da competncia comum prevista no art. 6.

    Art. 20 - Compete privativamente Cmara:

    I - eleger a Mesa e constituir comisses;

    II - elaborar o Regimento Interno;

    III - dispor sobre sua organizao, funcionamento e polcia;

    IV - organizar os servios administrativos internos e prover os cargos respectivos;

    V - propor a criao ou a extino dos cargos dos servidores administrativos internos e a fixao da remunerao;

    VI - conceder licena ao Prefeito, ao Vice-Prefeito e a Vereador;

    VII - autorizar o Prefeito e o Vice-Prefeito a se ausentarem do Municpio, por mais de dez dias;

    VIII - tomar e julgar as contas do Prefeito, deliberando sobre o parecer do Tribunal de Contas do Estado no prazo mximo de sessenta dias de seu recebimento, observados os seguintes preceitos:

    a) o parecer do Tribunal de Contas somente deixar de prevalecer por deciso de dois teros dos membros da Cmara;

    b) decorrido o prazo de sessenta dias, sem deliberao pela Cmara , as contas sero consideradas aprovadas ou rejeitadas, de acordo com a concluso do parecer do Tribunal de Contas;

    c) rejeitadas as contas, sero estas imediatamente remetidas ao Ministrio Pblico para os fins de direito;

    IX - proceder tomada de contas do Prefeito, atravs de comisso especial, quando no apresentadas nos sessenta dias aps a abertura da sesso legislativa;

    X - decretar a perda do mandato do Prefeito e dos Vereadores, nos casos indicados na Constituio da Repblica, nesta Lei Orgnica e na legislao federal aplicvel;

    XI - autorizar a contratao de emprstimos, operao ou acordo externo de qualquer, de interesse do Municpio;

    XII - aprovar convnio, acordo ou qualquer outro instrumento celebrado pelo Municpio com a Unio, Estado, outra pessoa jurdica de direito pblico interno ou entidades privadas;

  • LEI ORGNICA DO MUNICPIO DE CLUDIO

    12

    XIII - estabelecer e mudar temporariamente o local de suas reunies;

    XIV - convocar o Prefeito e o Secretrio do Municpio ou titular de cargo equivalente para prestar esclarecimento, aprazando dia e hora para o comparecimento;

    XV - deliberar sobre o adiamento e a suspenso de suas reunies;

    XVI - criar comisso parlamentar de inqurito sobre fato determinado e prazo certo, mediante requerimento de um tero de seus membros;

    XVII - conceder ttulo de cidado honorrio ou conferir homenagem a pessoas que, reconhecidamente, tenham prestado relevantes servios ao Municpio ou se tenham destacado pela atuao exemplar na vida pblica e particular, mediante proposta aprovada por dois teros dos seus membros;

    XVIII - solicitar a interveno do Estado no Municpio;

    XIX - processar e julgar o Prefeito, o Vice-Prefeito e os Vereadores, nos casos previstos nesta Lei Orgnica;

    XX - fiscalizar e controlar os atos do Poder Executivo, includos os da administrao indireta;

    XXI - fixar em cada legislatura, para ter vigncia na subsequente, pelo voto da maioria de seus membros, a remunerao do Vereador, do Prefeito e do Vice-Prefeito, observado o que dispem os arts. 37, XI, 150, II, 153, 2, I, da Constituio da Repblica;

    XXII - fixar a remunerao do Secretrio Municipal e de titular de cargo equivalente, observado o que dispem os arts. 37, XI, 150, II, 153, III e 153, 2, I, da Constituio da Repblica.

    SEO IV

    DOS VEREADORES

    Art. 21 - Os Vereadores so inviolveis, no exerccio do mandato e na circunscrio do Municpio, por suas opinies, palavras e votos.

    Art. 22 - vedado ao Vereador:

    I - desde a expedio do diploma:

    a) firmar ou manter contrato com o Municpio, suas autarquia, fundao pblica, empresa pblica, sociedade de economia mista ou empresa concessionria ou permissionria de servio pblico, salvo quando o contrato obedecer a clusulas uniformes;

    b) aceitar ou exercer cargo, funo ou emprego remunerado, inclusive os de que seja demissvel ad nutum, nas entidades da alnea anterior, salvo mediante concurso pblico e observado o disposto no art. 111, desta Lei Orgnica.

    II - desde a posse:

    a) ocupar, nas entidades referidas no inciso I, a, cargo, funo ou emprego de que seja demissvel ad nutum, salvo o cargo de Secretrio Municipal ou a ele equivalente, desde que se licencie do exerccio do mandato;

    b) ser titular de outro cargo ou mandato pblico eletivo, federal, estadual ou municipal;

    c) ser proprietrio, controlador ou diretor de empresa que goze de favor decorrente de contrato com pessoa jurdica de direito pblico do Municpio, ou nela exercer funo remunerada;

    d) patrocinar causa em que seja interessada qualquer das entidades a que se refere a alnea a do inciso I.

    Art. 23 - Perder o mandato o Vereador:

    I - que infringir qualquer das proibies estabelecidas no artigo anterior;

  • LEI ORGNICA DO MUNICPIO DE CLUDIO

    13

    II - que sofrer condenao criminal em sentena transitada em julgado;

    III - que se utilizar do mandato para a prtica de atos de corrupo ou de improbidade administrativa;

    IV - que deixar de comparecer, em cada sesso legislativa anual, quarta parte das reunies ordinrias da Cmara, salvo licena ou misso por esta autorizada;

    V - que fixar residncia fora do Municpio;

    VI - que perder ou tiver suspensos os direitos polticos;

    VII - quando o decretar a Justia Eleitoral;

    VIII - que proceder de modo incompatvel com a dignidade da Cmara ou falhar com o decoro em sua conduta pblica.

    1 - Alm de outros casos definidos no Regimento Interno, considera-se incompatvel com o decoro parlamentar o abuso das prerrogativas asseguradas ao Vereador ou a percepo das vantagens ilcitas ou imorais.

    2 - Nos casos dos incisos I, II, III, V e VIII, a perda do mandato ser decidida pela Cmara por voto secreto da maioria de seus membros, mediante provocao da Mesa ou de partido poltico representado na Casa, assegurada ampla defesa.

    3 - Nos casos previstos nos incisos IV, VI e VII, a perda ser declarada pela Mesa da Cmara, de ofcio ou mediante provocao de qualquer de seus membros ou de partido representado na Casa, assegurada ampla defesa.

    Art. 24 - O Vereador poder licenciar-se:

    I - por motivo de doena;

    II - para tratar, sem remunerao, de interesse particular, desde que o afastamento no ultrapasse cento e vinte dias por sesso legislativa;

    III - para desempenhar misses temporrias de carter cultural de interesse do Municpio;

    1 - No perder o mandato, considerando-se automaticamente licenciado, o Vereador investido no Cargo de Secretrio Municipal ou a ele equivalente.

    2 - Ao Vereador licenciado, nos termos do inciso I, a Cmara poder determinar o pagamento, no valor e na forma que estabelecer, de auxlio-doena ou auxlio especial.

    3 - O auxlio de que trata o pargrafo anterior poder ser fixado no curso da legislatura e no ser computado para efeito de clculo de remunerao do Vereador.

    3 - (Revogado pela Emenda n 11, de 22 de dezembro de 2006).

    4 - A licena para tratar de interesse particular no ser inferior a trinta dias e o Vereador no poder reassumir o exerccio do mandato antes do termino da licena.

    4 - (Revogado pela Emenda n 11, de 22 de dezembro de 2006).

    5 - Independentemente de requerimento, considerar-se- como licena o no-comparecimento s reunies de Vereador que estiver privado, temporariamente, de sua liberdade, em virtude de processo criminal em curso.

    6 - Na hiptese do 1, o Vereador poder optar pela remunerao do mandato.

    Art. 25 - Dar-se- a convocao de suplente nos casos de vaga ou de licena.

    1 - O suplente convocado dever tomar posse no prazo de quinze dias, contados da data de sua convocao, salvo justo motivo, aceito pela Cmara, caso em que se prorrogar o prazo.

  • LEI ORGNICA DO MUNICPIO DE CLUDIO

    14

    2 - Enquanto a vaga a que se refere o pargrafo anterior no for preenchida, calcular-se- o quorum em relao aos Vereadores remanescentes.

    SEO V

    DO PROCESSO LEGISLATIVO

    Art. 26 - O processo legislativo compreende a elaborao de:

    I - Emenda Lei Orgnica;

    II - Lei Complementar;

    III - Lei Ordinria;

    IV - Resoluo.

    Art. 27 - A Lei Orgnica pode ser emendada por proposta:

    I - de, no mnimo, um tero dos membros da Cmara;

    II - do Prefeito.

    1 - A proposta ser votada em dois turnos, com interstcio mnimo de dez dias, e aprovada por dois teros dos membros da Cmara.

    2 - As regras de iniciativa privativa previstas nesta Lei no se aplicam competncia para apresentao da proposta de que trata este artigo.

    3 - A Emenda Lei Orgnica ser promulgada pela Mesa da Cmara com respectivo nmero de ordem.

    4 - A Lei Orgnica no pode ser emendada na vigncia de estado de stio ou defesa, nem quando o Municpio estiver sob interveno estadual.

    5 - A matria constante da proposta de emenda rejeitada ou havida por prejudicada no pode ser reapresentada na mesma sesso legislativa.

    Art. 28 - As leis complementares somente sero aprovadas se obtiverem maioria dos votos dos membros da Cmara, observados os demais termos de votao das leis ordinrias.

    Pargrafo nico - So Leis Complementares, entre outras previstas nesta Lei Orgnica:

    I - o Cdigo Tributrio;

    II - o Cdigo de Obras;

    III - o Plano Diretor de Desenvolvimento Integrado;

    IV - o Cdigo de Posturas;

    V - o Estatuto dos Servidores Pblicos Municipais, includo o seu Regime Jurdico nico;

    VI - a Lei Orgnica da administrao pblica.

    Art. 29 - So de iniciativa do Prefeito as Leis que disponham sobre:

    I - a criao, transformao ou extino de cargos, funes ou empregos pblicos na administrao direta, autrquica e fundacional, e a fixao da respectiva remunerao, observados os parmetros da Lei de Diretrizes Oramentarias;

    II - o quadro de empregados das empresas pblicas, sociedades de economia mista entidades sob o controle direto ou indireto do Municpio;

    III - o Regime Jurdico nico dos servidores pblicos dos rgos da administrao direta, autrquica e fundacional, includo o provimento de cargo, estabilidade e aposentadoria;

  • LEI ORGNICA DO MUNICPIO DE CLUDIO

    15

    IV - a criao, estruturao, extino e atribuio dos rgos da administrao direta e das entidades da administrao indireta;

    V - as Diretrizes Oramentarias;

    VI - os Planos Plurianuais;

    VII - os Oramentos Anuais.

    Art. 30 - A iniciativa das leis cabe a qualquer Vereador, ao Prefeito e ao eleitorado, na forma e nos casos definidos nesta Lei Orgnica.

    Art. 31 - Salvo nas hipteses de iniciativa privativa e de matria indelegvel, previstas nesta Lei, a iniciativa popular pode ser exercida pela apresentao Cmara de projeto de lei, subscrito por, no mnimo, cinco por cento dos eleitores do Municpio, em lista organizada por entidade associativa legalmente constituda, que se responsabilizar pela idoneidade das assinaturas.

    Pargrafo nico - Em cada sesso legislativa, o nmero de proposies populares limitado a dois projetos de lei.

    Art. 32 - No ser admitido aumento de despesa prevista:

    I - nos projetos de iniciativa do Prefeito, ressalvada a comprovao da existncia de receita e o disposto no art. 78, 3;

    II - nos projetos sobre organizao dos servios administrativos da Cmara.

    Art. 33 - So matrias de iniciativa privativa da Mesa da Cmara alm de outras previstas nesta Lei:

    I - o Regimento Interno;

    II - a remunerao de Vereador, Prefeito, Vice-Prefeito, Secretrio Municipal e titular de cargo a este equivalente;

    III - o regulamento geral, que dispor sobre a organizao dos servios administrativos da Cmara, seu funcionamento, sua poltica, criao, transformao ou extino de cargo, emprego e funo, o regime jurdico de seus servidores e a fixao da respectiva remunerao, observados os parmetros estabelecidos na Lei de Diretrizes Oramentarias e o disposto nos arts. 78, XI e XII e 112, 1.

    Pargrafo nico - Cmara, observado o disposto nesta Lei Orgnica, compete elaborar seu Regimento Interno, dispondo sobre sua organizao, poltica e provimento de cargos de seus servios e, especialmente, sobre:

    I - sua instalao e funcionamento;

    II - posse de seus membros;

    III - eleio da Mesa, sua composio e suas atribuies;

    IV - nmero de reunies mensais;

    V - comisses;

    VI - proposies;

    VII - deliberaes;

    VIII - todo e qualquer assunto de sua administrao interna.

    Art. 34 - O Prefeito pode solicitar urgncia para apreciao de projeto de sua iniciativa, salvo o de lei orgnica, estatutria ou equivalente a cdigo.

    1 - Se a Cmara no se manifestar em at quarenta e cinco dias sobre o projeto, ser ele includo na ordem do dia, sobrestando-se a deliberao quanto aos demais assuntos, para que se ultime a votao.

    2 - O prazo do 1 no ocorre em perodo de recesso da Cmara.

  • LEI ORGNICA DO MUNICPIO DE CLUDIO

    16

    Art. 35 - A proposio de lei, resultante de projeto aprovado pela Cmara, ser enviada ao Prefeito que, no prazo de quinze dias teis, contados da data de seu recebimento:

    I - se aquiescer, sancion-la-, ou

    II - se a considerar, no todo ou em parte, inconstitucional ou contrria ao interesse pblico, vet-la- total ou parcialmente.

    1 - Decorrido o prazo, o silncio do Prefeito importa sano.

    2 - A sano expressa ou tcita supre a iniciativa do Poder Executivo no processo legislativo.

    3 - O Prefeito publicar o veto e, dentro de quarenta e oito horas, comunicar seus motivos ao Presidente da Cmara.

    4 - O veto parcial abranger texto integral de artigo, de pargrafo, de inciso ou de alnea.

    5 - A Cmara, dentro de trinta dias contados do recebimento da comunicao do veto, sobre ele decidir, em escrutnio secreto, e sua rejeio s ocorrer pelo voto da maioria dos seus membros.

    6 - Se o veto no for mantido, ser a proposio de lei enviada ao Prefeito para promulgao.

    7 - Esgotado o prazo estabelecido no 5, sem deliberao, o veto ser includo na ordem do dia da reunio imediata, sobrestadas as demais proposies, at a votao final, ressalvada a matria de que trata o 1 do art. 34.

    8 - Se, nos casos dos 1 e 6, da Lei no for, dentro de quarenta e oito horas, promulgada pelo Prefeito, o Presidente da Cmara a promulgar e, se este no o fizer em igual prazo, cabe ao Vice-Presidente faze-lo.

    Art. 36 - Os projetos de resoluo disporo sobre matrias de competncia privativa da Cmara.

    Pargrafo nico - Nos casos de projeto de resoluo, considerar-se- encerrada, com a votao final, a elaborao da norma jurdica, que ser promulgada pelo Presidente.

    Art. 37 - A matria constante de projeto de lei rejeitado somente poder constituir objeto de novo projeto, na mesma sesso legislativa, mediante proposta da maioria dos membros da Cmara.

    SEO VI

    DA FISCALIZAO E DOS CONTROLES

    Art. 38 - Os atos das unidades administrativas dos Poderes do Municpio e de entidade de administrao indireta se sujeitaro a:

    I - controles internos, exercidos, de forma integrada, pelo prprio Poder e pela entidade envolvida;

    II - controle externo, a cargo da Cmara, com o auxlio do Tribunal de Contas do Estado;

    III - controle direto, pelo cidado e associaes representativas da comunidade mediante amplo e irrestrito exerccio de direito de petio e representao perante rgo de qualquer Poder e entidade da administrao indireta.

    1 - direito da sociedade manter-se correta e oportunamente informada de fato, fato ou omisso, imputveis a rgo, agente poltico, servidor pblico ou empregado pblico, de que tenham resultado ou possam resultar:

    I - ofensa moralidade administrativa, ao patrimnio pblico e aos interesses legtimos, coletivos ou difusos;

  • LEI ORGNICA DO MUNICPIO DE CLUDIO

    17

    II - prestao de servio pblico insuficiente, tardia ou inexistente;

    III - propaganda enganosa do Poder Pblico;

    IV - inexecuo ou execuo insuficiente ou tardia de plano, programa ou projeto de governo;

    V - ofensa a direito individual ou coletivo consagrado nas Constituies da Repblica, do Estado e nesta Lei Orgnica.

    Art. 39 - A fiscalizao contbil, financeira, oramentaria, operacional e patrimonial do Municpio e das entidades da administrao indireta exercida pela Cmara, mediante controle externo e pelo sistema de controle interno de cada Poder e entidade.

    1 - A fiscalizao e o controle de que trata este artigo abrangem:

    I - a legalidade, legitimidade, economicidade e razoabilidade de ato gerador de receita ou determinante de despesa e do ato de que resulte nascimento ou extino de direito ou obrigao;

    II - a fidelidade funcional do agente responsvel por bem ou valor pblico;

    III - o cumprimento de programa de trabalho expresso em termos monetrios, a realizao de obra e a prestao de servio.

    2 - Prestar contas pessoa fsica ou jurdica que:

    I - utilizar e arrecadar, guardar, gerenciar ou administrar dinheiro, bem ou valor pblico ou pelos quais responda o Municpio ou entidade da administrao indireta;

    II - assumir, em nome do Municpio ou de entidade da administrao indireta, obrigaes de natureza pecuniria.

    Art. 40 - Os Poderes Legislativo e Executivo e as entidades da administrao indireta mantero, de forma integrada, sistema de controle interno, com a finalidade de:

    I - avaliar o cumprimento das metas previstas nos respectivos planos plurianuais e a execuo dos programas e oramentos;

    II - comprovar a legalidade e avaliar os resultados, quanto eficcia e eficincia da gesto oramentaria, financeira e patrimonial dos rgos da administrao direta e das entidades da administrao indireta, e da aplicao de recursos pblicos por entidades de direito privado;

    III - exercer o controle de operaes de crdito, avais e garantias, e o de seus direitos e haveres;

    IV - apoiar o controle externo no exerccio de sua misso institucional.

    Pargrafo nico - Os responsveis pelo controle interno, ao tomarem conhecimento de qualquer irregularidade ou ilegalidade, dela daro cincia ao Tribunal de Contas do Estado, sob pena de responsabilidade solidria.

    Art. 41 - As contas do Prefeito e da Cmara, prestadas anualmente, sero apreciadas pela Cmara, que sobre elas deliberar dentro de sessenta dias aps o recebimento do parecer prvio do Tribunal de Contas do Estado, considerando-se julgadas nos termos das concluses desse parecer, se no houver deliberao do prazo.

    1 - Somente por deciso de dois teros dos membros da Cmara deixar de prevalecer o parecer emitido pelo Tribunal de Contas do Estado.

    2 - As contas relativas aplicao dos recursos transferidos pela Unio e Estado sero prestadas na forma da lei, observada, no que couber, a legislao federal e estadual.

    Art. 42 - As contas do Municpio ficaro, durante sessenta dias, anualmente, disposio de qualquer contribuinte, para exame e apreciao, o qual poder questionar-lhes a legitimidade, nos termos da lei.

  • LEI ORGNICA DO MUNICPIO DE CLUDIO

    18

    1 - Qualquer cidado, partido poltico, associao legalmente constituda ou sindicato parte legtima para, na forma da lei, denunciar irregularidade ou ilegalidade de ato de agente pblico.

    2 - A denncia poder ser feita, em qualquer caso, Cmara ou, sobre assunto da respectiva competncia, ao Ministrio Pblico ou ao Tribunal de Contas do Estado.

    CAPTULO III

    DO PODER EXECUTIVO

    SEO I

    DO PREFEITO E DO VICE-PREFEITO

    Art. 43 - O Poder Executivo exercido pelo Prefeito Municipal, auxiliado pelos Secretrios Municipais ou titulares de cargo equivalente.

    Art. 44 - A eleio do Prefeito e do Vice-Prefeito, para mandato de quatro anos, se realizar at noventa dias antes do trmino de mandato de seus antecessores, mediante pleito direto e simultneo realizado em todo Pas.

    Pargrafo nico - A eleio do Prefeito importar a do Vice-Prefeito com ele registrado.

    Art. 45 - O Prefeito e Vice-Prefeito tomaro posse no dia 1 de janeiro do ano subsequente eleio, em reunio da Cmara, prestando o seguinte compromisso:

    Prometo manter, defender e cumprir as Constituies da Repblica e do Estado, a Lei Orgnica do Municpio, observar as leis, promover o bem geral do povo claudiense e exercer o meu cargo sob a inspirao do interesse pblico, da legalidade e da honra.

    Pargrafo nico - Decorridos dez dias da data fixada para a posse, se o Prefeito ou Vice-Prefeito, salvo motivo de fora maior, no tiver assumido o cargo, este ser declarado vago.

    Art. 46 - Substituir o Prefeito, no caso de impedimento, e suceder-lhe-, no de vaga, o Vice-Prefeito.

    1 - O Vice-Prefeito no poder se recusar a substituir o Prefeito, sob pena de extino do mandato.

    2 - O Vice-Prefeito, alm de outras atribuies que lhe forem conferidas por lei, auxiliar o Prefeito, sempre que por ele for convocado para misses especiais.

    Art. 47 - Em caso de impedimento do Prefeito e do Vice-Prefeito ou vacncia do cargo, assumir interinamente a administrao municipal o Presidente da Cmara.

    Pargrafo nico - O Presidente da Cmara, recusando-se, por qualquer motivo, a assumir o cargo de Prefeito, renunciar, incontinente, sua funo de dirigente do Poder Legislativo, ensejando, assim, a eleio de outro membro para ocupar, como Presidente da Cmara, a chefia do Poder Executivo.

    Art. 48 - Verificando-se a vacncia do cargo de Prefeito e Vice-Prefeito, observar-se- o seguinte:

    I - ocorrendo vacncia nos trs primeiros anos do mandato, far-se- eleio noventa dias aps a sua abertura, cabendo aos eleitos completar o perodo dos seus antecessores;

    II - ocorrendo vacncia no ltimo ano de mandato, assumir o Presidente da Cmara, que completar o perodo.

    Art. 49 - O Prefeito e o Vice-Prefeito, quando no exerccio do cargo, no podero, sem licena da Cmara, ausentar-se do Municpio por perodo superior a dez dias, sob pena de perda do cargo ou do mandato.

  • LEI ORGNICA DO MUNICPIO DE CLUDIO

    19

    1 - O Prefeito regularmente licenciado ter direito a perceber a remunerao, quando:

    I - impossibilitado de exercer o cargo, por motivo de doena devidamente comprovada;

    II - em gozo de frias.

    2 - O Prefeito gozar frias anuais de trinta dias, sem prejuzo da remunerao, ficando a seu critrio a poca para usufruir o descanso.

    Art. 50 - Na ocasio da posse e ao trmino do mandato, o Prefeito far declarao de seus bens, a qual ficar arquivada na Cmara, constando das respectivas atas o seu resumo, sem prejuzo do disposto no art. 170.

    Pargrafo nico - O Vice-Prefeito far declarao de bens no momento em que assumir, pela primeira vez, o exerccio do cargo.

    SEO II

    DAS ATRIBUIES DO PREFEITO

    Art. 51 - Ao Prefeito, como chefe da administrao, compete dar cumprimento s deliberaes da Cmara, dirigir, fiscalizar e defender os interesses do Municpio, bem como adotar, de acordo com a lei, todas as medidas administrativas de interesse pblico, sem exceder as verbas oramentarias.

    Art. 52 - Compete ao Prefeito, entre outras atribuies:

    I - iniciar o processo legislativo, na forma e casos previstos nesta Lei Orgnica;

    II - representar o Municpio em juzo e fora dele;

    III - sancionar, promulgar e fazer publicar as leis e expedir os regulamentos para sua fiel execuo;

    IV - vetar preposies de lei;

    V - decretar, nos termos da lei, a desapropriao por necessidade ou utilidade pblica, ou por interesse social;

    VI - permitir ou autorizar o uso de bens municipais, por terceiros;

    VII - permitir ou autorizar a execuo de servios pblicos, por terceiros;

    VIII - prover e extinguir os cargos pblicos do Poder Executivo, segundo o disposto nesta Lei Orgnica;

    IX - enviar Cmara o plano plurianual, o projeto de lei de diretrizes oramentarias e as propostas de oramento;

    X - encaminhar a Cmara Municipal, at 15 (quinze) de abril, a prestao de contas, bem como balanos do exerccio findo;

    XI - encaminhar aos rgos competentes os planos de aplicao e as prestaes de contas exigidas em lei;

    XII - fazer publicar os atos oficiais;

    XIII - prestar Cmara, dentro de quinze dias, as informaes, a seu pedido e por prazo determinado, em face da complexidade da matria ou da dificuldade de obteno, nas respectivas fontes, dos dados pleiteados;

    XIV - promover os servios e obras da administrao pblica;

    XV - superintender a arrecadao dos tributos, bem como a guarda e aplicao da receita, autorizando as despesas e pagamentos dentro das disponibilidades oramentarias ou dos crditos votados pela Cmara;

  • LEI ORGNICA DO MUNICPIO DE CLUDIO

    20

    XVI - colocar disposio da Cmara, at o dia vinte de cada ms, um duodcimo dos recursos correspondentes s suas dotaes oramentarias e, dentro de dez dias de sua requisio, os recursos correspondentes a crditos suplementares e especiais;

    XVII - aplicar multas previstas em lei e contrato, bem como revog-las quando impostas irregularmente;

    XVIII - resolver sobre os requerimentos, reclamaes ou representaes que lhe forem dirigidas;

    XIX - oficializar, obedecidas as normas urbansticas, as vias e logradouros pblicos, mediante denominao aprovada pela Cmara;

    XX - convocar extraordinariamente a Cmara;

    XXI - aprovar projetos de edificao e plano de loteamento, arruamento e zoneamento urbano ou para fins urbanos;

    XXII - apresentar anualmente, Cmara, relatrio circunstanciado sobre o estado das obras e dos servios municipais, assim como o programa da administrao para o ano seguinte;

    XXIII - organizar os servios internos das reparties criadas por lei;

    XXIV - contrair emprstimos e realizar operaes de crdito mediante prvia autorizao da Cmara;

    XXV - providenciar sobre a administrao dos bens do Municpio e sua alienao, na forma da lei;

    XXVI - desenvolver o sistema virio do Municpio;

    XXVII - conceder auxlio, prmios e subvenes, nos limites das respectivas verbas oramentarias e do plano de distribuio, prvia e anualmente aprovado pela Cmara;

    XXVIII - providenciar sobre o incremento do ensino;

    XXIX - estabelecer a diviso administrativa do Municpio, de acordo com a lei;

    XXX - solicitar o auxlio das autoridades policiais do Estado para garantia do cumprimento de seus atos;

    XXXI - adotar providncias para a conservao e salvaguarda do patrimnio municipal;

    XXXII - publicar, at trinta dias aps o encerramento de cada bimestre, relatrio resumido da execuo oramentaria.

    Pargrafo nico - O no cumprimento do disposto no inciso XVI, implica as sanes previstas no art. 55 desta Lei Orgnica.

    SEO III

    DA PERDA E EXTINO DO MANDATO

    Art. 53 - As incompatibilidades referidas no art. 22 estendem-se, no que forem aplicveis, ao Prefeito e aos Secretrios Municipais ou titulares de cargo equivalente.

    Art. 54 - So crimes de responsabilidade do Prefeito os definidos em lei federal especial, que estabelece as normas de processo de julgamento.

    Pargrafo nico - Nos crimes de responsabilidade, e nos comuns, o Prefeito submetido a processo e julgamento perante o Tribunal de Justia do Estado.

    Art. 55 - So instituies poltico-administrativas do Prefeito, sujeitas ao julgamento pela Cmara, alm de outras previstas nesta Lei Orgnica:

    I - impedir o funcionamento regular da Cmara;

  • LEI ORGNICA DO MUNICPIO DE CLUDIO

    21

    II - impedir o exame de livros, folhas de pagamento e demais documentos que devam constar dos arquivos da Prefeitura, bem como a verificao de obras e servios municipais, por comisso de investigao da Cmara ou por auditoria regularmente constituda;

    III - desatender, sem motivo justo, as convocaes ou os pedidos de informaes da Cmara, quando feitos a tempo e em forma regular;

    IV - retardar a publicao ou deixar de publicar as leis e atos sujeitos a essa formalidade;

    V - deixar de apresentar a Cmara, no devido tempo e em forma regular, a proposta oramentaria;

    VI - descumprir o oramento aprovado para o exerccio financeiro;

    VII - praticar ato administrativo contra expressa disposio de lei ou omitir-se na prtica daquele por ela exigida;

    VIII - omitir-se ou negligenciar na defesa de bens, rendas, direitos ou interesses do Municpio, sujeitos administrao da Prefeitura;

    IX - ausentar-se do Municpio, por tempo superior ao permitido nesta Lei Orgnica, ou afastar-se do exerccio do cargo, sem autorizao legislativa;

    X - proceder de modo incompatvel com a dignidade e decoro do cargo.

    1 - A denncia, escrita e assinada, poder ser feita por qualquer cidado, com a exposio dos fatos e a indicao das provas.

    2 - Se o denunciante for Vereador, ficar impedido de votar sobre denncia e de integrar a comisso processante, e, se for Presidente da Cmara, passar a presidncia ao substituto legal, para os atos do processo.

    3 - Ser convocado o suplente do Vereador impedido de votar, o qual no poder integrar a comisso processante.

    4 - De posse da denncia, o Presidente da Cmara, na primeira reunio subsequente, determinar sua leitura e constituir a comisso processante, formada de cinco Vereadores, sorteados entre os desimpedidos e pertencentes a partidos diferentes, os quais elegero, desde logo, o presidente e relator.

    5 - A comisso, no prazo de dez dias, emitir parecer que ser submetido ao Plenrio, opinando pelo prosseguimento ou arquivamento da denncia, podendo proceder s diligncias que julgar necessrias.

    6 - Aprovado o parecer favorvel ao prosseguimento do processo, por dois teros dos membros da Cmara, o Presidente determinar, desde logo, a abertura da instruo, citando o denunciado, com a remessa de cpia da denncia, dos documentos que a instruem e do parecer da comisso, informando-lhe o prazo de vinte dias para o oferecimento da contestao e indicao dos meios de prova com que pretenda demonstrar a verdade do alegado.

    7 - Findo o prazo estipulado no pargrafo anterior, com ou sem contestao, a comisso processante determinar as diligncias requeridas, ou que julgar convenientes, e realizar as audincias para a tomada do depoimento das testemunhas de ambas as partes, podendo ouvir o denunciante e o denunciado, que poder assistir pessoalmente, ou por seu procurador, a todas as reunies e diligncias da comisso, interrogando e contraditando as testemunhas e requerendo a sua reinquirio ou acareao.

    8 - Aps as diligncias, a comisso proferir no prazo de dez dias, parecer final sobre a procedncia ou improcedncia da acusao e solicitar ao Presidente da Cmara a convocao de reunio de julgamento, que se realizar aps a distribuio do parecer.

    9 - Na reunio do julgamento, o processo ser lido integralmente e, a seguir os Vereadores que desejarem podero manifestar-se verbalmente, pelo tempo mximo de quinze minutos cada um, sendo que, ao final, o denunciado ou seu procurador ter o prazo mximo de duas horas para produzir sua defesa oral.

  • LEI ORGNICA DO MUNICPIO DE CLUDIO

    22

    10 - Terminada a defesa, proceder-se- a tantas votaes nominais quantas forem as infraes articuladas na denncia.

    11 - Considerar-se- afastado, definitivamente, do cargo, sem prejuzo das demais sanes legais cabveis, o denunciado que for declarado, pelo voto de dois teros, dos membros da Cmara, incurso em qualquer das infraes especificadas na denncia.

    12 - Concludo o julgamento, o Presidente da Cmara proclamar imediatamente o resultado e far lavrar a ata que consigne a votao nominal sobre cada infrao e, se houver condenao, expedir a competente resoluo de cassao do mandato, ou se o resultado da votao for absolutrio, determinar o arquivamento do processo, comunicando, em qualquer dos casos, o resultado Justia Eleitoral.

    13 - O processo dever estar concludo dentro de noventa dias, contados de citao do acusado e, transcorrido o prazo sem julgamento, ser arquivado, sem prejuzo de nova denncia, ainda que sobre os mesmos fatos.

    Art. 56 - Ser declarado vago, pela Cmara, o cargo de Prefeito quando:

    I - ocorrer falecimento, renncia ou condenao por crime comum, de responsabilidade, eleitoral ou por infrao poltico-administrativa;

    II - deixar de tomar posse, sem motivo justo aceito pela Cmara, dentro do prazo de dez dias;

    III - infringir as normas do art. 22 desta Lei Orgnica;

    IV - perder ou tiver suspenso os direitos polticos;

    V - assumir outro cargo na administrao pblica direta ou indiretamente, ressalvada a posse em virtude de concurso pblico e observado o disposto no art. 111.

    VI - desempenhar funo administrativa em qualquer empresa privada.

    SEO IV

    DOS AUXILIARES DIRETOS DO PREFEITO

    Art. 57 - So auxiliares diretos do Prefeito:

    I - os Secretrios Municipais ou titulares de cargo equivalente;

    II - os Subprefeitos;

    Pargrafo nico - Os cargos so de livre nomeao e exonerao do Prefeito.

    Art. 58 - A lei estabelecer as atribuies dos auxiliares diretos do Prefeito, definindo-lhes a competncia, deveres e responsabilidades.

    Art. 59 - So condies essenciais para a investidura no cargo de Secretrio ou a ele equivalente:

    I - ser brasileiro;

    II - estar no exerccio dos direitos polticos;

    III - ser maior de vinte e um anos.

    Art. 60 - Alm das atribuies fixadas em lei, compete ao Secretrio ou titular de cargo equivalente:

    I - subscrever atos e regulamentos referentes ao respectivo rgo;

    II - expedir instrues para a boa execuo das leis, decretos e regulamentos;

    III - apresentar ao Prefeito relatrio anual dos servios realizados pelo respectivo rgo;

    IV - comparecer Cmara, sempre que for por ela convocados, para prestao de esclarecimentos oficiais.

  • LEI ORGNICA DO MUNICPIO DE CLUDIO

    23

    Pargrafo nico - Os decretos, atos e regulamentos dos servios autnomos sero referendados pelo Secretrio ou titular de cargo equivalente, que a lei determinar.

    Art. 61 - O Secretrio ou titular de cargo equivalente solidariamente responsvel com o Prefeito pelos atos que assinar, ordenar ou praticar.

    Art. 62 - A competncia do Subprefeito limitar-se- circunscrio do distrito para o qual foi designado.

    Pargrafo nico - Ao Subprefeito, como delegado do Prefeito, compete:

    I - cumprir e fazer cumprir, de acordo com as instrues recebidas do Prefeito, as leis, resolues, regulamentos e demais atos normativos dos Poderes Legislativo e Executivo;

    II - fiscalizar os servios distritais;

    III - atender s reclamaes das partes e encaminh-las ao Prefeito, quando se tratar de matria estranha s suas atribuies ou quando lhes for favorvel a deciso proferida;

    IV - indicar ao Prefeito as providncias necessrias ao distrito;

    TTULO V

    DAS FINANAS PBLICAS

    CAPTULO I

    DA ATRIBUIO

    SEO I

    DOS TRIBUTOS MUNICIPAIS

    Art. 63 - Compete ao Municpio instituir impostos sobre:

    I - propriedade predial e territorial urbana;

    II - transmisso inter vivos, a qualquer ttulo, por ato oneroso, de bens imveis, por natureza ou acesso fsica, e de direitos reais sobre imveis, exceto os de garantia, bem como cesso de direitos aquisio;

    III - vendas a varejo de combustveis lquidos e gasosos, exceto leo diesel;

    IV - servios de qualquer natureza, no compreendidos no art. 155, I, b da Constituio da Repblica, definidos em lei complementar federal;

    1 - O imposto previsto no inciso I poder ser progressivo, dos termos da lei, de forma a assegurar o cumprimento da funo social da propriedade.

    2 - O imposto previsto no inciso I no incide sobre o prdio ou terreno destinado moradia do proprietrio de pequenos recursos, que no possua outro imvel, nos termos e no limite que a lei fixar.

    3 - O imposto previsto no inciso II no incide sobre a transmisso de bens ou direitos incorporados ao patrimnio de pessoa jurdica em realizao de capital, nem sobre a transmisso de bens ou direitos decorrentes de fuso, incorporao, ciso ou extino de pessoa jurdica, salvo se, nesses casos, a atividade preponderante do adquirente for compra e venda desses bens ou direitos, locao de bens imveis ou arrendamento mercantil.

    4 - Sempre que possvel, os impostos tero carter pessoal e sero graduados segundo a capacidade do contribuinte, facultando administrao tributria, especialmente para conferir efetividade a esses objetivos, identificar, respeitados os direitos individuais e nos termos da lei, o patrimnio, os rendimentos e as atividades econmicas do contribuinte.

    Art. 64 - Incumbe ao Municpio instituir, tambm, os seguintes tributos:

  • LEI ORGNICA DO MUNICPIO DE CLUDIO

    24

    I - taxas, em razo do exerccio do poder de polcia ou pela utilizao, efetiva ou potencial, de servios pblicos especficos e divisveis, prestados ao contribuinte ou postos sua disposio;

    II - contribuio de melhoria, decorrente de obras pblicas.

    Pargrafo nico - As taxas no podero ter base de clculo prpria de impostos.

    SEO II

    DAS LIMITAES AO PODER DE TRIBUTAR

    Art. 65 - vedado ao Municpio:

    I - exigir ou aumentar tributo sem lei que o estabelea;

    II - instituir tratamento desigual entre contribuintes que se encontrem em situao equivalente, proibida qualquer distino em razo de ocupao profissional ou funo por eles exercidas, independentemente da denominao jurdica dos rendimentos, ttulos ou direitos;

    III - estabelecer diferena tributria entre bens de servios de qualquer natureza, em razo de sua procedncia ou destino;

    IV - cobrar tributos:

    a) em relao a fatos geradores ocorridos antes do incio da vigncia da lei que os houver institudos ou aumentados;

    b) no mesmo exerccio financeiro em que haja sido publicada a lei que os instituiu ou aumentou;

    V - utilizar tributos com efeito de confisco;

    VI - instituir impostos sobre:

    a) patrimnio, renda ou servios da Unio, do Estado, do Distrito Federal e de outros Municpios;

    b) templos de qualquer culto;

    c) patrimnio ou servios dos partidos polticos, inclusive suas fundaes, das entidades sindicais dos trabalhadores, das instituies de educao e de assistncia social, sem fins lucrativos, atendidos os requisitos da lei federal;

    d) livros, jornais, peridicos e o papel destinados sua impresso.

    1 - A vedao do inciso VII, a, extensiva s autarquias e s fundaes institudas e mantidas pelo Poder Pblico, no que se refere ao patrimnio e aos servios vinculados s suas finalidades essenciais ou s delas decorrentes.

    2 - As vedaes do inciso VII, a, e do pargrafo anterior no se aplicam ao patrimnio e aos servios, relacionados com explorao de atividades econmicas regidas pelas normas aplicveis a empreendimentos privados, ou em que haja contraprestao ou pagamento de preos ou tarifas pelo usurio, nem exonera o promitente comprador da obrigao de pagar imposto relativamente ao bem imvel.

    3 - As vedaes expressas no inciso VII, alneas b e c, compreendem somente o patrimnio e os servios relacionados com as finalidades essenciais das entidades nelas mencionadas.

    4 - Qualquer anistia ou remisso que envolva matria tributria ou previdenciria s poder ser concedida atravs de lei especfica.

    4 - Qualquer anistia, remisso ou iseno que envolva matria tributria ou previdenciria s poder ser concedida atravs de lei especfica, a entidade filantrpica, cultural ou de classe, sem finalidade lucrativa, vedada a iseno para as demais categorias de

    contribuintes. (NR) (redao dada ao art. pela Emenda n 01, de 14 de outubro de 1997).

  • LEI ORGNICA DO MUNICPIO DE CLUDIO

    25

    CAPTULO II

    DA RECEITA E DA DESPESA

    Art. 66 - A receita municipal constituir-se- da arrecadao dos tributos municipais, da participao em tributos da Unio e do Estado, dos recursos resultantes do Fundo de Participao dos Municpios e da utilizao de seus bens, servios, atividades, e de outros ingressos.

    Art. 67 - Pertencem ao Municpio:

    I - o produto da arrecadao do imposto da Unio sobre rendas e proventos de qualquer natureza, incidente na fonte, sobre rendimentos pagos, a qualquer ttulo, pela sua administrao direta, suas autarquias e fundaes que instituir e mantiver;

    II - cinqenta por cento do produto da arrecadao do imposto da Unio sobre a propriedade territorial rural, relativamente aos imveis nele situados;

    III - cinqenta por cento do produto da arrecadao do imposto do Estado sobre a propriedade de veculos automotores licenciados em seu territrio;

    IV - vinte e cinco por cento do produto da arrecadao do imposto do Estado sobre operaes relativas circulao de mercadorias e sobre prestaes de servios de transporte interestadual e intermunicipal e de comunicao, creditados na forma do art. 150, 1, da Constituio do Estado.

    Art. 68 - A fixao dos preos pblicos, devidos pela utilizao de bens, servios e atividades municipais, ser feita por decreto.

    Art. 69 - Nenhum contribuinte ser obrigado ao pagamento de qualquer tributo lanado pela Prefeitura, sem prvia notificao.

    1 - Considera-se notificao a entrega do aviso de lanamento no domiclio fiscal do contribuinte, nos termos da legislao federal pertinente.

    2 - Do lanamento do tributo cabe recurso ao Prefeito, no prazo de quinze dias, contados da notificao.

    Art. 70 - A despesa pblica atender aos princpios estabelecidos na Constituio da Repblica e s normas de direito financeiro.

    Art. 71 - Nenhuma despesa ser ordenada ou satisfeita sem que exista recurso disponvel e crdito aprovado pela Cmara, salvo a que correr por conta de crdito extraordinrio.

    Art. 72 - Nenhuma lei que crie ou aumente despesa ser executada sem que dela conste indicao do recurso para atendimento do correspondente encargo.

    Art. 73 - As disponibilidades de caixa do Municpio e das entidades da administrao indireta sero depositadas sem instituies financeiras oficiais, salvo os previstos em lei.

    CAPTULO III

    DO ORAMENTO

    Art. 74 - Leis de iniciativa do Poder Executivo estabelecero:

    I - o plano plurianual;

    II - as diretrizes oramentarias;

    III - o oramento anual.

    Art. 75 - A lei que instituir o plano plurianual estabelecer, de forma regionalizada, as diretrizes, objetivos e metas da administrao pblica para as despesas de capital e outras delas decorrentes e para as relativas a programas de durao continuada.

    Art. 76 - A lei de diretrizes oramentarias, compatvel com o plano plurianual, compreender as metas e prioridades da administrao pblica, incluindo as despesas correntes

  • LEI ORGNICA DO MUNICPIO DE CLUDIO

    26

    e de capital para o exerccio financeiro subsequente, orientar a elaborao da lei oramentaria e dispor sobre as alteraes na legislao tributria.

    Art. 77 - A lei oramentaria anual compreender:

    I - o oramento fiscal referente aos Poderes do Municpio, seus fundos, rgos e entidades da administrao direta e indireta, inclusive fundaes institudas e mantidas pelo Poder Pblico;

    II - o oramento de investimento das empresas em que o Municpio, direta ou indiretamente, detenha a maioria do capital social com direito a voto;

    III - o oramento da seguridade social, se houver, abrangendo todas as entidades e rgos a ela vinculados, da administrao direta e indireta, bem como os fundos e fundaes institudos e mantidos pelo Poder Pblico.

    Pargrafo nico - Integrar a lei oramentaria demonstrativo especfico com detalhamento das aes governamentais, em nvel mnimo de:

    I - objetivos e metas;

    II - fontes e recursos;

    III - natureza da despesa;

    IV - rgo ou entidade responsvel pela realizao da despesa;

    V - rgo ou entidade beneficiria;

    VI - identificao dos investimentos, por regio do Municpio;

    VII - identificao dos efeitos, sobre as receitas e as despesas, decorrentes de isenes, anistias, remisses, subsdios e benefcios de natureza financeira, tributria e creditcia.

    Art. 78 - Os projetos de lei relativos ao plano plurianual, s diretrizes oramentarias, ao oramento anual e aos crditos adicionais sero apreciados pela Cmara.

    1 - Caber a uma comisso permanente da Cmara:

    I - examinar e emitir parecer sobre os projetos referidos neste artigo e sobre as contas apresentadas anualmente pelo Prefeito;

    II - examinar e emitir parecer sobre os planos e programas de investimentos e exercer o acompanhamento e a fiscalizao oramentaria, sem prejuzo da atuao das demais comisses da Cmara.

    2 - As emendas sero apresentadas na comisso, que sobre elas emitir parecer, para apreciao, na forma regimental, pelo Plenrio.

    3 - As emendas ao projeto de lei do oramento anual ou aos projetos que o modifiquem somente podem ser aprovados caso:

    I - sejam compatveis com o plano plurianual e com a lei de diretrizes oramentarias;

    II - indiquem os recursos necessrios, admitidos apenas os provenientes de anulao de despesa, excludas as que incidem sobre:

    a) dotao para pessoal e seus encargos;

    b) servio de dvida; ou

    III - sejam relacionadas:

    a) com a correo de erros ou omisses; ou

    b) com os dispositivos do texto do projeto de lei.

    4 - Os recursos que, em decorrncia de veto, emenda ou rejeio do projeto de lei oramentaria anual, ficarem sem despesas correspondentes podero ser utilizados,

  • LEI ORGNICA DO MUNICPIO DE CLUDIO

    27

    conforme o caso, mediante crditos especiais ou suplementares, com prvia e especfica autorizao legislativa.

    Art. 79 - O Prefeito enviar Cmara, nos termos e prazos consignados na lei complementar federal, os projetos de lei do plano plurianual, das diretrizes oramentarias do oramento anual.

    1 - O no-cumprimento do disposto no artigo implicar a elaborao, pela comisso permanente da Cmara, de projeto de lei sobre a matria, tomando por base a respectiva legislao em vigor.

    2 - O Prefeito poder enviar mensagem Cmara, para propor modificao nos projetos a que se refere o artigo, enquanto no iniciada a votao, na comisso permanente, da parte que se deseja alterar.

    Art. 80 - Se a Cmara no devolver no prazo consignado na lei complementar federal, o projeto de lei oramentaria para sano, ser promulgado como lei, pelo Prefeito, o projeto originrio do Poder Executivo.

    Art. 81 - Rejeitado pela Cmara Municipal o projeto de lei oramentaria anual, prevalecer, para o ano seguinte, o oramento do exerccio em curso, aplicando-se a atualizao dos valores.

    Art. 82 - Aplica-se aos projetos de lei mencionados no art. 79, no que no contrariar o disposto nesta seo, as demais regras relativas ao processo legislativo.

    Art. 83 - O oramento ser uno, incorporando-se, obrigatoriamente, na receita, todos os tributos, rendas e suprimentos de fundos, e incluindo-se, discriminalmente, na despesa, as dotaes necessrias ao custeio de todos os servios municipais.

    Art. 84 - A lei oramentaria no conter dispositivo estranho previso da receita e fixao da despesa, no se incluindo nesta proibio a autorizao para abertura de crditos suplementares e contratao de operaes de crdito, ainda que por antecipao de receita, nos termos da legislao especfica.

    Art. 85 - So vedados:

    I - o incio de programas ou projetos no includos na lei oramentaria anual;

    II - a realizao de despesas ou a assuno de obrigaes diretas que excedam os crditos oramentrios ou adicionais;

    III - a realizao de operaes de crditos que excedam o montante das despesas de capital, ressalvadas as autorizadas mediante crditos suplementares ou especiais com finalidade precisa, aprovados pela Cmara, por maioria de seus membros;

    IV - a vinculao de receita de impostos a rgos, fundo ou despesa, ressalvadas a destinao de recursos para manuteno e desenvolvimento do ensino, como determinado pelo art. 153, e a prestao de garantias s operaes de crdito por antecipao de receita, previstas no art. 84;

    V - a abertura de crdito suplementar ou especial sem prvia autorizao legislativa e sem indicao dos recursos correspondentes;

    VI - a transposio, o remanejamento ou transferncia de recursos de uma categoria de programao para outra ou de um rgo para outro, sem prvia autorizao legislativa;

    VII - a concesso ou utilizao de crditos ilimitados;

    VIII - a utilizao, sem autorizao legislativa especfica, de recursos dos oramentos fiscal e, se houver, da seguridade social para suprir necessidade ou cobrir dficit de empresas, fundaes e fundos, inclusive dos mencionados no art. 77;

    IX - a instituio de fundos de qualquer natureza, sem prvia autorizao legislativa.

  • LEI ORGNICA DO MUNICPIO DE CLUDIO

    28

    1 - Nenhum investimento cuja execuo ultrapasse um exerccio financeiro poder ser iniciado sem prvia incluso no plano plurianual, ou sem lei que autorize a incluso, sob pena de crime de responsabilidade.

    2 - Os crditos especiais e extraordinrios tero vigncia no exerccio financeiro em que forem autorizados, salvo se o ato de autorizao for promulgado nos ltimos quatro meses daquele exerccio, caso em que, reabertos nos limites de seus saldos, sero incorporados ao oramento do exerccio financeiro subsequente.

    3 - A abertura de crdito extraordinrio somente ser admitida para atender a despesas imprevisveis e urgentes, como as decorrentes de calamidade pblica.

    Art. 86 - Os recursos correspondentes s dotaes oramentarias, compreendidos os crditos suplementares e especiais, destinados a Cmara, ser-lhe-o entregues at o dia 20 (vinte) de cada ms.

    Art. 87 - A despesa com pessoal ativo e inativo do Municpio no poder exceder os limites estabelecidos em lei complementar federal.

    Pargrafo nico - A concesso de qualquer vantagem ou aumento de remunerao, a criao de cargos ou alterao de estrutura de carreiras, bem como a admisso de pessoal, a qualquer ttulo, pelos rgos e entidades da administrao direta ou indireta fundaes instituies e mantidas pelo Poder Pblico, s podero ser feitas:

    I - se houver prvia dotao oramentaria suficiente para atender s projees de despesa de pessoal e aos acrscimos dela decorrentes;

    II - se houver autorizao especfica na lei de diretrizes oramentarias, ressalvadas as empresas pblicas e as sociedades de economia mista.

    TTULO VI

    DA ORGANIZAO ADMINISTRATIVA MUNICIPAL

    CAPTULO I

    DA ESTRUTURA ADMINISTRATIVA

    Art. 88 - A administrao pblica direta a que compete a rgo de qualquer dos Poderes do Municpio.

    Pargrafo nico - A administrao pblica indireta a que compete:

    I - autarquia;

    II - sociedade de economia mista;

    III - empresa pblica;

    IV - fundao pblica;

    V - s demais entidades de direito privado, sob controle direto ou indireto do Municpio.

    CAPTULO II

    DOS ATOS MUNICIPAIS

    SEO I

    DA PUBLICIDADE DOS ATOS MUNICIPAIS

    Art. 89 - A publicao das leis e atos municipais far-se- em rgo da imprensa local ou regional e por afixao na sede da Prefeitura ou da Cmara, conforme o caso.

    1 - A escolha do rgo de imprensa para a divulgao das leis e atos administrativos far-se- atravs de licitao, em que se levaro em conta no s as condies de preo, como as circunstncias de freqncia, horrio, tiragem e distribuio.

    2 - Nenhum ato normativo produzir efeito antes de sua publicao.

  • LEI ORGNICA DO MUNICPIO DE CLUDIO

    29

    3 - A publicao dos atos no normativos, pela imprensa, poder ser resumida.

    Art. 90 - O Prefeito far publicar:

    I - diariamente, por edital, o movimento de caixa do dia anterior;

    II - mensalmente, o balancete resumido da receita e da despesa;

    III - mensalmente, os montantes de cada um dos tributos arrecadados e dos recursos recebidos;

    IV - anualmente, at 15 (quinze) de maro, pelo rgo Oficial do Estado, as contas de administrao, constitudas do balano financeiro, do balano patrimonial, do balano oramentrio, bem como a demonstrao das variaes patrimoniais, em forma sinttica.

    SEO II

    DOS LIVROS

    Art. 91 - O Municpio manter os livros que forem necessrios ao registro de seus servios.

    1 - Os livros sero abertos, rubricados e encerrados pelo Prefeito ou pelo Presidente da Cmara, conforme o caso, ou por funcionrio designado para tal fim.

    2 - Os livros referidos neste artigo podero ser substitudos por fichas ou outro sistema, convenientemente autenticados.

    3 - O Municpio ter obrigatoriamente um livro especial para o registro de suas leis.

    SEO III

    DOS ATOS ADMINISTRATIVOS

    Art. 92 - Os atos administrativos de competncia do Prefeito devem ser expedidos com observncia do seguinte:

    I - por decreto, numerado em ordem cronolgica, nos casos de:

    a) regulamentao de lei;

    b) instituio, modificao ou extino de atribuies no constantes de lei;

    c) regulamentao interna dos rgos da administrao pblica direta;

    d) abertura de crditos especiais e suplementares at o limite autorizado por lei, assim como crditos extraordinrios;

    e) declarao de utilidade ou necessidade pblica, ou interesse social, para fins de desapropriao ou de servido administrativa;

    f) aprovao de regulamento ou de regimento das entidades da administrao indireta;

    g) permisso ou autorizao de uso de bens municipais;

    h) medidas executrias do Plano Diretor de Desenvolvimento Integrado;

    i) normas de efeitos externos, no privativas de lei;

    j) fixao e alterao de preos e tarifas;

    II - mediante portaria, nos casos de:

    a) provimento e vacncia dos cargos pblicos e demais atos de efeitos individuais;

    b) lotao e relotao nos quadros de pessoal;

  • LEI ORGNICA DO MUNICPIO DE CLUDIO

    30

    c) abertura de sindicncia e processo administrativos, aplicao de penalidades e demais atos individuais de efeitos internos;

    d) outros casos determinados em lei ou decreto;

    III - por contrato, nos seguintes casos:

    a) admisso de servidores para servios de carter temporrio, nos termos do art. 110, IX;

    b) execuo por terceiros de obras e servios pblicos municipais, nos termos da lei.

    Pargrafo nico - Os atos constantes dos incisos II e III deste artigo podero ser delegados, na forma da lei.

    SEO IV

    DAS CERTIDES

    Art. 93 - A Prefeitura e a Cmara so obrigadas a fornecer a qualquer interessado, no prazo mximo de quinze dias, certides dos atos, contratos e decises, desde que requeridas para a defesa de direitos ou esclarecimento de interesse pessoal ou coletivo, sob pena de responsabilizao da autoridade ou servidor que negar ou retardar a sua expedio.

    Pargrafo nico - As certides relativas ao Poder Executivo sero fornecidas pela autoridade definida em lei, exceto as declaratrias de efetivo exerccio do cargo de Prefeito, as quais sero fornecidas pelo Presidente da Cmara.

    CAPTULO III

    DOS BENS MUNICIPAIS

    Art. 94 - Constituem bem do Municpio todas as coisas mveis e imveis, direitos e aes que a qualquer ttulo lhe pertenam e lhe venham a ser atribudos, bem como os rendimentos das atividades e servios de sua competncia.

    Art. 95 - Cabe ao Prefeito a administrao dos bens municipais, respeitada a competncia da Cmara quanto quelas utilizados em seus servios.

    Art. 96 - Todos os bens municipais devero ser cadastrados, com a identificao respectiva, numerando-se os mveis segundo o que for estabelecido em regulamento, os quais ficaro sob responsabilidade do titular da Secretaria ou cargo a ela equivalente a que forem distribudos.

    Art. 97 - Os bens patrimoniais do Municpio devero ser classificados:

    I - pela natureza;

    II - em relao a cada servio.

    Pargrafo nico - Dever ser feita anualmente a conferncia da escriturao com os bens existentes e, na prestao de contas de cada exerccio, ser includo o inventrio de todos os bens municipais.

    Art. 98 - A alienao de bens pblicos, subordinada existncia de interesse pblico devidamente justificado, ser sempre precedida de avaliao e obedecer s seguintes normas:

    I - quando imveis, depender de autorizao legislativa e licitao, dispensada esta nos casos de doao e permuta;

    II - quando mveis, depender de licitao, dispensada esta nos casos de doao, que ser permitida exclusivamente para fins assistenciais ou quando houver interesse pblico relevante, justificado pelo Poder Executivo.

  • LEI ORGNICA DO MUNICPIO DE CLUDIO

    31

    Art. 99 - O Municpio, preferentemente venda ou doao de seus bens mveis, outorgar concesso de direito real de uso mediante prvia autorizao legislativa licitao.

    1 - A licitao poder ser dispensada, por lei, quando o uso se destinar a concessionria de servios pblicos, a entidades assistenciais, ou quando houver relevante interesse pblico, devidamente justificado.

    2 - A venda aos proprietrios de imveis lindeiros de reas urbanas remanescentes e inaproveitveis para edificaes ou outra destinao de interesse pblico, resultantes de obras pblicas, depender apenas de prvia avaliao e autorizao legislativa, dispensada a licitao.

    3 - As reas resultantes de modificaes de alinhamento sero alienadas nas mesmas condies do pargrafo anterior.

    Art. 100 - A aquisio de bens imveis, por compra ou permuta, depender de prvia avaliao autorizao legislativa.

    Art. 101 - proibida a doao, venda ou concesso de uso de qualquer frao dos parques, praas, jardins ou lagos pblicos, salvo pequenos espaos destinados venda de jornais, revistas ou refrigerantes.

    Art. 102 - O uso de bens municipais, por terceiros, s poder ser feito mediante concesso ou permisso, a ttulo precrio e por tempo determinado, conforme o interesse pblico o exigir.

    1 - A concesso de uso dos bens pblicos de uso especial e dominicais depende de lei e licitao e ser feita mediante contrato, sob pena de nulidade do ato, ressalvada a hiptese do 1 art. 99.

    2 - A concesso administrativa de bens pblicos de uso somente poder ser outorgada para finalidades escolares, de assistncia social ou turstica, mediante autorizao legislativa.

    3 - A permisso de uso, que poder incidir sobre qualquer bem pblico, ser feita, a ttulo precrio, por decreto.

    3 - A utilizao de reas de domnio do Municpio para a realizao de eventos de curta durao, sob regime de permisso de uso, a ttulo precrio e mediante decreto; somente poder ser autorizada a entidades privadas, legalmente constitudas sem a finalidade de

    lucro e em eventos promovidos exclusivamente pela entidade permissionria. (NR) (Redao